Rodrigo Cunha vai a ministro pedir ajuda da Petrobras para famílias do Pinheiro

10 jul 2019 - 08:44

Senador se reuniu em Brasília (Foto: Assessoria)

O senador Rodrigo Cunha esteve na tarde desta terça-feira com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, pedindo o apoio técnico da Petrobras para agilizar soluções para as famílias do Pinheiro, Mutange e Bebedouro. O senador solicitou a intervenção da Petrobras para que haja uma definição técnica que responda a uma das grandes inquietações das famílias desses bairros, que é se os que tiveram de deixar suas casas terão segurança para voltar.

Como é acionista da Braskem, no entendimento do senador Rodrigo, a Petrobras pode ajudar a encontrar saídas para mitigar o drama vivido pelos moradores do Pinheiro e adjacências. O ministro, que já vem acompanhando a situação desde o início do ano, comprometeu-se em conversar sobre o assunto com o presidente da estatal.

O senador citou o trabalho da CPRM (Serviço Geológico do Brasil), que deu um laudo técnico sobre as causas das rachaduras nas casas e comércios dos bairros, relacionando o fenômeno à exploração do sal-gema pela Braskem. E comentou que há providência em andamento, como o aluguel social, e a construção, pela prefeitura, de casas do Minha Casa Minha Vida. Mas ressaltou que muitos ainda carecem de respostas, e há a necessidade de as famílias terem segurança para planejar suas vidas de agora em diante.

“As pessoas estão vivendo um drama sem fim, que não se resume à questão financeira. Estamos falando de vínculos emotivos que os moradores do bairro construíram ao longo de muitos anos. A insegurança das pessoas hoje está relacionada à dúvida sobre se voltarão para suas casas um dia”, relatou o senador Rodrigo ao ministro.

O ministro Bento Albuquerque demonstrou sensibilidade em relação ao problema que afeta pelo menos 30 mil pessoas em Maceió, e pelo menos 2 mil estabelecimentos comerciais. E contou que esta semana terá uma nova reunião com o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, para tratar da situação do Pinheiro.

Por Assessoria / RC

Comentários