PF faz operação em Alagoas contra fraudes no auxílio emergencial O meio fraudulento empregado consistia na ativação indevida do aplicativo CAIXA TEM com o cadastramento e validação imprópria de inúmeros CPFs

Ascom / PF Alagoas

10 Maio 2022 - 09:15


Agentes cumpriram mandados de busca (Foto: Ascom / PF-AL)

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (10), a operação APATE, com o cumprimento de 10 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 1ª Vara Federal de Maceió, com vistas a desarticular associação criminosa que fraudava auxílio emergencial.

Ao todo, 40 policiais federais participam da operação APATE, para o devido cumprimento de 09 (nove) mandados em Alagoas e 01 (um) em Pernambuco.

A investigação iniciou ano passado (2021), quando alguns donos de lotéricas identificaram que determinados funcionários estariam sendo cooptados pela associação criminosa, informando tal fato à Polícia Federal.

O meio fraudulento empregado consistia na ativação indevida do aplicativo CAIXA TEM, realizada pelos empregados cooptados, com o cadastramento e validação imprópria de inúmeros CPFs, o que ensejou vários pagamentos fraudulentos de auxílios emergenciais, em prejuízo ao Erário Público Federal.

Ademais, observou-se os domicílios daqueles que tiveram os CPFs indevidamente ativados são totalmente diversos e muito distantes do local do cadastro e ativação do CAIXA TEM (Maceió/AL).

Outrossim, merece destacar que alguns indiciados possuem uma considerável quantidade de contas bancárias; trata-se de uma característica comum nas condutas de diversos fraudadores investigados no Banco Nacional de Fraude ao Auxílio Emergencial, que se utilizam desse artificio para otimizar e facilitar a movimentação de dinheiro oriundo de fraudes.

A investigação conseguiu identificar os envolvidos na trama criminosa, o que ensejou a expedição dos mandados de busca e apreensão pela 1ª Vara Federal de Maceió.

Os indiciados ficarão à disposição da Justiça Federal para responder pelos crimes de estelionato majorado (art. 171, §3o, do CP) e associação criminosa (art. 288 do CP), que somados podem chegar a 8 anos reclusão.

Na mitologia grega, Apate era um espírito que personificava o engano, o dolo e a fraude. Foi, junto com o seu correspondente masculino Dolos (o espírito das ardilosidades), um dos espíritos que saíram da caixa de Pandora.

Comentários


Importante! Este site utiliza cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes. Ao continuar a navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.