Sobre Diógenes Pereira

Diógenes Rodrigues Pereira é Psicólogo Clínico, Terapeuta Cognitivo Comportamental, Especialista em Avaliação Psicológica, Palestrante, Consultor Pessoal e Organizacional. Formado pelo Centro Universitário Cesmac (Maceió).


SEXUALIDADE: Um assunto para todas as idades

23 agosto 2020


Foto: emmaws4s / Pixabay

Quando falamos em sexualidade, esbarramos é um TABU cultural onde a maioria das pessoas tem um conceito errado sobre essa característica instintiva humana. 

Muitas pessoas pensam que falar sobre sexualidade com crianças e adolescentes, irá incentivá-los a entrar na prostituição.

Muitas pessoas pensam que falar sobre drogas com crianças e adolescentes, irá incentivá-los a entrar na marginalidade.

Muitas pessoas pensam que falar sobre suicídio com crianças e adolescentes, irá incentivá-los a tirar a própria vida.

Conversar e prevenir é melhor do que tentar consertar erros cometidos por falta de conhecimento e orientação.

É preciso compreender que existir diferença entre: Sexualidade e Sexo. 

SEXUALIDADE: é uma energia que motiva o individuo a buscar uma satisfação íntima. Nem sempre essa busca é com SEXO. Existem várias formas de sentir prazer nas relações sociais e que configuram a sexualidade, energia essa que nos acompanha desde o nascimento até a morte, em cada momento da vida ela se apresenta de modo diferente. A OMS (Organização Mundial de Saúde) reconhece que a sexualidade é uma energia instintiva de origem biológica do ser humano, ou seja, todo ser tem sua condição particular de viver e saciar suas próprias necessidades.

SEXO: é uma prática comportamental que motiva parte da manutenção da sexualidade, e se contextualiza de acordo com cada cultura. O ato sexual é a ação que configuram relações reprodutivas e vínculos afetivos e sociais. 

O ideal é que os seres humanos só se relacionem sexualmente a partir do momento em que o organismo alcance maturidade hormonal, estando assim em condições de reprodução. Esse prazo nem sempre é igual, cada organismo tem um tempo particular de chegar a essa condição plena de funcionalidade.

Mas como orientar as crianças com o conteúdo compatível para sua idade?

Como direcionar os adolescentes na administração das mudanças corporais e hormonais?

Essas não são as únicas perguntas que atormentam os pais e as mães, eles hoje estão nessa posição, mas já foram filhos também e na época não tiveram oportunidade de vivenciar algo diferente sobre o assunto sexualidade.

Então como não sabem realmente o que é sexualidade, também tem dificuldades de responder perguntas sobre sexualidade dos filhos crianças e dos adolescentes.

Como direcionar os filhos com confiança para que eles se desenvolvam em cada etapa de suas vidas de forma saudável?

Pergunta difícil não é?

Pois bem, é comum ouvirmos adultos sem conhecimento e com preconceituosos expressarem que crianças e idosos não tem sexualidade. Isso é um erro, em todas as idades estão ativas as características e condições inerentes à sexualidade.

As crianças têm seu modo e seu tempo de conhecer seu corpo, e compreender as diferenças físicas entre meninos e meninas, isso é sexualidade. É comum identificarmos pais e mães que se sentem confusos ao ser questionado sobre sexualidade com perguntas simples pelos filhos ainda crianças.

Exemplo: Mamãe como eu sai da sua barriga? Como eu nasci? Como você ficou gravida?

Muitos já passaram essa “saia justa”. Pais e mães, quando isso acontecer com vocês, respondam de modo objetivo e simples, pois se vocês não forem convincentes ou não responderem, essas crianças vão pesquisar na internet, e infelizmente lá eles encontrarão conteúdos impróprios para a idade deles, e possivelmente nunca mais eles te perguntem nada sobre o assunto, e sempre vão buscar essas respostas na internet. Lá o conteúdo confunde até os adultos, imaginem a elas que são crianças.

Só que na maioria dos casos crianças principalmente do sexo feminino são muito punidas e traumatizadas diante desse tema. Esses pais não admitem que elas crescem e na maioria das vezes irão descobrir a verdade de forma vulgarizada ou erotizada.  

Adolescentes buscam experimentar como esse (corpo) aparelho biológico funciona, muitas vezes através da masturbação, que é comum na puberdade entre garotos e garotas. 

Não adianta você pai ou mãe dizer que é pecado, ou dá qualquer outra forma de desculpa ou punição. É nesse período da vida que surgem muitas dúvidas e que os pais na maioria das vezes não sabem orientar seus filhos, e na ausência desse direcionamento eles buscam respostas em pessoas que também não sabem abordar o assunto, assim como na internet, e devido a isso, muitos iniciam uma vida sexual de forma errada, arriscada e irresponsável. 

O ideal é que os pais construam uma relação de confiança com seus filhos, e assim esse quando adolescente será mais bem direcionado, pois quando tiver dúvidas ele vai buscar resposta nessa pessoa de confiança.

Adultos que apresentam alguma disfunção sexual seja ele hétero ou homossexual, possivelmente foi uma criança mal orientada e um adolescente em conflito com seu próprio corpo. Ou talvez vítima de algum tipo de abuso sexual. 

Lamentavelmente o índice de violência sexual contra crianças e adolescentes é alto na nossa cultura, o fato da criança não ser orientada adequadamente sobre sexualidade, é um fator faz essas crianças serem mais vulneráveis aos abusadores.

Senhores pais e mães compreendam que vocês nunca conseguirão impedir a evolução dos seus filhos, o contexto da sexualidade é apenas um dos elementos que compõe a multiplicidade funcional dele enquanto ser humano. Então é melhor adaptar-se e orientar com carinho e respeito do que perder o controle vê-los mal sucedidos na vida sexual e social.

Falar sobre o assunto com os filhos não irá incentiva-lo a entrar na prostituição, pelo contrário esses ensinamentos devem ser a porta de entrada para melhor visão sobre os perigos a serem enfrentados na vida de adultos.

Comentários


Importante! Este site utiliza cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes. Ao continuar a navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.