26 abr

0 Comments

O BARÃO E O DISCO VOADOR

Naquela segunda-feira à tarde, resolvi ir à casa do visconde de Sinimbu. Sentia quão era bom, e como, fazia-me bem estar lá. Não exatamente pela companhia do Lorde. O que me fazia tanto bem era tão somente estar naquele lugar. A cada vez que ia mais e mais consolidava o que eu sentia.

Não me ocorria, ter estado lá alguma vez, pela manhã. Porém era muito provável, que algum dia, tenha ido, ao alvorecer. Muito embora a obrigação, o dever a cumprir, acabaria negando a oportunidade de contemplar a paisagem. De dar-me o direito de perder tempo admirando as coisas corriqueiras que se desfilavam a cada momento a minha frente. De modo que a manhã, jamais causaria a impressão que o vespertino imprimira. Como se nos fosse negado o prazer de gastar o horário da manhã com o descompromissado compromisso duma visita. Como se as primeiras horas cobrassem dos seres domésticos, preocupação com as coisas a serem feitas. Tinha o período matutino, essa capacidade incrível de furtivamente furtar a atenção pros afazeres. Em especial, no miolo da semana, os denominados dias brancos. Não permitia a um senhor de engenho tamanho desperdício, de contemplar a beleza dum amanhecer. Sendo dele próprio cobrado, inexorável acompanhamento dos trabalhos. Às ordens a serem dadas aos feitores que acompanhavam os escravos que iam pro desfrute dos coqueirais, era de muito mais importância. Ouvir dos capatazes que supervisionavam os trabalhadores no plantio de cana-de-açúcar que tantos negros haviam fugido. E de outros tantos safos dos trabalhos na olaria. E saber sobre quantos teriam morrido de maleita porque passavam dias a fio dentro da lama. As cantigas cantadas nas matinas vindas da senzala, carregadas de sortilégios de entidades da mãe África. Era o modo de despedir-se do preto velho, morto a mais de uma semana. Os negros andavam cheios de angústias. Arredios com seus mandantes. E a noite o baticum dos tambores ecoava na mata num choro, lamento.

A casa dava o lado direito pro mar, muito lá adiante. De onde nascia, o rei de luz e calor. Ao realizar sua parabólica, tocava os gradis do jardim, os oitões. O esplendor de construção erguido num platô cujas portas e janelas frontais, olhavam pra um chapadão, emaranha de tantos tons de verde. Donde um dia braços humanos de negros e brancos abriram picada com característica de vala, e varou toda gleba. E sobre ela assentaram bitolas e grampos que sustinham vergalhões e deu-se estrada de ferro. O trem passava, as janelas olhavam: do trem pra casa, da casa pro trem. A construção de dois pavimentos tinha escadaria frontal que acessava um vão, circundo de parapeito. Três magníficas janelas de lado a lado ornavam o frontispício. Iam lá em cima, e desciam em portões de ferros em estilo gótico. Duas letras: “V.S.” uma na folha esquerda e outra na folha direita do portão, lá adiante do pomar amelhado de frutíferas. A porta central acessava a sala de estar. O piso de madeira untado de azeite, jamais permitindo, ao andar, que o peso do corpo fizesse ranger o lastro.

O visconde fora pra Europa, ter aulas de baruel e orfila. Dom João Lins Vieira Cansanção, apesar do nome, e dos pomposos títulos, era um homem novo, nem trinta anos tinha ainda. Desta última viagem a Paris e Alemanha voltaria à terra natal com o título de barão. O filho do capitão Manuel Vieira, formado em Direito pela Academia Jurídica de Olinda, gostava da vida na província. Das noitadas de festas que seus pais promoviam toda vez que volta de férias dos estudos nos estrangeiros. À noite, de sua casa dava pra ver as luzes dos lampiões do cais do porto de Jaraguá, lá na vila de Maceió. No pavimento inferior da casa ficavam os aposentos da criadagem, a dispensa, e a cozinha que tomava toda a extensão do lado leste do sobrado. A boquinha da noite farta refeição era providenciada para os convivas do barão, que estava pra chegar. A preta velha estava apreensiva, ficara sabendo que seu filho havia fugido. Não entendia o que se passava na cabeça daquele moleque. O boato da proclamação da libertação dos escravos, pela princesa Isabel, já se espalhara feito rastro de pólvora. Era só ter um pouco mais de paciência. Afinal o visconde era simpático a abolição. O capitão do mato saiu no encalço do negro, por conta própria, por puro ódio aos daquela raça.

