Sobre Clerisvaldo Chagas

Romancista, historiador, poeta, cronista. Escritor Símbolo do Sertão Alagoano.


LAMPIÃO NO GINÁSIO

26 julho 2018


Jornalistas da TV Cultura e Tribuna Independente no antigo quartel com os escritores Clerisvaldo B. Chagas (boné) e Marcello Fausto. (Foto: Arquivo B. Chagas)

Quando expuseram as cabeças de Lampião, Maria Bonita e mais nove cangaceiros nos degraus da Igrejinha/monumento de Nossa Senhora da Assunção, o Grupo Escolar Padre Francisco Correia, já existia. Havia sido inaugurado cinco meses antes, em fevereiro de 1938. Foi construído na gestão do prefeito interventor, Joaquim Ferreira da Silva que governou apenas seis meses entre 1937-38. Joaquim também construiu um edifício para ser hospital, mas por falta de condições, o prédio ficou ocioso até ser ocupado pelo 20 Batalhão de Polícia  em 1936, tendo como comandante o, então, major José Lucena de Albuquerque Maranhão. Quando o batalhão foi embora, o prédio voltou à ociosidade até virar a Escola Cenecista Ginásio Santana, em 1950, atualmente com o nome de Colégio Cenecista Santana.

Ali passamos seis anos como aluno e vários como professor. Aprendemos a respeitar o seu ensino que repercutia qualidade em todo o estado. O antigo Ginásio está repleto de história da educação santanense, mas o seu edifício também de muitas histórias do cangaço que permaneceram mudas por anos a fio. Quase ninguém sabia que ali fora o quartel do 20 Batalhão de Polícia que caçava cangaceiros. Por quê? Só com o nosso livro Lampião em Alagoas foi revelado tudo ou quase tudo que se passou naquele quartel. Ali ficaram presos, após a hecatombe de Angicos, vários cangaceiros que se entregaram a Lucena. Antes disso, foi presa a cangaceira Aristéia que estava grávida. O quartel foi ainda depositário de várias cabeças de cangaceiros mortos antes de Lampião.

Foi ali dentro que o cangaceiro Português foi assassinado, após se entregar à polícia. O quartel também recebeu, guardou e expôs as onze cabeças dos bandidos mortos na fazenda Angicos, em Sergipe, inclusives as de Lampião e Maria Bonita.

Quando o Batalhão foi embora o prédio ficou ocioso.

A escola Cenecista Ginásio Santana foi fundada pela ideia do comerciante João Yoyô Filho com os apoiadores: pré-pároco, Fernando Medeiros; Cônego Teófanes de Barros*; padre Bulhões e coronel Lucena. O acontecimento se deu na casa do padre Bulhões. O Ginásio funcionou por dois anos no Grupo Padre Francisco Correia até conseguir o prédio atual que estava na ociosidade.

(Tive a honra de ter sido aluno de Filosofia do cônego Teófanes, dono e diretor do colégio Guido de Fontgalland, depois CESMAC, em Maceió. Uma das maiores ou a maior inteligência de Alagoa, na época).

Clerisvaldo B. Chagas, 26 de julho de 2018

Crônica: 1.950 – Escritor Símbolo do Sertão Alagoano

Comentários