Consumo das Famílias caiu, em média, -10% desde o início da pandemia Em abril, indicador marcou 92,9 pontos, mantendo-se na margem do “n.ovo normal”

23 abr 2021 - 12:18

Foto: Marcus Santos / USP Imagens

A pandemia de Covid-19 vem alterando o ritmo de consumo na capital alagoana. De acordo com a série histórica da pesquisa de Intenção de Consumo das Famílias (ICF), realizada pelo Instituto Fecomércio AL em parceria com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), desde maio de 2020 o indicador vem apresentando queda e está, em média, -10% abaixo das métricas registradas antes da pandemia.

Em abril, a intenção de Consumo das Famílias na capital marcou 92,9 pontos, com queda mensal de -0,5%, mas mantendo-se na margem do “novo normal”, com indicadores entre 90 e 94 pontos desde julho de 2020. Em termos anuais, quando comparado a março de 2020, há uma retração de -10,06%.

Esse comportamento mais cauteloso pode ser explicado pelas incertezas econômicas ao longo de 2020 e pelo recrudescimento da pandemia no início de 2021, somados à lentidão das medidas de vacinação em massa, ao atraso da aprovação do orçamento federal e a consequente demora na retomada dos benefícios federais como o Auxílio Emergencial, o BEm e o Pronampe.

“Esses fatores criaram um ambiente de incerteza e preocupação nesse primeiro trimestre do ano. A cautela quanto ao consumo pode ser vista claramente na redução, em média, de mais de 40%, na comparação anual, nos subíndices de perspectivas de consumo (-48,34%) e momento para duráveis (-30,98)”, avalia Victor Hortencio, assessor econômico da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Alagoas (Fecomércio AL), acrescentando que estes indicadores demonstram que as perspectivas de curto e longo prazo quanto à intenção de consumo. Ou seja, as pessoas não estão consumindo bens duráveis no momento, nem planejam para o futuro, o que pode indicar que a preocupação dos maceioenses está no consumo de alimentos e itens do cotidiano, além do pagamento de contas essenciais para a manutenção da família.

Reflexos

E se a economia oscila, reflete na sensação de segurança no emprego. Assim, o subíndice de Perspectiva Profissional apresentou variação negativa de -3,4%, junto com uma diminuição de -1,0% no índice que representa a sensação quanto à segurança na manutenção do Emprego Atual. “Isso se deve, talvez, ao ambiente de incerteza quanto ao futuro das empresas e dos postos de trabalho, duramente afetados com a pandemia no último ano”, observa o economista.

Numa perspectiva estadual, o saldo de empregos nesse primeiro trimestre de 2021 mostrou-se deficitário em 1050 postos de trabalho, tendo a Indústria como o setor que mais desempregou. Já na capital alagoana, traçando uma trajetória diferente, foram criados mais de 2700 postos de trabalho nos dois primeiros meses do ano, puxados pelo segmento de Comércio e Serviços.

Em relação à renda atual, os dados demonstram que a maioria da população residente na capital, 86,2%, considera que a renda está igual ou melhor do que no ano passado, diante dos 13,8% que acreditam estar em situação pior de renda. Esse sentimento pode ser visto objetivamente no crescimento de mais de 11% no subíndice de renda atual quando comparado com ao mesmo período do ano passado. “Supõe-se, que essa trajetória ascendente na avaliação da renda atual esteja atrelada à memória do auxílio emergencial que só aqui em Maceió disponibilizou mais de 1,5 bilhões de reais para mais de 300 mil pessoas, e ao otimismo de que venha a ser novamente contemplado com o benefício”, avalia Victor.

Por Assessoria / Fecomércio-AL

Comentários