Brasileiros selvagens, não visitem os EUA!

19 jan 2013 - 10:36

A última experiência com os gringos made in USA foi um tanto desconfortável, para o colunista. No consulado, quando fui portador do abaixo-assinado dirigido ao presidente Obama, um documento que reivindicava liberdade para os cubanos presos nos Estados Unidos, o tratamento foi um tanto mal-educado. Ali, entreguei o texto em pé, varrido por câmeras de todos os lados, sem cafezinho, sem água, sem um bom-dia, enquanto os companheiros, vereadores, sociólogos, estudantes, ficaram nos degraus de acesso, do lado de fora. Pior, este nativo bem que poderia ter saboreado balas vindas de dois policiais com a mão na pistola, que defendiam a funcionária contra o terrorista.

Mas agora o site da Caixa Econômica Federal vem em sentido oposto, porque ensina como os brasileiros devem tratar os norte-americanos nos Estados Unidos. Ah, bom. Meus raros amigos, esta coluna já vem pronta. Se não creem, acompanhem por favor as preciosas recomendações de Etiqueta no site da Caixa. Os comentários são do colunista, as informações vêm de Clique aqui (Veja PS do Viomundo):

“Em situações formais, norte-americanos costumam se cumprimentar com um aperto de mãos firme e rápido ou com um aceno de cabeça, acompanhado de uma saudação verbal”.

Hi, rai, será isso?

“Nos EUA, procure ficar a uma distância mínima de 33 cm (a distância aproximada de um braço esticado) quando conversar com outras pessoas”.

Aí é bronca, como os mal-educados nos dizemos no Recife. 33 cm como tamanho de um braço?! Das duas uma: ou o redator da etiqueta para brasileiros entre gringos errou a unidade, ou a parte do corpo humano. Mas não exageremos. Adiante.

“Se você estiver num grupo que está conversando em inglês, não é educado falar em outra língua mais do que duas ou três frases”.

Magnífico. Nos Estados Unidos fale inglês, sempre, não importa em que circunstância. E se alguma necessidade interna houver, de fala entre seus semelhantes nativos, comporte-se: faça como eles fazem em terras do Brasil: fale em inglês, sempre.

“Mantenha suas roupas sempre limpas e arrumadas, sejam elas formais ou informais. O mesmo vale para os sapatos”.

Como se sabe, os brasileiros somos desleixados, sujos, mal-amanhados, deselegantes. Nesse particular, não precisamos copiar os norte-americanos que chegam em hordas de turistas para o Brasil: sem banho, de sandálias, bermudões, em fila indiana, em marcha que anda como se tivessem calos e caroços nos pés. Mas como pinguins graciosos, pois são norte-americanos.

“Nos EUA, fazer contato visual com o garçom, com um aceno da cabeça, normalmente é suficiente para chamar sua atenção. Em ambientes muito cheios, pode-se chamar o garçom educadamente com um ‘excuse me, waiter’ ou erguer o dedo indicador com um aceno de cabeça”.

O genial dessas recomendações para os mal-educados, isso quer dizer, nós, é que elas preveem todas as situações, se não as reais, pelo menos as imaginárias. Os garçons nos Estados Unidos atendem às mil maravilhas todo cucaracha. Basta um dedo indicador e eles vêm sorridentes e ágeis. Nunca o médio, do dedo, que esse é o que nos dão, por falta de coordenação motora, talvez.

“Ao ser convidado para um evento na casa de alguém, é de bom tom perguntar ao anfitrião se ele deseja que você leve alguma coisa. Se ele disser que não, leve assim mesmo um vinho ou algum doce para a sobremesa.

Se o evento for uma festa de comemoração de aniversário, aposentadoria ou formatura, mesmo que lhe digam que não é necessário dar presentes, leve uma lembrancinha acompanhada de um cartão.

Quando visitar uma casa pela primeira vez, leve um presente para o anfitrião – flores para a mesa ou uma garrafa de vinho são boas escolhas”.

