Sobre Clerisvaldo Chagas

Romancista, historiador, poeta, cronista. Escritor Símbolo do Sertão Alagoano.


OUTONO ESCASSO

21 março 2018


Foto: Reprodução / Agência Alagoas

De acordo com as várias afirmações dos entendidos, a coisa tá preta no velho sertão de guerra. No dia de São José não choveu no semiárido alagoano. Céu limpo sem as nuvens benfazejas e uma temperatura de lascar o cano. Foi três dias seguidos com 37 graus, em Santana do Ipanema, médio sertão, que quase se iguala à famosa cidade de Pão de Açúcar, às margens do Velho Chico.

As nuvens fizeram um tampão tipo “efeito estufa”, e, segundo um trabalhador rural, “fez o matuto moer troncho”. Ouvimos um profeta da chuva descrever a posição de tal estrela dizendo que não tem jeito e que esse ano será escasso de chuva por aqui. Muita gente não quer sair de casa depois das dez horas e, pelo menos até às quinze.   

Alguns dias o céu vem tão azulado quanto à pedrinha quadrada do anil, outros dias o firmamento traz as enganosas nuvens de carregação. E o sertanejo, que vive da chuva e pela chuva, espia para cima várias vezes por dia, aguardando mágica mudança, milagre, num misto de fé e desafio. Não senhor, não foi por aqui o desfile do Canal do Sertão.

E quem olha para as montanhas circuncidantes, vê o cinza querendo afastar o verde e tomar conta do cenário. Um roceiro das bandas do serrote dos Brás, sítio distante de Santana, fala que o lugar tem muitas cisternas e tal poço Camarão que nunca seca. E que quando vai chegando a esse ponto, Deus sempre providencia o abastecimento de cima.  

Repetem-se os ciclos de prosperidades limitadas e voltam-se aos ditados marcados, sulcados e sofridos: “o sertanejo está sempre começando”. Eleva o rebanho nos tempos de fartura, tudo perde na inclemência e renasce junto com o novo inverno, cada vez mais raro. E no período mais difícil, até que a água chega montada em caminhão, mas os animais não vivem somente de água.  

E se tudo falta na zona rural, sofre o comércio da região, quase sempre de modo geral, pois o geral é a própria natureza nos caminhos: Sol ou chuva. Estamos iniciando o outono. Da sua metade em diante, esperamos as água do céu e a emenda com o inverno, mas não está nada fácil. Quando havia acauã, inventava-se culpado. E agora? São José passou por longe.

Clerisvaldo B. Chagas, 20 de março de 2018

Crônica 1862 – Escritor Símbolo do Sertão Alagoano

Comentários