Cidades do Sertão de AL recebem boas práticas de convivência com o semiárido

13 jul 2019 - 09:47

Oficinas para disseminação de práticas sustentáveis, como a tecnologia Solo-cimento de recuperação de nascentes e saneamento ecológico. (Foto: André Souza)

Cinco municípios do Alto Sertão de Alagoas vão receber a partir da próxima semana atividades vivenciadas nas comunidades, com práticas relacionadas às tecnologias sustentáveis no semiárido. A ação trata-se do Projeto Renascendo, que levará atividades como:  barramentos de enxurrada, técnica solo-cimento de proteção de nascentes e reflorestamentos.

As vivências acontecem durante os meses de julho e agosto: Pariconha (16/07), Água Branca (17/07), Canapi (19/08), Mata Grande (22/08) e Inhapi (23/08). O objetivo é que os multiplicadores vivenciem os bioprocessos do bioma caatinga, aprendam as técnicas e tenham uma visão sistêmica de como elas se articulam para contribuir com a segurança hídrica e ambiental no sertão.

Para Ana Cristina Accioly, assessora de educação ambiental, “pretende-se que estes Dias de Campo agreguem vivências e conhecimentos que possam inspirar e qualificar ainda mais as ações de sustentabilidade dos multiplicadores, que levarão estes conhecimentos para as comunidades”.

Reflorestamento das Matas Ciliares, nascente de Cícero Soares da Cruz, na comunidade Tapera, Território Indígena Pankararu, em Tacaratu/PE. (Foto: Kaedla Menezes)

O Renascendo

O Renascendo atua diretamente na formação de 150 multiplicadores ambientais, que compõem a Rede Renascendo de Educação Ambiental, “são os multiplicadores que protagonizam as ações de educação ambiental, envolvendo mais sujeitos e articulando parcerias. Os Dias de Campo são parte do itinerário pedagógico de formação destes/as multiplicadores/as”, afirma Ana Accioly. 

Ao todo, serão realizados 5 encontros dos Dias de Campo, um em cada município de atuação, com a participação de 15 multiplicadores/as por encontro. A formação contará com as parcerias técnicas do Projeto OPARÁ: Águas do São Francisco, realizado pela Sociedade Socioambiental do Baixo São Francisco Canoa de Tolda e Universidade Federal de Sergipe (UFS), atuando na recuperação de áreas degradadas da Caatinga, da Bacia hidrográfica do Rio São Francisco, no sertão de Sergipe e Alagoas; E do Prof. Ulysses Cortez, biólogo e mestre em Ecologia, professor aposentado da UFAL – Universidade Federal de Alagoas, que desenvolve pesquisa sobre o Ouricuri.

Coleta de água para análise de qualidade com Ecokits e sensibilização ambiental, na comunidade Tapera, Território Indígena Pankararu, em Tacaratu/PE. (Foto: Kaedla Menezes)

O Projeto Renascendo é realizado pelo Instituto Palmas, patrocinado pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental e Governo Federal. Com o apoio da SEMARH – Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas, da SESAU – Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas e do Colegiado Territorial do Alto Sertão de Alagoas, além da parceria com as prefeituras municipais.

Por Redação com Assessoria

Comentários