Bela noite vaporosa e quente se havia. Uma chuva leve tinha molhado o mato ao cair da tarde liberando um cheiro bom de capim fresco. Um enfileirado de tochas acesas alumiava o terraço desde o portão de entrada até a escadaria que acessava o frontispício do imponente casarão colonial. Os pirilampos faziam a festa. Tudo ali, naquele momento, em muito, lembrava um ritual de casamento havaiano. Muito embora nenhum cerimonial de núpcias estivesse pra acontecer, tão somente aguardava-se a chegada do visconde, que chegaria ainda naquela noite. Na companhia de lindas donzelas, os convidados bebiam vinho no terraço. Deles preferiam passear pelo jardim. Ao som de um quarteto de músicos, que tornava tudo ainda mais alegre. Os mais velhos preferiam jogar gamão e pôquer na ante sala. Donde se ouvia leves estalos de língua ao deguste de modestas doses de uísque, vinte anos envelhecido. Fios de fumaça azulada saiam dos charutos subiam, e subiam. Indo impregnar de fumo e nicotina o lustre de cristal pendido do teto. Uma pintura, a óleo, de busto do barão olhava sereno pra outro quadro, duma gravura náutica na parede do lado oposto. Numa mesa enorme com forro branco, requintados petiscos. Um leitão jamais tocado parecia dormir sobre a bandeja, ornado de frutas e legumes. O capitão providenciara para a chegada do visconde barão a queima de fogos de artifício. Porém nada daquilo aconteceria. Ao aproximasse dali, o barão liberou o cocheiro. Passou a conduzir a carruagem e na companhia de algumas meretrizes trazidas de Paris, ganhara o caminho da praia. Amanheceram bêbados e nus. Aos gritos, recitavam poesias em francês. Os nativos que a tudo presenciara batizariam o local de praia do francês.

A igreja do Santo Rosário estava lotada. Naquela ensolarada manhã de domingo celebrava-se a missa da páscoa. Quinze dias, exatamente duas semanas, separava aquela cerimônia clerical, do episódio a beira mar. O solene som do órgão solfejava cânticos, o santo ofício. Padres, bispos e presbíteros em seus paramentos. Sentados diante do altar, distribuíam-se em meia lua, conforme a hierarquia, do centro para as pontas. O tilintar do castelo batendo nas correntes do turíbulo, o cheiro de incenso perfumando toda a nave, a assembléia. O coroinha segurando a franja do véu umeral, a reta guarda do sacerdote, enquanto era incensado o altar. A mitra apontando pra cúpula eclesiástica. O recital, os cânticos tudo em latim pronunciado. De repente, lá na porta da igreja, uma figura grotesca surgiu. Era o capitão do mato.

Aos gritos de “-Senhor Barão!” entrou na igreja. Em vão tentaram interpô-lo, porém pararia somente aos pés do barão. Lívido de espanto, assim como toda a igreja, Dom João viu o terror nos olhos daquele seu empregado. O rosto crispado de medo, relatou-lhe o seguinte: “-Meu senhor! Estive no encalço dum negro fujão. A dois dias atrás, o encontrei. Era por volta das três da tarde quando o coloquei sob a mira da minha espingarda. Eu ia atirar, quando do céu apareceu uma grande carruagem de ferro, sem cavalos, nem cavaleiro. De lá, saiu um facho de luz que desceu até o negro, e sugou-o pra lá dentro. E A imensa nave sem vela que flutuava no ar, se foi!” Dito isso desmaiou.

Duzentos anos se passaram, e a nave espacial voltou. Mansamente veio vindo, veio vindo, e pousou ao lado da casa do Barão de Sinimbu. A aprazível casa do primeiro ministro da justiça, pioneiro em defesa do ensino primário e secundário patrocinado pelo governo. Depois de sua morte foi cedida como espaço para os professores se reunirem.

Fabio Campos

07 abr

0 Comments

OS QUINTAIS E AS LUAS

Em meados da década de quarenta, meus pais mudaram-se, do início da Rua Barão do Rio Branco, foram morar no Largo do Monumento, numa casa, defronte a capela de Senhora Assunção. Naquela ocasião eles eram o casal, e um filho. O primogênito, e que não era eu. Contava-me minha mãe, que a partir de então, os compadres passariam a afirmar: “-Vocês agora estão morando em bairro de burguês!”

