Instituto pede doações para produzir Biogel que combate óleo nas praias do NE

31 out 2019 - 08:24

Praia do Conde (BA) antes da limpeza (Foto: Agência Petrobras)

A mobilização do Instituto Avançado de Tecnologia e Inovação (IATI) no combate ao derramamento de petróleo cru nas praias do Nordeste conta agora com o apoio da sociedade. Com o objetivo de arrecadar fundos para o investimento em materiais, equipamentos e insumos iniciais necessários para a produção em larga escala do Biogel – composto que consegue remover até 90% do óleo das superfícies de areia, rochas e até de animais atingidos – o Instituto lançou uma campanha de arrecadação. As doações são livres e podem ser realizadas individualmente (pessoa física), por meio de empresas, instituições, órgãos públicos ou privados.

Com a campanha de arrecadações, o IATI espera atingir a meta de R$ 150 mil, o valor mínimo necessário para produzir até 1.000 litros do Biogel por jornada de trabalho. Paralelamente, o Istituto está aberto a parcerias com órgãos públicos, prefeituras, iniciativa privada, ONGs e institutos de pesquisa para apoio e cooperação mútua por meio de financiamento para ampliação da escala produtiva, assim como a disponibilização de recursos humanos para treinamento e capacitação de manuseio do uso da solução em campo. Os valores arrecadados apoiarão uma iniciativa pioneira dos pesquisadores pernambucanos para combater um dos maiores desastres ambientais do Brasil.

ÓLEO

A apresentação do óleo que chegou às praias é diferente de qualquer outro material. São placas concentradas que precisariam de milhares de anos na natureza para serem degradados. O Biogel tem auxiliado o trabalho minucioso das equipes que estão atuando na limpeza das praias com o apoio dos profissionais do IATI. Os bons resultados alcançados através dos testes em campo demonstram a eficiência do produto, como explica a professora Leonie Sarubbo. 

“Nos mobilizamos e desenvolvemos uma formulação que hoje é capaz de auxiliar na remediação desse desastre ambiental. Com todas as intempéries que sofreu, o óleo aqui é bastante concentrado. Para se ter uma ideia, quando fluidizado, uma pequena “mancha” pode se transformar em quase meio litro de óleo. O Biogel atua para tornar esse óleo fluido e facilitar a limpeza das áreas atingidas e dos animais que sofreram o impacto”, explica. 

BIOGEL

A fórmula à base de compostos naturais e de origem vegetal do Biogel age quebrando a cadeia de hidrocarbonetos do óleo, tornando o componente viscoso em um material fluido e disponível para biodegradação. O composto  consegue otimizar o trabalho de escovação manual das áreas atingidas – com uma apresentação que não escorre e não se espalha – facilitando o trabalho das equipes voluntárias que estão atuando na limpeza do litoral de Pernambuco.  

A ideia do Biogel tem como base uma pesquisa desenvolvida há mais de 20 anos pela professora da Universidade Católica de Pernambuco e pesquisadora do Instituto Avançado de Tecnologia e Inovação (IATI), Dra. Leonie Sarubbo. Em 2016, um projeto em parceria com a Centrais Elétricas da Paraíba (EPASA) deu origem a um biodetergente capaz de remover óleo pesado de ambientes industriais, auxiliando na limpeza de maquinário, equipamentos e piso. Com isso, a expertise do IATI na limpeza de petroderivados foi o caminho encontrado pela ciência para combater o desastre ambiental.

NOVA ETAPA

Em paralelo à fase de testes do Biogel, o IATI desenvolve uma pesquisa sobre o impacto da utilização do material nas áreas de limpeza. O professor Dr. Múcio Banja, responsável pela área de preservação ambiental do IATI, explica o projeto. “Nossa ideia é mensurar os impactos gerados pelo Biogel na natureza. Já sabemos que o composto é biodegradável, mas precisamos acompanhar a recuperação das áreas que receberam o produto, sob o ponto de vista da regeneração dos organismos”, pondera. A segunda etapa do Biogel, como está sendo chamada essa fase da pesquisa, tem passado por testes em laboratório e tem previsão de ir a campo nos próximos dias. 

IATI

Com sede em Recife, capital tecnológica do Nordeste, o corpo técnico do IATI é formado por experientes, qualificados e premiados pesquisadores da região, com larga atuação em Projetos de Pesquisa & Desenvolvimento (P&D) nas mais diversas áreas, em especial para o setor elétrico nacional. Os técnicos, graduados, mestres e doutores que integram a equipe de pesquisadores do IATI compõem um corpo técnico multidisciplinar, com atuação nas áreas de engenharia elétrica, engenharia química, engenharia ambiental, engenharia mecânica, engenharia de produção, biotecnologia, nanotecnologia e ciências biológicas. O avanço tecnológico e a efetiva implementação das soluções desenvolvidas são objetivos permanentes nos projetos desenvolvidos pelo IATI, fazendo com que os produtos desenvolvidos avancem em toda a cadeia de inovação, da ideia ao mercado, dentro do espaço de tempo requerido pela indústria.

DOAÇÕES:

Instituto Avançado de Tecnologia e Inovação

CNPJ 23.696.238/0001-07

Banco do Brasil

Agência: 0007-8

Conta Poupança: 50.840-3

Por Assessoria

Comentários