Sobre Sérgio Campos

Sérgio Soares de Campos, nasceu em 11 de novembro de 1961, em Santana do Ipanema, Alagoas. Possui crônicas publicadas em sites e livros como: À Sombra do Umbuzeiro e À Sombra do Juazeiro. É membro idealizador e cofundador da Associação Guardiões do Rio Ipanema (Agripa). Criou o projeto musical Canteiro da Cultura, lançado dia 14 de dezembro de 2019.


Semana em Homenagem à Caatinga: poeta descreve bioma excepcionalmente brasileiro

30 abril 2014


semanacaatinga

Após os belos versos de um pernambucano, no terceiro dia de homenagem à Caatinga, o site Alagoas na Net traz outros versos, desta vez de autoria um sertanejo da cidade de Santana do Ipanema, o poeta e cantador Ferreirinha.

Compositor e repentista, o artista já tem em sua longa jornada um belo trabalho falando de sua região, o Sertão, como num poema publicado também neste site, no ano passado. Atualmente o morador faz parte da Associação Guardiões do Rio Ipanema (Agripa) e tem lutado pela causa do rio que dá nome a sua terra.

Cantor e poeta Ferreirinha (Foto: Alagoas na Net/Arquivo)

Confira abaixo a poesia composta por Ferreirinha, em homenagem à Caatinga.

Dia da Caatinga

Autor: Cícero Ferreira (Ferreirinha)

Segunda-feira, 28 de abril

Na floresta a chuva pinga

Deixando um cheiro gostoso

No fundo verão que míngua

Alegrando o sertanejo

Na Semana da Caatinga

Homenagem a Caatinga

Na roça se faz lembrar

O voar do tico-tico

E canção do sabiá

Que aprendeu ser seresteiro

Sem ninguém pra lhe ensinar

Por isso vamos lembrar

Preservar com mais cuidado

Sem queimar sem desmatar

O que por Deus nos foi dado

Nossa flora e nossa fauna

E nosso reino encantado

Na caatinga ainda se ver

A coruja buraqueira

Que chora como criança

Quando perde a mamadeira

E passa o dia dormindo

Pra caçar a noite inteira

Fauna e flora brasileira

Não deve ser destruída

Aonde você andar

Na mata há sopro e vida

Quem preserva a natureza

Tem uma paz garantida

Entre as demandas da vida

Do homem que a mão engrossa

Que se criou trabalhando

Pra manter sua palhoça

Duvido que na cidade

Tenha a paz que tem na roça

A Caatinga é o cenário

Do vaqueiro do sertão

Onde ele exibe contente

Perneira, chapéu, gibão

Se faltar essa floresta

É o final da profissão

Da Redação

Comentários


Importante! Este site utiliza cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes. Ao continuar a navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.