Obras dos Centros Integrados de Segurança segue em seis cidades, diz Estado

14 out 2016 - 10:24

Murici, São José da Laje, Boca da Mata, Barra de São Miguel, São José da Tapera e Girau do Ponciano tem obras em pleno andamento. Mais dez centros estão sendo licitados.

Cisp de São José da Tapera segue como um dos mais adiantados (Foto: Adailson Calheiros e Serveal / Agência Alagoas)

Cisp de São José da Tapera segue como um dos mais adiantados (Foto: Adailson Calheiros e Serveal / Agência Alagoas)

O fortalecimento da Segurança Pública em Alagoas não é contabilizado apenas pela redução da violência. O grande propósito do governador Renan Filho é consolidar toda a estrutura que envolve a área. Os Centros Integrados de Segurança Pública (Cisps) são exemplos do investimento que o Estado vem realizando no segmento.

As obras dos Cisps dos municípios de Murici, São José da Laje, Boca da Mata, Barra de São Miguel, São José da Tapera e Girau do Ponciano estão em pleno andamento. A previsão de entrega está próxima: final de 2016. De acordo com Renan Filho, os centros integrados estão sendo construídos com recursos repassados do superávit do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), que pela primeira vez são destinados à Segurança Pública.

“Uma mudança vai acontecer em cada uma dessas cidades beneficiadas com o Centro. Porque elas foram escolhidas baseadas nos indicadores de violência. Tecnicamente vamos triplicar o efetivo da Polícia Militar e vamos ampliar também o efetivo da Polícia Civil. As duas irão trabalhar integradas. Sem dúvida, os indicadores negativos irão diminuir,” destacou o governador, completando que mais dez Cisps estão sendo licitados.

De acordo com o engenheiro e presidente da empresa pública Serviços de Engenharia do Estado de Alagoas S/A (Serveal), Judson Cabral, o sistema construtivo do Cisp é o que existe de mais moderno se tratando de construções que necessitam de maior rapidez sem prejuízo na qualidade dos serviços. Nele, são produzidos módulos que chegam à obra semiprontos e que representam 70% da edificação.

Ainda segundo o governador, o ponto crucial da redução da violência é o fim da impunidade.

“Antes não se investigava em Alagoas. De 2015 até agora houve uma crescida muito grande na capacidade de elucidação de crimes. Porque havia muito impunidade. O cidadão matava e não era preso. Isso Retroalimenta a violência,” finalizou Renan Filho, ratificando a descentralização da Segurança Pública, o investimento em laboratórios forense e de DNA, além da construção do primeiro Instituto Médico Legal (IML) com recursos próprios.

Por Maria Barreiros / Agência Alagoas

Comentários