MP deflagra operação contra suspeitos de sonegação fiscal no interior de Alagoas A ação teve como alvo empresários e contadores, acusados de uma série de crimes, dentre eles, fraude societária e lavagem de bens na cidade de União dos Palmares,

02 dez 2020 - 08:37

Equipes da PRF cumpriram mandados de prisão (Foto: Cortesia / MP-AL)

O Ministério Público de Alagoas (MP-AL), através da Grupo de Atuação Especial em Sonegação Fiscal e Lavagem de Bens (Gaesf), deflagrou nas primeiras horas da manhã desta quarta-feira (2), uma operação de combate a sonegação fiscal, nomeada de Operação Gambito da Rainha.

A ação teve como alvo oito pessoas, entre empresários e contadores, todos acusados de uma série de crimes, dentre eles, fraude societária e lavagem de bens na cidade de União dos Palmares, na região da Zona da Mata do estado. Segundo o MP-AL, o prejuízo aos cofres públicos ultrapassa os R$ 30 milhões.

Foram expedidos oito mandados de prisão, sendo três preventivos e cinco temporários, e mais 30 de busca e apreensão, em Alagoas e Pernambuco, todos pela 17ª Vara Criminal da Capital – de Combate ao Crime Organizado.

Os ilícitos

Todos os presos são acusados de envolvimento nos crimes de organização criminosa, falsidade ideológica, fraudes societárias, falsificação de documentos públicos e privados, lavagem de bens e corrupção de agentes públicos. Dentre esses agentes públicos envolvidos, dois são auditores-fiscais e foram afastados do cargo.

Segundo as investigações do Gaesf, o esquema criminoso causou grave prejuízo ao tesouro estadual. Tal montante gira em torno de R$ 30 milhões em valores corrigidos monetariamente, e com multas e juros.

Foi também decretado, judicialmente, o bloqueio de bens imóveis e móveis dos acusados. A organização criminosa, que operava somente em Alagoas, era integrada por empresários, “testas-de-ferro”, “laranjas”, contadores e auditores-fiscais.

A operação foi comandada pelos promotores de Justiça Cyro Blatter – coordenador do Gaesf, Marília Cerqueira e Anderson Cláudio de Almeida e por integrantes da Secretaria de Estado da Fazenda, Procuradoria-Geral do Estado, Polícia Civil e Polícia Militar de Alagoas. Todas essas instituições compõem o corpo técnico do Gaesf.

Pela PM, participam os 1o, 3o, 4o e 5o Batalhões, Radiopatrulha, Bope, BPTran e Batalhão de Polícia Escolar. Já pela Polícia Civil, a Asfixia, Oplit, Tigre e 2a seção, além de membros da Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP) e da Delegacia-Geral.

E para a operação desta quarta-feira (2), também compuseram as equipes que cumpriam as diligências a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o Instituto de Criminalística (IC) e a Secretaria de Estado de Ressocialização e Inclusão Social (Seris).

Gambito da rainha

O nome da operação é uma alusão a abertura que o enxadrista faz com o propósito de sacrificar o peão da rainha para obter vantagem e ganhar o jogo.

Por Assessoria MP-AL com edição da Redação

Comentários