CEM METROS RICOS EM HISTÓRIA

10 set 2015 - 09:32

Clerisvaldo B. Chagas, 10 de setembro de 2015.

Crônica Nº 1.487

Foto: prof.mauriciocamargo.blogspot.com

Foto: prof.mauriciocamargo.blogspot.com

Confundindo-se com a história do sertão alagoano, a Rua Nilo Peçanha, cabeça quebrada da unidade Rua Antônio Tavares, em Santana do Ipanema, não chega a cem metros. Ignorada como fonte histórica por quase todos os habitantes da cidade, hoje representa apenas um terreno morto.

Foi ali, entretanto, onde existiu a célebre Cadeia Velha que só foi demolida com inauguração da atual Delegacia de Polícia no lugar chamado Aterro. A Cadeia Velha serviu de delegacia, prisão, quartel, necrotério, e lugar de venda de escravos. Dali saíram os soldados para defender a cidade contra um possível ataque de Lampião, não acontecido. Foi a Cadeia a primeira guarida para o 2º Batalhão de Polícia, comandado por Lucena para combater cangaceiros no sertão.

O trecho Nilo Peçanha foi agraciado como estrada Pedra de Delmiro a Palmeira dos Índios, consolidada pelo próprio coronel Delmiro.

Foi ali, defronte à Cadeia Velha, onde uma das duas excelentes bandas de músicas recepcionou o governador interino de Alagoas, padre Capitulino, acompanhado em comitiva de mais de cem cavaleiros e muitos fogos desde a sua entrada pelo subúrbio Bebedouro/Maniçoba. A outra banda aguardava no centro.

Foi ali na esquina da Nilo Peçanha com a travessa que leva ao rio, onde negociou o cidadão que deu nome ao município de Ouro Branco, Sebastião Jiló (hoje bodega fechada e em ruínas). Em Ouro Branco, antigo Olho d’Água do Chicão, tinha bodega frequentada por Lampião, seus irmãos e os Porcino. Lampião o defendia das maldades dos demais, principalmente do fiado.

Ainda no trecho dos cem metros da Nilo Peçanha, o panificador Antônio Tavares, foi atacado, covardemente, pelo soldado Artur (um dos homens de confiança de Lucena) o mesmo que matou o tenente Porfírio. O panificador trancou-se num quartinho onde morava só, não saiu de casa durante três dias, morrendo de desgosto. Era pai do futuro deputado Siloé Tavares. A Rua Antônio Tavares que antes se chamava Cleto Campelo, depois do nome Sebo, homenageia o comerciante.

A grande casa comercial na esquina da Nilo Peçanha com o comércio era salão de sinuca com jogo de baralho nos fundos. Pertencia ao chefe político no governo Arnon de Mello, Manoel Barros. A porta dos fundos dava para a Rua Nilo Peçanha.

Assim, muitos outros fatos históricos ocorreram no trecho dos cem metros.

*Do livro do autor: “O boi, a bota e a batina, história completa de Santana do Ipanema”.

Comentários