Naquela época a Quinta do Monumento, nem tinha calçamento, somente a igrejinha ao centro, o quartel da Brigada Militar, sob o comando do Coronel Lucena Maranhão, que teria vindo da capital alagoana pro sertão, pra combater e acabar com o cangaço. Anos mais tarde, o quartel viria a ser a Escola do curso de Comércio, Santo Tomaz de Aquino, e depois o Ginásio Santana. Era tão somente isso o que existia por ali, naquele tempo. A casa dos meus pais e mais algumas poucas moradias. Um dia, minha mãe se punha sentada a porta, e observou o intendente Firmino Falcão, munido de uma fita métrica, e um ajudante, a medir uma área na frente das residências. Não demoraria e surgiria o “Pinguim”, graciosa lanchonete, alpendrada e lajeada que tinha uma espécie de coreto na parte de cima.

A casa. De fachada simples, quase sem eiras e beiras. Tinha janela e uma porta, e três cômodos: sala de estar, um quarto e a cozinha. Aos poucos meu pai foi aumentando, pois o quintal era tão grande que ia até o Largo São Francisco, que mais tarde viria a ser a Rua Marinita Peixoto Nóya. Dali avistava-se perfeitamente a Quinta do Maracanã, e a ladeira que subia até o cemitério Santa Sofia. Assim, quando morria alguém, dos fundos da minha casa, dava pra ver o cortejo subindo, subindo, até chegar ao Quinto das Tabuletas. A cisterna que tomava parte do nosso quintal foi demolida, pra dar lugar a mais três cômodos. A cozinha remodelada e ampliada. Outros dois cômodos eram quartos dos meninos e das meninas. Entre a nova cozinha e o quarto dos meus pais, acabaria ficando uma espécie de clarabóia que anos depois mudaria numa área verde. Antes disso ocorreu o episódio do furto.

A história do tal ladrão, contaremos com brevidade porque não é as desventuras de um reles larápio o ponto de convergência da nossa história. Foi num dia que Francisco, o primogênito, que embora já houvesse casado, naquela noite resolveu dormir em casa dos pais. Já ia alta a madrugada quando pelo quintal do vizinho, o gatuno, sem dificuldade alcançou a clarabóia. Entrou pela escadinha que Severino e Seu Zé Benjamin usavam para encher a caixa d’água do banheiro com água do Panema, trazida em ancoretas no lombo de jumento. Andou pela casa toda, no entanto levaria consigo, o relógio, uma corrente de pescoço banhada a ouro, a carteira, a calça e os sapatos do meu irmão. Já ia indo embora, e desistiu de levar a calça, deixou-a na escada. Largou também a carteira somente com os documentos.

A casa da minha mãe por esses dias teria passado por uma reforma. Já estava mais do que na hora de uma recuperação na sua infra-estrutura. A última que lembro, tinha ocorrido a cerca de quarenta anos. Foi próximo da revolução de 64. Naquela época notícias a uma cidade como Santana do Ipanema, encravada no sertão nordestino, chegavam através do telégrafo. A agência dos Correios, naquele 21 de março, recebera a notícia que os paulistanos tinham realizado na metrópole brasileira, a grande “Marcha da Família com Deus”, que reuniria cerca de quinhentos mil pessoas, manifestavam pela lei e pela ordem, e contra a transformação do Brasil numa república comunista do tipo adotada pelo ditador da ilha de Cuba, Fidel Castro. As Forças Armadas, Exército, Marinha e Aeronáutica, foram para as ruas, invadiram palácios de governos estaduais, marcharam contra as universidades e reprimiram com vigor e veemência os dissidentes políticos, taxados de golpistas e comunistas. Muita gente foi presa: intelectuais, escritores, artistas e políticos da linha dita de esquerda. Muitos deles foram deportados, outros conseguiram asilo político em países vizinhos, outros foram encontrar guarida em países da Europa e na América.

Em Santana do Ipanema, a revolução não passaria em brancas nuvens, também tivemos manifestantes nas ruas. Assim que a notícia da revolução se espalhou os estudantes foram pras ruas. O jeep da polícia realizou várias batidas, prendeu alguns boêmios, vários estudantes, e um professor. Alguns prédios públicos foram depredados e pichados. O prédio da perfuratriz ganhou um símbolo nazi-facista a suástica alemã, uma mão com o dedo polegar içado, e os dizeres: “Fora Comunistas!” Manifestantes haviam invadido o posto da Coletoria Estadual, móveis foram atirados no leito da rua, e queimados, juntamente com diversas pastas e documentos. Ainda naquele dia, da capital chegou um pelotão da Infantaria Motorizada, soldados do exército que teriam feito uma batida na cidade sitiada. Composta de dez homens, a guarnição trajava farda de cor cáqui, coturnos de cano longo, fuzis com baionetas e capacetes em forma de bola, o que possibilitaria o pejorativo apelido de “soldadinhos de cuia”. A varredura incluía revista a prédios públicos, escolas, estabelecimentos comerciais e mesmo algumas residências. Ao se negar ser revistado pelos soldados, no cassino A Lira d’Ouro meu pai foi preso.. Nesse tempo era banqueiro de jogos de azar, vivia do carteado. O farmacêutico Seu Carola, compadre de meu pai, não fazia muito, havia sido nomeado delegado. Teria conseguido um salvo conduto, para que fosse posto em liberdade, ficando sob sua custódia. Mas só depois de ter ficado preso por uma noite na Cadeia Pública.

