Casos de síndromes gripais crescem em Alagoas e superlotam UPA’s Na UPA Jacintinho, do dia 31 de dezembro até o dia 02 deste mês, foram atendidas 968 pessoas, 430 delas com sintomas de gripe.

Suely Melo / Assessoria Sesau

05 jan 2022 - 08:12


Foto: Carla Cleto / Ascom Sesau-AL

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) informa que os casos de pacientes com sintomas de síndromes gripais continuam crescendo em Alagoas e causando superlotação nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). A capacidade de atendimento das unidades é de até 350 pessoas por dia e cerca de 10.500 por mês, mas, algumas delas estão recebendo pacientes além da sua capacidade.

Do dia 31 de dezembro até o dia 3 de janeiro, a UPA do Benedito Bentes registrou a entrada de 1.345 pessoas, sendo 648 de pacientes com síndromes gripais. Já na UPA Jacintinho, do dia 31 de dezembro até o dia 02 deste mês, foram atendidas 968 pessoas no geral e 430 com sintomas de gripe.

A UPA Cidade Universitária atendeu do dia 31 de dezembro ao dia 03 de janeiro 806 pacientes no geral, sendo 287 com síndromes gripais. No mesmo período, na UPA Tabuleiro do Martins foi registrada a entrada de 1.332 pessoas no geral e 652 com sintomas de gripe. No período de 31 de dezembro a 2 deste mês, a UPA Jaraguá atendeu 690 pacientes, destes, 377 com síndromes gripais.

Cuidados

Os principais cuidados para evitar a infecção é tomar extrema precaução com pessoas doentes, evitar aglomerações e ambientes fechados, lavar as mãos com água e sabão e continuar usando máscaras, já utilizadas para a prevenção contra a Covid-19, além de guardar o devido isolamento domiciliar.

Crianças, gestantes, puérperas, idosos, portadores de comorbidades, entre outros definidos como prioritários para a vacinação contra a Influenza e que não se vacinaram, devem buscar junto às Unidades Básicas de Sáude (UBS) do município de residência, a vacinação. Além disso, toda a população com idades a partir de 12 anos deve buscar se vacinar contra a Covid-19.

Também se deve cobrir o nariz e a boca com lenço, ao tossir ou espirrar, e descartar o lenço no lixo após uso; lavar as mãos com água e sabão após tossir ou espirrar; no caso de não haver disponibilidade de água e sabão, usar álcool a 70% (gel ou líquido); evitar tocar olhos, nariz ou boca; utilizar máscara em todos os ambientes; evitar ambientes fechados e com aglomeração

Papel das unidades sentinelas

As unidades definidas como sentinelas para vírus respiratórios em Alagoas servem como fonte de informação para possibilitar a vigilância dos vírus respiratórios que estão circulando no Estado, por meio da identificação desses vírus.

Com o aumento dos casos de síndromes gripais em Alagoas, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), junto com a Secretaria Executiva de Ações de Saúde (Seas) e a Superintendência de Vigilância em Saúde (Suvisa), elaborou uma nota técnica com o objetivo de orientar os profissionais dos diferentes níveis da atenção à saúde para que se mantenham em alerta quanto à identificação precoce de casos de Síndrome Gripal, possibilitando a implementação de medidas que tenham como finalidade quebrar a cadeia de transmissão.

Em Maceió, as UPAs Cidade Universitária e Jaraguá foram definidas como unidades sentinelas, especificamente para o envio de amostras biológicas aleatórias. Além delas, também foram definidas as UPAs Arapiraca, Maragogi, Penedo, Delmiro Gouveia, Palmeira dos Índios, Viçosa, São Miguel dos Campos, Coruripe e Marechal Deodoro.

Vacinas contra Influenza

Em caráter de urgência, a Secretaria de Estado da Saúde solicitou ao Ministério da Saúde, em dezembro, que sejam enviadas mais doses de vacinas contra a Influenza para Alagoas. Ao todo, foram pedidas 100.430 doses da vacina para que seja possibilitada a vacinação, em nível estadual, no público-alvo que compõe o grupo prioritário da Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza.

Comentários


Importante! Este site utiliza cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes. Ao continuar a navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.