Santana: Família de criança morta tem provas de negligência em atendimento

05 abr 2018 - 07:08

Advogado Rafael Ferreira deu detalhes do caso (Foto: Lucas Malta / Alagoas na Net)

Completados quase um mês da morte da menina Luana Viana Campos, após atendimento no Hospital Clodolfo Rodrigues de Melo, em Santana do Ipanema, sua família hoje afirma ter provas de que houve negligência no atendimento.

A defesa informou que já prestou Boletim de Ocorrência e vai entrar com uma ação de reparação de danos. O advogado Rafael Ferreira falou ao site Alagoas na Net que estava esperando os prontuários para tomar as medidas necessárias.

“Ficou constatado que houve negligência, pois no dia havia uma ambulância do SAMU e a criança necessitava fazer esse deslocamento com ajuda de aparelhos e alguém da área da saúde”, justificou Rafael.

O defensor explicou que os documentos mostram que a criança passou por avaliações médicas e que a pediatra plantonista solicitou uma avaliação do cirurgião geral. Este, por sua vez, recomendou uma transferência e solicitou uma ambulância do SAMU. Ocorre que a criança foi colocada numa ambulância sem nenhuma condição de transporte, visto seu estado grave.

Ferreira ainda afirmou que a criança chegou a ir para a UTI, mas foi retirada e encaminhada até a capital. “Ela poderia ter passado por procedimento dentro do hospital, devido a urgência, mas o médico se recusou, mesmo tendo a sugestão da pediatra plantonista. O hospital também poderia ter solicitado uma unidade móvel do Estado, como por exemplo o helicóptero UTI”, acrescentou.

Indagado sobre os próximos passos Rafael avaliou que agora espera a conclusão do inquérito. “O resultado do inquérito poderá apontar para um homicídio culposo ou doloso, a depender do que o delegado vai apurar. A defesa vai acompanhar todo o inquérito e apresentar uma ação na esfera cível”, assegurou o advogado.

Respostas

A reportagem buscou respostas do hospital sobre o assunto. A diretora da unidade estava em uma reunião quando procurada, mas através de sua secretária, relatou que o caso está sendo avaliado pela Comissão de Ética Médica e que o Hospital tem um prazo de 60 dias para apurar o que houve.

Relembre o caso

Morta no dia 10 de março, quando era transportada de Santana do Ipanema para a cidade de Maceió, a garota Luana, de 5 anos foi vítima de uma apendicite aguda, segundo laudo do óbito, feito por uma médica da capital.

Ocorre que a família recebeu a informação no Hospital Regional Clodolfo Rodrigues de Melo que a criança estaria sofrendo de uma infecção urinária. Relembre o caso, CLICANDO AQUI.

Por Lucas Malta / Da Redação

Comentários