Sertanejo é morto por assaltantes em estrada vicinal de Canapi Vítima deixou esposa e cinco filhos. Crime está sendo investigado pela Polícia Civil.

28 mar 2019 - 09:46

Foto: Rudy and Peter Skitterians / Pixabay

Um morador de Canapi, município do Alto Sertão de Alagoas, foi morto a tiros no final da tarde desta quarta-feira (27), numa estrada vicinal. As primeiras informações da polícia apontam para o crime de latrocínio.

Segundo registros da Polícia Militar, Ivanildo Lúcio da Silva, de 40 anos, foi abordado por volta das 17h30, num trecho do Sítio Lages, por criminosos que estavam numa moto.

A vítima teve seu carro roubado e foi assassinada na estrada. Seu corpo foi encontrado já sem vida por moradores da região.

Em contato com a reportagem, a Polícia Civil informou que os suspeitos estariam realizando assaltos na cidade e ao final da ação encontraram com a vítima na estrada.

Nota de pesar

Ao saber do homicídio, a organização do Projeto Casa Solidária emitiu uma nota de pesar sobre o episódio e informou que a mãe da vítima era uma das beneficiárias da ação.

Veja abaixo a nota:

Faleceu na tarde desta quarta-feira (27) o filho da nossa querida Dona Damares da comunidade Poço do Boi conhecido por “Nego”, vítima de um homicídio de consequências ainda não explicadas sobre as quais acreditamos no trabalho de investigação da Polícia para que se chegue aos autores deste bárbaro crime.

“Nego” era uma pessoa alegre e muito jovem que desde o princípio do anúncio de construção da casa da mãe pelo Projeto Casa Solidária, trabalhava incansavelmente para erguer sua modesta morada, tanto que foi ele que fez toda a sapata da residência.

Lamentamos com grande pesar o falecimento deste grande amigo que aprendemos todos a considerar e pelo qual tínhamos enorme amizade, ao tempo em que pedimos a Deus a força necessária que sua mãe Dona Damares, sua esposa e seus 05 filhos pequenos agora órfãos de pai irão precisar neste momento de imensa dor.

“A saudade eterniza a presença de quem se foi. Com o tempo esta dor se aquieta, se transforma em silêncio que espera, pelos braços da vida um dia reencontrar” (Padre Fábio de Melo).

Por Lucas Malta / Da Redação

Comentários