Piso de professores e enfermeiros pode desequilibrar finanças municipais, diz CNM Um reajuste já é lei e o outro está como proposta tramitando no Congresso.

24 ago 2021 - 09:00

Foto: Marcos Santos / USP Imagens

O presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, participou na manhã desta segunda-feira (23) do IX Fórum Nacional de Governadores e entre algumas das pautas abordadas estiveram o reajuste do piso do magistério, bem como outro piso, que ainda está em proposta no Congresso, a dos enfermeiros. 

Ziulkoski disse que a CNM defende que o crescimento ocorra seguindo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). “Essa questão é extremamente importante pois traz impactos graves. Se não houver nenhuma mudança, o aumento do piso ano que vem será de 31%. Como conseguiremos pagar”, questionou.

Sobre o reajuste para os profissionais da Saúde, o líder municipalista diz que trará impacto de aproximadamente R$ 48 bilhões apenas aos Municípios, além da redução da jornada de trabalho desses profissionais.

Para Paulo, há ainda necessidade de uma nova regulamentação do novo Fundeb; de emenda que proíbe despesa nova sem a indicação da fonte de custeio; do julgamento dos royalties pelo STF, que aguarda deliberação na Corte há nove anos; e a Reforma Tributária, que pretende juntar ICMS e ISS em um único imposto.

Da Redação com Agência CNM

Comentários


Importante! Este site utiliza cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes. Ao continuar a navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.