Notícias falsas afligem moradores atingidos por enchentes em Santana

02 abr 2020 - 06:59

Foto: Gerd Altmann / Pixabay

Após sofrerem diversos prejuízos materiais em uma das maiores enchentes de sua história, moradores ribeirinhos do rio Ipanema, situado em Santana do Ipanema, município do Médio Sertão de Alagoas, agora tem que lidar também com o temor de notícias falsas.

Áudios e vídeos com informações alarmantes  e mentirosas são compartilhados desde o início da semana, motivo pelo qual tem desafiado autoridades a todo momento a desmentir e tranquilizar a população local.

Uma das mensagens trata-se de um áudio distribuído por grupo de mensagens. A gravação traz a voz de um homem, falando que a represa da cidade de Pesqueira, em Pernambuco, estaria cheia e que por isso seria liberada parte da água do rio Ipanema.

Essa FAKE foi desmentida pelo Corpo de Bombeiros, que pediram uma gravação da Defesa Civil na própria cidade pernambucana. Um dos membros da DC mostra a real situação do rio Ipanema nesta semana. Veja o vídeo abaixo:

Outra notícia falsa que foi compartilhada nas redes sociais trata-se de um vídeo apontando para uma suposta barragem no sítio Camoxinga. O narrador diz que a barragem estaria cheia e trazendo perigo para os moradores ribeirinhos.

Ocorre que o suposto dono da barragem soube da gravação e acionou rapidamente as autoridades. Nesse caso, a pessoa que compartilhou o vídeo inclusive foi identificado e poderá até responder pelo ato criminoso.

Crimes envolvidos

A disseminação de notícias falsas, além de um desserviço pode incidir em crime previsto em lei. Um deles está amparado no artigo 41 da Lei de Contravenção Penal.

“Provocar alarme, anunciando desastre ou perigo inexistente, ou praticar qualquer ato capaz de produzir pânico ou tumulto, se a conduta não configurar outra infração penal mais grave”.

Quem produz ou compartilha conteúdo falso sobre alguém também está incidindo em crime contra a honra, como a difamação, o que por consequência poderá sofrer uma ação de danos morais.

Por Lucas Malta / Da Redação

Comentários