Capital alagoana é eleita a mais bela do Brasil

19 nov 2012 - 15:50

Com mais de 20 mil votos, Maceió é eleita a cidade mais bonita do país pelo site do IG. A enquete – com duração de três dias – divulgou o resultado neste domingo, 18, despontando as belezas da capital alagoana. Esta que deixou para trás capitais como: Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Florianópolis e Salvador.

Segundo o site do IG, a orla bem cuidada, com iluminação e pavimentação em dia, aliada à beleza natural das praias de águas mornas ajudaram Maceió a ficar em primeiro lugar na disputa das mais belas cidades brasileiras.

Para conferir matéria do IG na íntegra, acesse: http://turismo.ig.com.br/destinos-nacionais/2012-11-18/maceio-e-eleita-a-cidade-mais-bonita-do-brasil.html

Maceió

O nome da cidade é de origem tupi. Os índios batizaram o lugar de “Maçayó” ou “Maçai-o-k”, que significa “O que tapa o alagadiço”. Historiadores afirmam que a cidade nasceu de um antigo engenho de açúcar, por volta do século XVIII. Para outros, por ser praiana, seu surgimento está ligada a uma pequena vila de pescadores. Seja qual for a origem, pelo mar ou pelo açúcar, Maceió é um lugar abençoado pela natureza.

Caminhar pelas praias de Pajuçara, Ponta Verde, Jatiúca, Cruz das Almas, Jacarecica, Guaxuma, Riacho Doce, Mirante Sereia e Ipioca é uma ótima opção para apreciar a beleza do litoral cercado de coqueirais, além das jangadas que acrescentam mais beleza a Maceió. Nesses passeios, sempre há tempo para uma pausa, quando se pode tomar água-de-coco, saborear um delicioso sorvete de graviola, mangaba ou cajá ou ainda deliciar-se com tapioca de queijo coalho.

Piscinas naturais

“Mergulhar, no azul-piscina do mar de Pajuçara…” Os versos da música de um compositor alagoano convidam para um passeio a um dos roteiros mais antigos de Maceió: as piscinas naturais, que na década de 40 eram o paraíso dos pescadores e de algumas famílias da Ponta Verde, e que a partir da década de 80 se transformaram em um dos destinos mais badalados pelos turistas.

As belezas do Norte

As praias da Pajuçara e Ponta Verde são tradicionais cartões postais da cidade. Mas Maceió guarda outras praias também belas, como Jatiúca, Cruz das Almas e Jacarecica, que atraem os surfistas com suas ondas. Indo para o norte, as praias de Guaxuma, Garça Torta, Riacho Doce, Mirante da Sereia e Ipioca são as preferidas dos alagoanos nos fins de semana e também oferecem ótima estrutura de bares e restaurantes, além de rede de vôlei para muitas partidas. E não é só isso: fazem parte da programação, shows de jazz, blues, rock, MPB e, no período junino, o autêntico forro pé-de-serra, com fogueiras e comidas típicas.

Pontal, bairro das cores

Depois das piscinas naturais, o passeio pelo bairro do Pontal da Barra é uma viagem às tradições e à gastronomia de frutos do mar e das lagoas, como o famoso sururu (molusco) ao coco. Também chamam a atenção as mulheres, na porta de casa ou na beira da lagoa, tecendo o filé (bordado feito a partir da rede de pesca), uma renda tipicamente alagoana, tradição transmitida de geração a geração. Uma típica lembrança de Maceió representa o sustento de mais 400 famílias do bairro.

O bairro Pontal da Barra, localizado no litoral sul de Maceió, tem ótima pedida para o verão. Todo sábado tem apresentação do Fandango (folguedo representado por uma dança com motivo náutico, com forte inspiração portuguesa) no Pontal da Barra que existe desde 1936 na comunidade. E, no final da tarde, ainda tem o pôr-do-sol na Lagoa Mundaú, uma cena inesquecível.

