Um poema às mães

12 maio 2019 - 09:00

Sérgio Campos e sua mãe (Foto: Arquivo pessoal)

Mãe, minha e sua, sempre guerreira

Como eu poderia crescer espiritualmente se não fosse a oportunidade dada pela minha mãe?

Ser inconfundível, incomparável, que se propôs a cuidar de seres indomáveis.

Incompreendida, injustiçada, de coração expansivo, a meta é ajudar por toda a vida.

Qualificada pelo Criador, se doou de corpo e alma, sem pensar em clamor, amparada no amor.

Missão delicada, para uma criatura aplicada, que nunca se cansa de lutar e superar as maiores enrascadas.

O seu presente está garantido, no infinito da bondade de sua breve passagem por uma das moradas do Pai, que se sente aprazido.

Minha Mãe

Determinada a cuidar de todos nós. 
Cumpristes teu papel de mãe abençoada.
Tribulações não faltaram em tua jornada.
E mesmo assim passastes por todas as provas.
Dignidade é sua marca registrada. 
Que Deus te guie um dia pra Sua morada.

Todas as pedras que pairaram em seu caminho,
Foram usadas para sua evolução. 
Filha, irmã, esposa, amiga devotada. 
Eis um exemplo em sua comunidade. 
Deus saberá compensar sua jornada.
Pois sois pra nós uma mãe abençoada.

Guerreira, linda guerreira,
A flor mais bela desse meu lindo jardim. 
Guerreira, linda guerreira,
Inspiração divina flor do meu jardim.

Por Sérgio Soares de Campos – colaboração

Comentários