Sertão de Alagoas sedia 1º polo de mudas de palmas resistentes à praga Os polos de distribuição da palma forrageira resistente à praga funcionarão como propagadores da tecnologia, onde agricultores foram selecionados para servirem como multiplicadores do benefício tecnológico para outros produtores.

17 dez 2020 - 11:16

Foto: Assessoria / Codevasf

O município de Água Branca, no Alto Sertão de Alagoas, sedia o primeiro polo de distribuição de mudas micropropagadas de palma forrageira resistente à Cochonilha do Carmim. Para isso, agricultores familiares de Alagoas foram selecionados para multiplicar e distribuir as mudas da palma com outras famílias em dez municípios alagoanos. A inauguração do polo ocorreu nesta quarta-feira (16), no Distrito de Alto dos Coelhos, na zona rural do município.

Com investimentos de cerca de R$ 11,9 milhões em recursos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), a Codevasf pretende que a palma forrageira mais resistente possa por fim a praga e fortalecer a atividade de produção leiteira da agricultura familiar na região semiárida do Brasil.

A tecnologia foi desenvolvida a partir de uma parceria entre a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), o Mapa e o FIDA com atividades de pesquisa e produção de mudas desenvolvidas pela Universidade Federal de Viçosa (UFV).

Com o pacote tecnológico pronto, agora será a vez de multiplicar as palmas e disseminar junto aos agricultores familiares da região, explica a engenheira agrônoma Andrea Rachel Sousa, gerente de Apoio Produção da Área, que representou o diretor da Área de Empreendimentos de Irrigação da Codevasf, engenheiro agrônomo Napoleão Casado, no evento.

“A palma forrageira nessa região semiárida possui uma grande importância, pois serve de alimento para os animais na atividade de produção leiteira. Com esse pacote tecnológico, buscamos dar condições estruturais para que a atividade agropecuária continue com nível de excelência, especialmente a bovinocultura leiteira, que foi tão impactada pela Cochonilha do Carmim, que impossibilitava os agricultores de levar esse alimento ao gado”, detalhou a gerente da Codevasf.

Os polos de distribuição da palma forrageira resistente à praga funcionarão como propagadores da tecnologia, onde agricultores foram selecionados para servirem como multiplicadores do benefício tecnológico para outros produtores rurais. O projeto prevê a produção de 5 milhões de mudas em laboratório. No total, 205 municípios da região semiárida – área de abrangência do Projeto Dom Helder – deverão receber mudas provenientes dos viveiros de aclimatação.

Além da distribuição de mudas em municípios do Semiárido, o projeto fará a capacitação de pequenos produtores dessa região, sobretudo de caprinos, ovinos e bovinos, para aproveitamento eficiente da reserva de água existente, bem como a instalação de sistemas de irrigação por gotejamento, necessários ao cultivo das cactáceas.

Foto: Assessoria / Codevasf

PRIMEIRO POLO DE PROPAGAÇÃO DA PALMA EM ALAGOAS

Nessa primeira fase do projeto em Alagoas, serão 42 agricultores selecionados em 10 municípios: Água Branca, Delmiro Gouveia, Piranhas, Olho D’Água do Casado, São José da Tapera, Inhapi, Poço das Trincheiras, Santana do Ipanema, Senador Rui Palmeira e Carneiros. Esses primeiros 42 beneficiados receberam 15 mil mudas. Após a multiplicação no prazo de um ano, eles assinaram um compromisso de distribuir as novas mudas para outros 42 agricultores e Alagoas, sendo 15 mil mudas para cada novo beneficiário.

A gerente da Codevasf ainda adiantou que o polo de Água Branca possui potencial para ser referência para a propagação das mudas para os outros estados vizinhos, o que deve ser analisado pelo Mapa e pela Codevasf. Pela localização estratégica, próximo a divisa de Alagoas com os estados da Bahia, Sergipe e Pernambuco, o polo de Água Branca (AL) poderá atender municípios desses estados. Ela também informou que os beneficiados pelo projeto devem ter o acompanhamento e assistência técnica por um ano prestada pela equipe técnica multidisciplinar da UFV contratada pela Codevasf para atuar no projeto.

Entre os agricultores beneficiados está o casal Hélio da Silva e Jaide de Jesus, moradores do assentamento Padre Cícero, na zona rual de Água Branca. No lote do assentamento da reforma agrária, o casal cria algumas vacas para produção de leite e conhece bem os problemas causados à lavoura de palmas forrageiras. “Em 2012, iniciamos um projeto no assentamento para cultivo de 3 tarefas de terra de palma forrageira. A praga da cochinilha foi tão grande que matou toda plantação. Não ficou um pé de palma para contar a história”, revelou Jaide. “Agora temos fé e acreditamos que podemos aumentar nossa produção de leite com essa palma mais forte”, comemorou a agricultora.

O superintendente regional da Codevasf em Alagoas afirmou que o pacote tecnológico deve ser propagada para todos os municípios alagoanos para combater uma dos principais pragas da bovinocultura leiteira. “A Cochonilha do Carmim é uma praga que enfraquece o potencial da produção leiteira em todos país. Para combatê-la, a Codevasf e seus parceiros investiram em tecnologia e hoje temos uma muda altamente resistente à praga. Agora o Governo Federal leva essa inovação ao pequeno produtor e o resultado é o fortalecimento da produção leiteira em Alagoas e a garantia da renda para milhares de famílias que vivem da bovinocultura leiteira no sertão de Alagoas”, afirmou.

Participaram da solenidade além da gerente da Codevasf e do superintendente regional da Companhia em Alagoas, outros técnicos da empresa, o prefeito de Água Branca José Carlos de Carvalho, o secretário municipal de Agricultura e Meio Ambiente de Água Branca, Silevagno D’Oliveira Gomes, representantes do Mapa, da UFV, das prefeituras beneficiadas, entre outros. O evento adotará todas as medidas de segurança sanitárias em função da pandemia de Covid-19.

Por Assessoria / Codevasf

Comentários