Ex-prefeito do Poço das Trincheiras e outras 16 pessoas são denunciadas por fraude em obras

22 mar 2017 - 12:07

O ex-prefeito alegou que não houve má intenção nos pagamentos e que isso aconteceu porque ele não queria deixar débitos para o próximo gestor.

Gildo foi denunciado pelo MP após operação (Foto: Banco de Imagens do TJ-AL / Editada)

Gildo foi denunciado pelo MP após operação (Foto: Banco de Imagens do TJ-AL / Editada)

O Ministério Público de Alagoas (MP-AL) apresentou nesta quarta-feira (22) uma denuncia contra o ex-prefeito da cidade de Poço das Trincheiras, José Gildo Rodrigues e outras 16 pessoas, algumas delas ex-integrantes da sua gestão.

De acordo com o órgão ministerial todo o grupo é acusado de cometer peculato, peculato furto, falsidade ideológica, uso de documentos falsos, fraude em licitação e formação de organização criminosa de 2013 a 2016.

A denúncia é assinada pelo procurador geral Alfredo Gaspar de Mendonça, além dos integrantes do Gecoc, Antônio Luiz, Luiz Tenório, Hamilton Carneiro, Carlos Davi Lopes, Elísio Maia e Eloá de Melo, bem como o promotor de Poço de Trincheiras, Fábio Vasconcelos.

A denúncia, ainda segundo o MP, é sustentada com base no material apreendido durante operação do Gecoc na prefeitura do Sertão, ocorrida no dia 20 de janeiro deste ano.

A denúncia

Na petição, o ex-prefeito é acusado de comandar a organização criminosa que manipulou e fraudou o procedimento licitatório para contratação de uma empresa de engenharia responsável pelos serviços de manutenção em edificações, praças e vias públicas.

O MP alega que os denunciados também se beneficiaram do processo de pagamento relacionado às obras de construção do passeio localizado às margens da Rodovia AL 130 e de um trecho da BR 316, que é o local conhecido como Rodovia Prefeito José Medeiros, em território do Município.

A ação da organização criminosa causou um prejuízo de mais de R$ 500 mil aos cofres públicos de Poço das Trincheiras, estimou o MP. Por telefone, o promotor Luiz Tenório explicou ao site Alagoas na Net como teria se dado a fraude. “A prefeitura contratou uma empresa para fazer as obras, mas ocorre que outra é que realizou os trabalhos e para ela é que eram direcionados os pagamentos”, conta.

Defesa

A reportagem também falou com o ex-prefeito sertanejo que disse ter dado todos os esclarecimentos ao MP. Ele confirmou que em conversa com um dos promotores este teria dito que os pagamentos estariam irregulares, mas Gildo respondeu que efetuou a transação pra não deixar sacrifício para o novo gestor. “A minha contabilidade disse que eu podia pagar, então eu paguei”, respondeu.

O ex-gestor também ressalta também que, mesmo com a verificação de irregularidades do MP, não teria havido má intenção. “Não houve dolo da minha parte, nenhuma safadeza. Está tudo comprovado e faço questão que isso seja averiguado nos autos pra que mais tarde alguém não imagine que eu tive qualquer interesse”, justificou Gildo Rodrigues.

Por Lucas Malta / Da Redação

Comentários