O jogador que não vestiu a camisa – do patrocinador

21 jul 2013 - 19:30


Papiss Cissé se recusou a endossar uma empresa cujas práticas o islamismo condena.

EleNuma atitude pouco comum no mercenário meio futebolístico, o atacante Papiss Cissé, do tetracampeão inglês Newcastle, recusou-se a vestir a camisa do clube ostentando o patrocinador.

A financeira Wonga.com injeta 8 milhões de libras (aproximadamente R$ 27 milhões) por ano no time, mas o senegalês Cissé é adepto do islamismo e não aceita promover uma empresa cuja prática é condenada por sua religião (a cobrança de juros através de empréstimos).

A crise com o jogador não é de agora, ele já havia manifestado no final da última temporada que não envergaria o uniforme com o logotipo do patrocinador e sugeriu ao clube uma camisa exclusiva, sem a marca, ou com uma instituição beneficente no lugar. Propostas rejeitadas, ontem Cissé sequer viajou com o time para a pré-temporada.

Embora se possa creditar unicamente à sua religiosidade, o fato é que são poucos os jogadores que se dispõem a denunciar negócios mal explicados, escusos ou, como fez Papiss Cissé, simplesmente contrários a seus princípios.

Desde que as camisas de jogadores tornaram-se verdadeiras réplicas de anúncios classificados, a quantidade de maracutaias parece ter evoluido na mesma proporção e, infelizmente, são raríssimos os casos de indignação como o do atacante do Senegal.

As benesses milionárias nas quais os jogadores estão inseridos parecem suscitar alguma indignação somente quando lhes afeta o próprio bolso.

Em 1990, a vergonhosa seleção de Sebastião Lazaroni estava prestes a viajar para a Copa do Mundo na Itália. Chamados para uma foto oficial na Granja Comary, os jogadores surpreenderam a imprensa. Careca, Muller, Dunga, Taffarel e companhia, cobriram a logomarca de um refrigerante que traziam estampada no peito.

O protesto não tinha nenhuma motivação nutricional contra o consumo de bebidas açucaradas nem outra postura ética. Desconfiados da mão-grande da CBF, os jogadores suspeitavam que os US$ 200 mil dólares oferecidos não correspondiam aos 20 por cento previstos no contrato de patrocínio. Fotografia veiculada nos grandes jornais do dia seguinte, e sururu armado, rapidamente mais US$ 200 mil surgiram (o contrato mesmo, não).

É muito cômoda a alegação de que todos precisam de dinheiro para sobreviver. Não dobrar-se perante os excessos e deslizes de conduta é algo muito diferente, razão pela qual Papiss Cissé precisa ser aplaudido.

Diário do Centro do Mundo

Comentários


Importante! Este site utiliza cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes. Ao continuar a navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.