Nova casa de Bento XVI será ‘econômica’, diz Vaticano

13 fev 2013 - 14:33

O Vaticano afirmou nesta quarta-feira que a nova residência do papa Bento XVI, cujo pontificado terminará no dia 28 de fevereiro, será “econômica”.

“A nova casa do Papa será econômica, pois em todos esses anos ele demonstrou não ter pretensões particulares”, disse o porta-voz da Santa Sé, padre Federico Lombardi. Segundo ele, a manutenção da nova residência de Bento XVI não acarretará gastos excessivos no orçamento do Vaticano.

Lombardi também destacou que “ainda não sabemos que título Bento XVI terá” após encerrar suas funções como Papa.

“Não temos uma resposta pronta para essa pergunta. Não me sinto nem capaz de lançar hipóteses. Esperaremos até que as pessoas competentes se pronunciem de maneira autoritária e confiável”, destacou.

O papa Bento XVI anunciou na última segunda-feira sua renúncia, alegando fraqueza física para cumprir os compromissos como líder da Igreja Católica. Seu pontificado se encerrará no dia 28 de fevereiro.

Após deixar os aposentos do Vaticano no dia 28, Bento XVI seguirá para a residência de Castel Gandolfo, onde costumava passar férias como Papa.

A casa onde residirá permanentemente, porém, ainda está em reformas. O local escolhido por Bento XVI é o único mosteiro da Cidade do Vaticano, o Mater Ecclesiae, construído durante o papado de João Paulo II.

O imóvel, que possui 12 quartos distribuídos em quatro andares, abrigava freiras beneditinas até o ano passado. Agora, terá um aposento para Bento XVI.

Antes de encerrar seu pontificado, Bento XVI tem agendadas audiências com o primeiro-ministro italiano, Mario Monti (no dia 16), e com o presidente do país, Giorgio Napolitano (dia 23).

Ansa

Comentários