MARTIRIZANDO OS MARTÍRIOS

09 set 2015 - 08:25

Clerisvaldo B. Chagas, 9 de setembro de 2015

Crônica Nº 1.486

Foto: Divulgação / Site de Maceió

Foto: Divulgação / Site de Maceió

O palácio Floriano Peixoto, em Maceió, já não abriga governos estaduais. Virou museu pobre na sua arquitetura rica. Muitas histórias, inclusíveis tétricas e cabeludas, estão impregnadas em sua estrutura centenária. O antigo palácio, não é tão velho assim. Após marchas e contra-marchas, desde o seu começo, foi inaugurado o faustoso edifício, em 16 de setembro de 1902. Modificada a planta original, ganhou os traços de Lucarini com predominância neoclássica.

Tendo sido construída defronte a igreja de Bom Jesus dos Martírios, serviu a igreja como ponto de referência para o palácio. E, popularmente, o palácio Floriano Peixoto, passou a ser chamado “Palácio dos Martírios”, isto é, aquele que fica perto da igreja do Bom Jesus dos Martírios. O apelido pegou a tal ponto que foi questionado por um dos ocupantes nos seus apertos governamentais.

Para gastar mais dinheiro, fugir da influência do vulgo ou por outro motivo, inventaram outro palácio chamado Zumbi dos Palmares. Apesar do pomposo título, não causou nenhuma impressão psicológica no povo alagoano. É escuro e enfeitado de espelhos ou similares, com amplo aspecto de mausoléu.

Sem nada a oferecer, o antigo palácio dos Martírios, “Cavalo Branco”, pelo menos ocupa um espaço central vigiado.

O mausoléu dos Palmares, ali perto, vai registrando mais de setenta novas indústrias em Alagoas, segundo governo passado, mas parece que os impostos vão para outros territórios, pois não se vê melhora alguma e, a choradeira profissional das autoridades parece não ter fim.

Sobre o antigo Floriano Peixoto:

“O palácio sofreu algumas reformas na sua ambientação, perdendo grande parte do mobiliário e praticamente todas as peças de arte decorativa do início do século, sendo substituídas por objetos desprovidos de valor artístico” (…). (Alagoas memorável, fascículo 10, pág. 289).

O governo alagoano deu às costas aos Martírios; mas até quando o funcionalismo público e o povo do estado serão martirizados?

Notícias Relacionadas:

Comentários