Palmeira e Iphan implantarão nova museografia na Casa Graciliano Ramos

12 ago 2020 - 08:30

Prefeito esteve ao lado de representantes do Iphan e do senador Collor (Foto: Diego Wendric / Assessoria)

A Prefeitura de Palmeira dos Índios assinou nesta terça-feira (11), um convênio com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) para a implantação da nova museografia da Casa Museu Graciliano Ramos. Em 2017, primeiro ano da gestão do prefeito Júlio Cezar, a prefeitura e o Instituto assinaram uma Ordem de Serviço de Restauração da Casa, orçada em R$ 500 mil, sendo R$ 250 mil do Iphan, proveniente de emenda do senador Fernando Collor, e os outros 50% de contrapartida do município.

O convênio assinado agora foi no valor de R$186 mil, recurso garantido também pela articulação política do senador Collor. Com a implantação da nova museografia, o museu restabelecerá condições para funcionamento como equipamento cultural do município e poderá receber pesquisadores, estudantes e usuários espontâneos com melhor acolhimento.

“Hoje é uma data muito importante para Palmeira. Ao assumir a Secretaria, em março de 2017, o senador Collor nos recebeu para tentar dar vida a um projeto que estava parado e que foi dividido em duas etapas. A primeira foi a restauração da casa e a segunda a restauração museográfica. A Casa Museu é visitada por pessoas de todo o mundo e poderá receber melhor os visitantes. Agradeço ao prefeito Júlio, ao senador Collor e ao Iphan por tudo isso, que vai mudar a história da cultura de Palmeira dos Índios”, afirmou a secretária municipal de Cultura Isvânia Marques.

A Casa Museu foi onde morou o escritor Graciliano Ramos, reconhecido como um dos luminares do modernismo.  O superintendente do Iphan, Sandro Gama, disse estar feliz com essa conquista e parafraseou o Mestre Graça, ‘nas estradas que se abriram só há curvas onde as retas foram inteiramente impossíveis’. 

“Tínhamos um caminho a trilhar. Com isso quero dizer que o caminho não foi de linha reta, mas de curvas, e que nasceu há anos atrás. O prefeito, em certo momento foi atrás do senador Fernando Collor, que o recebeu de braços abertos. Fizemos a primeira etapa e o prefeito não dormiu até que chegasse a esta etapa da museografia. A cidade de Palmeira merece tudo isso, porque pessoas do mundo inteiro realmente nos procuram para saber onde fica a Casa Museu Graciliano Ramos. Nós perdemos os prazos, não foi fácil, mas sei que no final deste caminho veremos uma paisagem muito bonita”, destacou o superintendente do Iphan.

O jornalista Fernando James, filho de Fernando Collor, representou o senador na cerimônia de assinatura do convênio.  “Para mim é uma honra estar aqui realizando essa obra magnífica para Palmeira, para Alagoas, o Brasil e o mundo. Agora, o turista que chegar aqui verá uma obra grande e maravilhosa. Em nome do meu pai agradeço ao Júlio pela parceria de sempre e afirmo que o meu pai tem um carinho enorme por esta cidade. Que a Casa Museu possa servir à comunidade e aos turistas que também chegam aqui”, disse Fernando James.

Feliz com a nova etapa que deixará  a Casa Museu com um maior poder atrativo cultural, o prefeito Júlio Cezar lembrou a importância das parcerias para que esta nova fase seja iniciada. “Agradeço a todos do Iphan, ao senador Collor, ao Fernando James que hoje o representa, à secretária Isvânia e todos da nossa equipe. Aqui, Graciliano fundou morada e se notabilizou para o mundo, por meio de seus romances. Não foi fácil conseguir executar essa obra, pois faltava o projeto. Mas o senador Collor teve vontade de ajudar, na promoção do resgate e cultura desta terra. A programação dos 131 anos de Palmeira tem sido extensa e esta é mais uma grande obra que executaremos na nossa cidade. Celebrado este convênio, vamos para a etapa de licitação para que rapidamente a empresa possa entregar a parte museográfica que falta. Graciliano nasceu em Quebrangulo, mas foi em Palmeira que ele se notabilizou. Que este seja, realmente, um museu de coisas vivas e que circule gente, somando para a nossa cultura”, finalizou o prefeito Júlio Cezar.

Por Lucianna Araújo / Assessoria

Comentários