Multidão em Fortaleza pode impedir jogo da seleção brasileira

19 jun 2013 - 07:29


Copa

Um ato previsto para a cidade de Fortaleza, nesta quarta-feira, poderá ter consequências imprevisíveis. Pelo Facebook, 31 mil jovens confirmaram presença no evento “Pão + Circo – Copa para quem?”, com concentração às 10 horas no centro da capital cearense, de onde todos partirão para a Arena Castelão, onde o Brasil deverá enfrentar o México, pela Copa das Confederações.

O protesto tem como um dos seus objetivos evitar a realização da partida, marcada para as 16h, ou impedir a chegada dos torcedores. O dado mais significativo é que policiais prometem aderir à manifestação, que contesta gastos da Copa. O Castelão foi reformado por R$ 516 milhões.

Leia, abaixo, carta aberta que os jovens escreveram ao governador Cid Gomes:

“À V. Ex.ª Governador do Estado do Ceará, Cid Gomes.

Carta de Reivindicação.

Nós, população de Fortaleza, viemos, através dessa, solicitar de V.Exa., medidas emergenciais que visam a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos desta tão estimada cidade, no que diz respeito aos investimentos em segurança, saúde, educação, transporte, lazer e qualidade de vida.

Queremos pedir transparência na prestação de conta dos gastos públicos e deixar claro que não aprovamos e não apoiamos o sistema de governo adotado por V.Exa. Cujo prioriza obras que não visam a melhoria da qualidade de vida dos mais necessitados. Não visam a real necessidade do povo.

Queremos expressar, por meio, não apenas dessa carta, mas por meio do protesto ocorrido hoje (19/06/2013), que não estamos de acordo com os milhões investidos em obras que nunca ficam prontas, em estádios e estradas. E que queremos mais investimentos nos hospitais públicos, que estão sucateados, com falta de médicos e enfermeiros, enquanto a população morre à míngua nos corredores super-lotados das unidades de saúde não apenas de Fortaleza, bem como de todo Estado. Queremos investimentos na educação, que sofre com a falta de estruturação das escolas e a desvalorização dos profissionais da educação. Queremos pedir policiamento e segurança nas ruas, nos ônibus, nos terminais rodoviários. Queremos um plano, claro e objetivo, de enfrentamento à seca e combate à falta d’água no interior do Estado.

Não queremos uma polícia repressiva e sim uma polícia preventiva. Queremos de V.Exa. um plano emergencial de combate a impunidade e de transparência política. Exigimos, como cidadãos contribuintes, a prestação de contas do estado para conosco de forma limpa e clara; de forma a ser compreendida pela população e de fácil acesso através de links na Internet.”

Brasil247

Comentários


Importante! Este site utiliza cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes. Ao continuar a navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.