Em audiência do MP, vereador santanense cobra apuração sobre fraude Promotor Dênis Guimarães explicou algumas ações do MP sobre o caso.

11 abr 2019 - 16:33

Vereador questionou membros do MP sobre o assunto (Foto: Assessoria / Vereador Marciano)

O Ministério Público de Alagoas (MP-AL) realizou na manhã e tarde desta quarta-feira (10), na cidade de Santana do Ipanema, uma audiência pública para ouvir demandas da região sertaneja, sobre o que deve ser alvo do trabalho da instituição para 2020 a 2022.

O encontro reuniu representantes da comunidade, tais como vereadores locais e de outros municípios. Um deles foi o parlamentar Marciano dos Santos (PPS), que ao usar a palavra cobrou do MP uma apuração sobre a denúncia de fraude no Código Tributário, enviada ao órgão em 2017.

“A população tem me procurado bastante para saber respostas sobre esse caso, já que eles foram lesados, ao ser cobrados indevidamente. Nós [vereadores] também queremos respostas, pois descobrimos uma coisa que foi fraudada dentro do Poder Legislativo”, afirmou o edil.

Durante o evento, o procurador-geral de Justiça, Alfredo Gaspar disse que não tinha conhecimento sobre o assunto, entretanto, passou a palavra para o Promotor de Justiça da Comarca de Santana, Dênis Guimarães explicou o andamento dos trabalhos.

“De fato, existem indícios muito grande dessa falsificação, mas como toda instituição imparcial, o MP precisa se valer de cautela e provas suficientes para não deixar margens para alegações da defesa e possíveis nulidades posteriores”, declarou Guimarães.

O promotor ainda informou que foram requisitadas documentações e que ele mesmo passou horas ouvindo atas de sessões da Câmara, para saber qual foi o código aprovado.

“Foram feitas diligências, inclusive, pegamos provas emprestadas da Câmara de Vereadores e digo que o procedimento administrativo instaurado dentro da Câmara foi muito útil para o processo”, complementou o membro do MP.

O promotor finalizou dizendo que a última fase do processo foram requisições ao Poder Executivo. “De fato, essas requisições retornaram ao final do mês de fevereiro e estão pendentes de análise. Mas como eu venho falando com o vereador, esse é um processo que demanda prioridade no MP e a gente está atuando”.

Por Lucas Malta / Da Redação

Comentários