Bem viver

A rede hoteleira oferece opções para todos os gostos e orçamentos, como pousada, hotel, resort, prontos para dar todo o conforto que o turista precisa. Um dos destaques da hotelaria são as mesas fartas do café da manhã, com grande variedade de bolos, pães, tapiocas, frutas, frios, sucos, iogurtes ou seja: como manda a tradição nordestina, um café reforçado.

Maceió é o lugar da família, dos namorados, da melhor idade, dos jovens, das crianças e de gente de todas raças e crenças. Uma cidade abençoada por Nossa Senhora dos Prazeres já diz tudo.

Comer bem

O Sururu (molusco de água doce) é um dos pratos mais típicos de Maceió e está presente em todas mesas de bares e restaurantes da cidade. As opções de preparo vão desde a mais tradicional – batizada de sururu de capote, que é o molusco preparado e servido na casca com pirão – até em receitas francesas. Mas a glória do sururu é ao leite de coco. Uma combinação perfeita. Afinal, com seus vastos coqueirais o coco é a base de muitas receitas em Alagoas.

A culinária alagoana é a mistura das tradições dos índios, dos portugueses (colonizadores) e dos africanos que chegaram como escravos no Brasil. Mas os índios, que foram os primeiros habitantes no paraíso alagoano, deixaram a tradição da tapioca (massa de farinha de mandioca, também conhecida com aipim ou macaxeira) muito bem apreciada no café da manhã e nos final da tarde em toda orla de Maceió.

Maceió tem um senhor roteiro gastronômico, tem sabores do Nordeste, do Brasil, da Itália, do Japão, da China, do Peru, do México, da França… Enfim, tudo para agradar qualquer paladar. E o melhor: tem o mar, rios e lagoas como cenário natural.

Lembranças de Maceió

O artesanato design também está presente na loja Viver de Arte, na praia da Jatiúca com bolsas de lonas e louças pintadas à mão, jóias com pedras brasileiras e detalhes de couro de carneiro e jacaré, painéis e mesas de madeiras com temas alagoanos.

Palha, barro, tecidos, coco, madeira, bordados, sementes, contas, papel reciclado, pinturas, palitos de fósforos são as matérias- primas dos artesãos de Maceió, que criam lindas lembranças de Maceió.

Mercado artesanato

Esculturas de palitos de fósforos já foram vinheta de abertura da novela da Globo. Mas a oficina onde são criadas fica em Maceió, no Mercado do Artesanato, onde trabalha o escultor Arlindo Monteiro. Ele cria as peças que reproduzem personagens de folguedos populares de Alagoas e até imagens de Jesus Cristo. A base para a criação de cada pela é um simples palito de fósforo. O Mercado do Artesanato, localizado no Centro, concentra cerca de 100 artesãos que criam peças de couro, palha, filé, renda e bordados. Bom, bonito e barato.

Além das praias

Além das famosas praias, você pode montar um roteiro bem cultural, dependendo do tempo que vai passar por Maceió. No centro da cidade, estão museus, como o de Arte da Fundação Pierre Chalita, que conta com um rico acervo de imagens sacras dos século 16, 17 e 18. Já o Museu Theo Brandão, na Avenida da Paz, resgata e preserva a tradição da cultura popular de Alagoas.

O Palácio Marechal Floriano Peixoto, inaugurado em 1902, deixou de ser sede do Governo e transformou-se em museu, mostrando ao público suas ricas coleções de cristais, pratarias e móveis antigos em madeira e couro. O ponto alto do museu são as obras do artista plástico Rosalvo Ribeiro (1865-1915). O Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas possui um valioso documentário da guerra do Paraguai; um dos mais completos acervos afro-brasileiros do país, a exemplo “Coleção Perseverança”, que reúne objetos usados em cultos africanos em Alagoas no ano de 1912; uma coleção da famosa Louça Marajoara; e peças de etnografia de grupos indígenas amazônicos.

Fonte: Ascom SETUR e SEMPTUR

Comentários