Ou seja: leve sempre um presente. Nunca se esqueça. Mas.

“Não prolongue além da conta a sua estada – a não ser que o anfitrião peça”.

Antes, o gringo dizia não e devíamos entender sim. Agora, dizem sim e devemos entender sim. Como saber quando os gringos falam a verdade?

Na verdade, a Caixa devia escrever um Manual de como os norte-americanos deviam tratar os brasileiros, porque a economia deles vai mal-educada. Ou pelo menos, como eles devem se comportar quando invadem as praias do Brasil e veem em cada mulher uma prostituta, e em cada brasileiro um cafetão.

Enquanto a nova Etiqueta não vem, pela que está no ar só resta uma conclusão: brasileiros selvagens, não visitem os Estados Unidos. A não ser que desejem viver sob a camisa de ferro de um desatualizado Manual de Etiqueta.

PS do Viomundo: A Caixa retirou agora à noite o Manual de Etiqueta do ar. Quem acessar o link no meio do texto, descobrirá que a página está indisponível. Urariano Mota fez uma cópia em word. “Como sou primitivo nisso (risos), não fiz printscreen, copiei e colei no word”, contou-me há pouco. Conceição Lemes.

Portanto, segue documento original do site da Caixa:

Comportamento e etiqueta

O povo norte-americano

Como no Brasil, a população dos Estados Unidos é uma combinação de raças:

– Nativos – Descendentes da população que habitava o país quando da chegada dos colonizadores europeus (ameríndios, esquimós, havaianos, entre outros).

– Brancos – Descendentes dos colonizadores (vindos das ilhas britânicas, da Espanha e da França) e de imigrantes europeus.

– Negros – Grande parte deles descende dos escravos africanos trazidos para construir o novo país.

– Orientais – São imigrantes e descendentes de imigrantes.

Outro grupo bastante representativo nos EUA é o de hispânicos, isto é, imigrantes latino-americanos, que podem ser de qualquer raça ou grupo étnico. Têm influência cada vez maior no país.

Um elemento forte na cultura do país é a preocupação em ser “politicamente correto”, isto é, em evitar expressões, linguagem ou comportamentos que possam soar ofensivos a uma minoria. Assim, piadas racistas ou relativas a um grupo étnico devem ser evitadas.

Comportamento

Os norte-americanos, de maneira geral, são informais e extrovertidos. Valorizam o trabalho e o sucesso pessoal. São competitivos, assumem riscos, tomam decisões com rapidez e, para encontrar soluções, discutem abertamente. Embora convivam com pessoas de todo o mundo em suas cidades, não conhecem muito sobre a cultura de outros países.

Etiqueta

As regras de etiqueta nos EUA apresentam poucas diferenças em relação às brasileiras. Veja a seguir como comportar-se em diferentes situações sociais. Você vai perceber que basta ter bom senso e um pouco de tato para não cometer gafes.

Cumprimentos

– Em situações formais, norte-americanos costumam se cumprimentar com um aperto de mãos firme e rápido ou com um aceno de cabeça, acompanhado de uma saudação verbal.

– Em ambiente informal, beijos ‘sociais’ são aceitáveis entre mulheres e entre homens e mulheres, desde que os envolvidos conheçam-se bem.

– Se encontrar alguém conhecido na rua e estiver acompanhado, é educado apresentar seu acompanhante à outra pessoa.

– Quando encontrar um amigo acompanhado de um grupo de pessoas, cumprimente a todos. Saudar apenas o amigo é considerado grosseiro.

Conversas

– Nos EUA, procure ficar a uma distância mínima de 33 cm (a distância aproximada de um braço esticado) quando conversar com outras pessoas.

– O contato visual – olhar nos olhos – durante as conversas é muito valorizado entre os norte-americanos.

– Como no Brasil, devem-se evitar temas controversos – política, religião, etc. – quando não se conhece bem o interlocutor. Também não convém criticar o “american way of life” – muitos norte-americanos podem se sentir ofendidos.

