O dia em que cinema trocou experiência com índios alagoanos

11 Maio 2018 - 22:45


Equipe do Cine Sesi visitou aldeia em Palmeira (Foto: Chico Barros / Cine Sesi / Reprodução)

Navegando pelas publicações do Facebook me deparo nesta sexta-feira (11) com uma postagem do Cine Sesi Cultural. A data da exposição original era do dia 17 de abril, mas apareceu na minha linha do tempo hoje após ser impulsionada pelo perfil, e acredito que pelos meus gostos da sétima arte.

De cara observei um texto, não tão curto para os parâmetros do face [que geralmente não passam de cinco linhas] acompanhado por mais de 15 fotos anexadas. Como já me acostumei em consumir textos acima disso, decidi encarar o conteúdo e fiquei ainda mais feliz ao terminar de lê-lo.

O que se escondia atrás daquelas palavras faria valer a pena cada minuto parado. É aquele tipo de conteúdo que soma na sua vida, de verdade. Em meio a tantas coisas frívolas do dia-a-dia, vi ali algo que me fez bem, e com isso decidi escrever e compartilhar com vocês.

O escrito começava da seguinte forma: “Cada Povo Diz Obrigado de um Modo Diferente. Mas, na Aldeia Wakonã Xukuru-Kariri, Soou Mais Bonito”. Começava ali um relato incrível da equipe que coordena e executa o projeto Cine Sesi após uma visita aos indígenas alagoanos de Palmeira dos Índios.

Para não contar todo o texto e perder a graça de ver cada detalhe, deixo abaixo para o internauta a postagem completa feita no perfil do Cine Sesi. Só adianto que, a meu ver, é de encher os olhos o quanto ainda temos o que aprender e experimentar com uma cultura ainda tão viva como a dos índios.

Até a publicação deste artigo, a postagem do Cine Sesi já tinha ultrapassado mais de 1.500 compartilhamentos.

Por Lucas Malta*

*É jornalista e editor do site Alagoas na Net

Comentários