Vagabunda aqui abunda!

12 agosto 2013


Hoje quero fazer crônica sem compromisso com nada. Crônica, assim feito borboleta vagabunda, esvoaçante da crônica do saudoso Ruben Braga. Aliás “vagabunda” é palavra bem interessante. Notadamente este termo linguístico deva vir de dois radicais: “vaga”; espaço, delimitado ou infinito. Mas… E de onde será que vem “bunda”? (se preferir) Pra onde vai a bunda?

“Na época da escravatura(…) foram trazidos de Angola escravos de origem Ambundos. Naquela época a palavra bunda não existia. Os portugueses quando queriam falar a respeito das nádegas de uma cachopa, diziam exatamente isso, nádegas ou região glútea. Escravos eram chamados de quimbundo (ou Kimbundu). O quimbundo é uma língua com grande relevância, língua tradicional da capital e do reino dos N’gola. (…)Os ambundos, mais conhecidos por bundos, em especial as mulheres, bundas, possuíam a tal região glútea muito mais sólida, avantajada e globosa. Os portugueses, que ao contrário do que se acredita, não são bobos, logo encompridaram os olhares para as nádegas das mulheres bundas. Quando as escravas bundas passavam diante de uma turma de portugueses, eles comentavam: “-Que bunda!” Em pouco tempo a palavra bunda, antes designação de uma língua e de um povo, passou a ser sinônimo de nádegas! Assim nasceu a bunda moderna. Bunda também é cu-ltura!” (Fonte: facebook.com.br).

“Vagabunda, deriva da palavra vagal, que é correlacionada com desocupada. Sem profissão, ou não tem dono. Possui uma estreita relação com a palavra vadia, PIS tem significado igual, ou complementar. A história relata sua primeira aparição a + ou – 2500 anos atrás, quando Júlio Cesar, imperador pediu a cabeça de Fabíola, uma cortesã que na época era conhecida como a mais popular “vagal” de todo império romano.” (Fonte: Yahoo.com/respostas?Simone Casanova)

“O dicionário Aurélio da língua portuguesa traz Bunda como nádegas e até como ânus. Já o dicionário de Kimbundu-Português traz mbunda como traseiro, nádegas e saracoteio. O acréscimo de “M” e “N” antecedendo a palavra tem função de nasalidade da palavra. A palavra Bunda também existe em Portugal, porém é menos usada que no Brasil. Em Portugal usa-se mais “traseiro” e “cu”. Existe até a famosa expressão “tomar uma pica no cu” para dizer que vai tomar uma injeção na bunda. Para se ter uma ideia o dicionário PT-BR do Mozilla Firefox não traz a palavra Bunda, você é que tem que adicioná-la” (Fonte: linguaportuguesabyrogerio marques.blogspot.com.br).

Ontem precisei entrar na “Casa O Ferrageiro”. Aliás ambiente do qual não deixo de elogiar, diretamente aos funcionários (quando ali estou) pela presteza, a cordialidade, a polidez com a qual tratam os fregueses indistintamente. Isso faz com que criemos um vínculo de amizade e um clima de descontração com os atendentes, na hora de efetuar compras ali. Ao dirigir-me para receber o que havia comprado, presenciei uma conversa calorosa, entre um cliente e o rapaz da sessão de embalagens que entre risos geral reclamava:

-Me diga professor! Pode uma coisa dessa? O dia inteiro tenho que aguentar os caras me pedindo pra dar a “rosca”, a “ruela”, esse aqui, agora mesmo está me pedindo o “anel”!

Fabio Campos 09.08.2013

No fabiosoarescampos.blogspot.com o Conto: “Ruínas na Avenida Coronel Lucena”

Comentários


Importante! Este site utiliza cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes. Ao continuar a navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.