Polícia Civil conclui inquérito sobre morte da menina Beatriz em Maravilha

25 ago 2020 - 09:00


Menina Ana Beatriz foi brutalmente assassinada (Foto: Reprodução / Redes sociais)

A Polícia Civil d Alagoas (PC-AL) divulgou neste segunda-feira (24) um depoimento do delegado Diego Nunes, responsável pela Delegacia de Maravilha, município situado no Sertão de Alagoas, onde informa a conclusão do inquérito sobre a morte da menina Ana Beatriz, vítima de abuso sexual e estrangulamento no dia 6 de agosto.

Segundo a autoridade policial, as investigações revelaram que o suspeito raptou a menor, nas imediações da residência dos pais dela, e a levou para casa dele. Lá o homem praticou violência sexual e em seguida a matou e colocou o corpo dela no interior de um saco sobre o telhado daquele imóvel.

“Por volta das 8h da manhã do mesmo dia, policiais militares que já realizavam diligências no intuito de localizar a menor, encontraram o corpo e prenderam o suspeito que estava no interior da residência”, declarou o delegado, em vídeo publicado nas redes sociais da PC-AL.

Ainda de acordo com o delegado, o acusado alegou que não se recordava do que havia feito, pois estava sob efeito de drogas. O laudo necroscópico do Instituto Médico Legal comprovou a violência sexual e identificou a causa da morte de Anna Beatriz como sendo asfixia decorrente de estrangulamento.

“Desta forma, diante de todas as evidências, o suspeito foi indiciado pelos crimes de estupro de vulnerável e homicídio qualificado e majorado. O processo criminal terá prosseguimento na comarca de Maravilha e o suspeito segue preso e à disposição da Justiça”, completou Nunes.

 

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

fala sobre a conclusão do inquérito policial da criança morta no município de Maravilha, no Sertão de Alagoas.

Uma publicação compartilhada por Polícia Civil de Alagoas (@policiacivildealagoas) em

O crime

O crime contra a criança sertaneja repercutiu em todo o estado, logo após a localização do seu corpo e a prisão em flagrante do suspeito, um homem de 44 anos. A polícia chegou ao paradeiro dele após informações obtidas com a família. RELEMBRE AQUI.

Populares ficaram revoltados com o acontecido e tentaram invadir a residência do suspeito. Alguns moradores jogaram pedras e a Polícia Militar precisou usar a força para dispersar a multidão e conseguir levar o homem. CLIQUE AQUI.

Um dia depois do crime, a Perícia Oficial de Alagoas conseguiu emitir um laudo que atestou a morte da criança. Beatriz foi estuprada e depois assassinada por meio de enforcamento. O Instituto Médico Legal (IML) ainda recolheu material biológico que deverá atestar a autoria da violência sexual. REVEJA

No dia 8 de agosto, centenas de pessoas foram as ruas da cidade de Maravilha para prestar as últimas homenagens a menina que foi assassinada. No enterro de Ana Beatriz familiares, amigos e colegas da escola levaram cartazes e faixas. RELEMBRE AQUI

Por Lucas Malta / Da Redação

Comentários


Importante! Este site utiliza cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes. Ao continuar a navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.