Sobre Diógenes Pereira

Diógenes Rodrigues Pereira é Psicólogo Clínico, Terapeuta Cognitivo Comportamental, Especialista em Avaliação Psicológica, Palestrante, Consultor Pessoal e Organizacional. Formado pelo Centro Universitário Cesmac (Maceió).


Certeza de mais SAÚDE e menos SOFRIMENTO na escola e na Sociedade

10 fevereiro 2020


Foto: Marcos Santos / Imagens USP

Você sabia que foi criada uma lei que obriga todas as instituições públicas de educação básica, ter em suas equipes multiprofissionais, Psicólogos e Assistentes Sociais?

Pois bem caro leitor, se você não sabia, foi sancionada em dezembro de 2019 a lei 13.935/19. O que representa grande vitória para o âmbito educacional, uma vez que, a presença desses dois profissionais na educação pública, é algo muito necessário e desejado há bastante tempo.

É de conhecimento de todos os crescentes números de adoecimento emocional na população de modo geral. As estatísticas da OMS – Organização Mundial de Saúde demonstram que cada vez mais, crianças são diagnosticadas com disfunções sociais e alterações psicológicas.

Diante desse cenário, será importantíssima para a população a atuação desses dois profissionais no contexto escolar, pois além de diagnosticar problemas/doenças nas crianças, que anteriormente nunca passavam por esse olhar clínico e humanizado, serão encaminhados para o tratamento adequado.

Porque naturalmente os professores além de terem grandes demandas pedagógicas, também não possuem domínio técnico para identificar com precisão e intervir nessas disfunções.

Assim como também, os profissionais que atuam nesse ambiente escolar serão assistidos nas suas fragilidades emocionais, a categoria da educação está no topo do ranking dos afastamentos do trabalho por doenças psicossomáticas.

A lei prevê um ano para adequação de todos os gestores e instituições, sabemos que inicialmente o trabalho será para conter as urgências, já que antes não existia essa integração do cuidado social, da saúde mental e da educação. Muito embora com o trabalho continuado que será desenvolvido pelas equipes, ao longo do tempo os problemas serão ajustados, e com isso sairemos do contexto de “apagar incêndio” para contexto preventivo.

Acredito que com esse formato de intervenções, serão amenizados sofrimentos, ajustados comportamentos e evitados adoecimentos futuros. A execução dessa lei também quebra alguns paradigmas e preconceitos sociais construídos pela rejeição cultural da figura do Psicólogo(a).

Agora vou relatar um pouco da minha experiência enquanto Psicólogo atuante junto à equipe multiprofissional da SEMED – Secretaria Municipal de Educação.

Ao iniciar nesse universo escolar, muitos alunos e profissionais ficavam meio desconfiados e olhando torto para mim, após desenvolver algumas intervenções coletivas e individuais, fui sendo recepcionado de forma diferente, se sentiram confiantes em estar comigo. Com cerca de dois meses de convívio, vários alunos começaram a me procurar para tirar dúvidas, para pedir ajudam sobre alguma dificuldade de relacionamento e etc. Vários profissionais da secretaria também me solicitavam e aos poucos as intervenções foram ganhando força, e os resultados sendo vistos.

Assim como a lei descreve, minha participação é como um mediador na relação, “aluno X aluno”, “aluno X escola” e “escola X comunidade”. Nesse trabalho conseguimos identificar doenças tais como: Déficit Aprendizagem, de Atenção, TEA –Transtorno Espectro Autista, violências psicológicas, física e sexual. Os respectivos casos direcionados de acordo a necessidade e órgãos competentes.

E a partir de intervenções com psicoterapia, consegui reinserir alguns alunos à escola, que estavam afastados da sala de aula por sofrerem Transtornos de Ansiedade e Depressão.

Criança saudável emocionalmente se torna um adulto resistente.

Criança que vive em conflito se torna um adulto em sofrimento formando uma sociedade doente.

Comentários