– Se você estiver num grupo que está conversando em inglês, não é educado falar em outra língua mais do que duas ou três frases.

– Se receber um elogio, simplesmente agradeça. Negá-lo para parecer modesto soa bem no Brasil, mas não nos EUA.

Vestimentas

– Mantenha suas roupas sempre limpas e arrumadas, sejam elas formais ou informais. O mesmo vale para os sapatos.

– Em ambiente formal, a vestimenta comum para homens é terno e gravata e, para mulheres, tailleur com meia-calça e sapatos altos. Mas convém que você pesquise um pouco como as pessoas se vestem no local para onde vai.

Pontualidade

Norte-americanos valorizam muito a pontualidade. Não os faça esperar.

Boas maneiras à mesa

As recomendações de como se portar à mesa nos EUA não diferem das brasileiras:

– Procure sentar-se ereto e não apóie cotovelos e antebraços à mesa.

– Para alcançar um prato que está distante, peça educadamente para alguém mais próximo dele trazê-lo até você.

– Só comece a comer quando todos estiverem comendo ou, ainda, quando quem o convidou autorizar.

Em restaurantes

– Nos EUA, fazer contato visual com o garçom, com um aceno da cabeça, normalmente é suficiente para chamar sua atenção.

– Em ambientes muito cheios, pode-se chamar o garçom educadamente com um “excuse me, waiter” ou erguer o dedo indicador com um aceno de cabeça.

– Se o serviço do garçom esteve a contento, deixe uma gorjeta de 15% do valor da conta.

Fumo 

Fumantes, nos EUA, estão em minoria. Assim, antes de acender um cigarro, pergunte a quem estiver por perto se é permitido

fumar naquele lugar ou, ainda, se as pessoas à sua volta não se importam – e prepare-se para a possibilidade de ouvir um “não”. Caso queira parar de fumar, aproveite – nos EUA, você terá todo o incentivo.

Em festas

– Ao ser convidado para um evento na casa de alguém, é de bom tom perguntar ao anfitrião se ele deseja que você leve alguma coisa. Se ele disser que não, leve assim mesmo um vinho ou algum doce para a sobremesa.

– Se o evento for uma festa de comemoração de aniversário, aposentadoria ou formatura, mesmo que lhe digam que não é necessário dar presentes, leve uma lembrancinha acompanhada de um cartão.

– Se você não sabe qual a natureza da festa, convém perguntar que traje utilizar.

– Quando visitar uma casa pela primeira vez, leve um presente para o anfitrião – flores para a mesa ou uma garrafa de vinho são boas escolhas.

– Se você for convidado a uma festa de casamento, saiba que nos EUA eles também têm listas de casamento em lojas especializadas – lá, essas listas são chamadas de “bridal registry”.

– Procure não se atrasar em jantares. Em festas, a tolerância pode ser de uma a duas horas além do horário combinado.

– Não prolongue além da conta a sua estada – a não ser que o anfitrião peça.

Títulos honoríficos e nomes

– Nos EUA é comum chamar as pessoas pelo primeiro nome. No entanto, até que o seu interlocutor o autorize a tratá-lo assim, chame-o pelo sobrenome precedido por um título honorífico (Mr. para homens e Mrs. para mulheres).

Esperando (transporte ou por atendimento)

– Como no Brasil, esperar em fila e, de preferência, não furá-la, é o mais educado a fazer.

– Quando um transporte utiliza a mesma porta como entrada e saída, é educado esperar que as pessoas que queiram desembarcar o façam antes de entrar no veículo.

Empregados

– Não é educado chamar um empregado com gestos grosseiros ou falando alto. Estalar os dedos ou assobiar é inaceitável.

– O correto é aproximar-se do empregado e dirigir-lhe a palavra educadamente. Ou, ainda, acenar como quem cumprimenta quando ele olhar para você.

– Seja cortês. Dizer “por favor”, “com licença” e “obrigado” só vai somar pontos para você.

por Urariano Mota – Direto da Redação

Comentários