Cientistas usam ressonância magnética para ler sonhos

05 abr 2013 - 16:55


Foto: Thinkstock

Foto: Thinkstock

Pesquisadores japoneses inventaram uma espécie de “leitor de sonhos” com base no monitoramento da atividade cerebral. Eles utilizaram imagens de ressonância magnética para identificar o que as pessoas estavam sonhando, e, de acordo com o estudo, publicado online nesta quinta-feira na revista Science, foram bem-sucedidos em cerca de 60% dos casos.

Para que isso fosse possível, os pesquisadores tiveram primeiro que “treinar” o sistema. Três voluntários tiveram os cérebros monitorados por ressonância magnética enquanto dormiam, e eram acordados todas as vezes em que atividade cerebral era detectada no córtex visual, para relatar com o que estavam sonhando. Os pesquisadores selecionaram nos relatos palavras-chave relacionadas a objetos ou cenas visuais. As palavras foram inseridas em uma base de dados que as organizou em grupos lexicais – as palavras “casa”, “hotel” e “prédio”, por exemplo, foram agrupadas.

Apesar de a maior parte dos sonhos estar associada ao sono REM (Rapid Eye Movement – em português, “movimento rápido dos olhos”), ele pode acontecer em outras fases do sono. O estudo teve como foco a fase transitória entre estar acordado e adormecer, para que fosse possível realizar um número maior de observações, acordando os participantes com frequência para que eles relatassem com o que estavam sonhando.

Foram selecionadas imagens que representassem cada grupo de palavras. Os pesquisadores então mediram a atividade cerebral de cada voluntário ao observar as imagens de cada grupo do banco de dados.”Nós esperamos que essas descobertas levem a um melhor entendimento do funcionamento do sonho e de eventos neurais espontâneos”, escrevem os autores.

Opinião do especialista

Sidarta Ribeiro

Diretor do Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

“É muito difícil fazer o que eles fizeram, por algumas razões. Eles usaram os relatos verbais, mas não palavras exatamente. Eles colocaram as palavras em uma rede que as agrupou de acordo com significados comuns, e isso permitiu a eles reduzir os parâmetros. Fica mais fácil procurar algo quando você tem menos opções. A classificação obtida está longe de ser perfeita, mas é muito boa.

Além disso, os voluntários tiveram que dormir dentro do aparelho de ressonância magnética, em uma situação barulhenta e claustrofóbica, o que dificulta o trabalho. Apesar de terem feito o estudo com apenas três sujeitos, eles repetiram o exercício de dormir e acordar 200 vezes com cada um, então a base de dados que eles reuniram é grande.

É interessante notar que os pesquisadores obtiveram os melhores resultados quando analisaram áreas cerebrais mais relacionadas com a memória (como o hipocampo) do que apenas com as imagens. Isso ocorre porque nessas regiões o que existe é o conceito universal de ‘casa’, e não a imagem de uma casa específica, por exemplo. Isso torna a decodificação mais precisa.

O estudo representa grandes avanços na área. Do ponto de vista teórico, muitas pessoas acreditam até hoje que o sonho é um fenômeno da vigília, ou seja, você não sonha de fato, mas constrói aquelas imagens na hora que acorda. Esse experimento mostra que isso não é verdade. Além disso, ele abre a possibilidade de entender como acontece o processamento de memória durante o sonho. Já existem trabalhos que mostram que o sono facilita o processamento da memória, mas em relação ao sonho isso não está claro.”

Por Veja

Comentários


Importante! Este site utiliza cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes. Ao continuar a navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.