Quando entrei percebi que minha mãe não estava só. Era sempre assim, sempre que ia lá eu a encontrava na presença de alguma visita, comadres, amigas do coral da igreja, amigas do grupo da “melhor idade”. Saboreavam café com torradas, ou comiam pipoca quentinha, a tevê ligada, porém ninguém assistia. Naquele dia não era nenhuma dessas companhias. Junto com ela havia duas pessoas. Conversavam com certa animosidade, riam. Aproximei-me. Sentada na sua poltrona, minha mãe olhou-me sorrindo. Pedi-lhe a benção. Abençoou-me. Noutras cadeiras de frente a dela, um chinês e um índio. Cumprimentaram-me com um cordial “Boa tarde.” Ressabiado retribui o cumprimento. Cuidaram em se apresentar.

Feng Shui e Aruwana. E tinham uma história pra contar. Pra tentar descontrair e possibilitar amabilidade, perguntei o que significavam seus nomes. O “Clamor do Vento e da Água” disse o chinês. “O que tem a “Língua-Dura-como-Osso” falou o índio. O chinês se iniciou no que tinha a dizer; “Amigo, somos viajantes, andarilhos pelo mundo. Viemos aqui trazer uma revelação: todo lugar no planeta tem uma vibração, libera uma energia positiva ou negativa. Se uma edificação é erguida próximo ao sopé duma montanha a energia se acumula, numa construção próxima de um rio haverá energia em constante movimento. No caso desta casa, construída próximo a um templo de oração as vibrações positivas se expandem num raio de cem metros. Todos os que nascem ou nasceram neste local estão ou foram revestidos desta energia. No entanto caso se afaste, ou vão pra longe precisam voltar com certa frequência aqui, para renovarem esta energia, que vai se gastando ao longo do tempo, até se acabar e passa a acumular no corpo a energia contrária, a negativa. Dessa energia divina é que dependem as suas, as nossas realizações pessoais, o encontro consigo mesmo, a paz e tranquilidade interior.

E chegou a vez do índio falar. “Amigo, venho de uma tribo politeísta. Meu povo acreditava em Cinco deuses: Hotí deus do fogo; Hatí deus da terra; Watí deus da água, Hér deus do Ar. Certo dia chegou na nossa aldeia, um homem de longas vestes pretas, chapéu preto, uma cruz pendurada no pescoço. Ele falou de um único Deus em quem devíamos acrditar. Falou da importância do jejum e da oração. Não dei valor a nada do que ele disse, além do mais disse-lhe palavras duras, daí ganhei o apelido de “Língua-Dura-Como-Osso”. E por castigo fiquei mudo. Num sonho fui visitado por um profeta que me perguntou: “Aruwana! Que rei tem quinhentos no começo e cinco no meio? Tens até a quinta lua pra responder. Passei quatro luas tentando encontrar a resposta. Quando clamei a Deus, Ele me respondeu, Aruwana, o rei que tem quinhentos no começo e cinco no meio é o rei Davi. E minha língua se soltou. E até hoje sou o que sou.”

Fabio Campos

03 abr

0 Comments

DÁ-ME DE BEBER!

Igreja matriz de Senhora Santana. Dali a alguns dias viveria a páscoa. Um pequeno andaime no interior indicava algum tipo de reforma. Diversas latas de tintas, esmaltes, pincéis num copo. Um pintor sentado sobre um tablado. De costas para a nave, concentrado no seu trabalho, pintava. Um céu intenso de luz, de um sol cádmio. Palmeiras, damascos, pinheirais diziam até onde iam os horizontes. Um lajedo compunha o relevo. Ciprestes afloravam do chão, somente aonde permitiam as pedras do solo. Os olhos do observador requisitados pelas duas figuras humana da cena, Jesus ao lado de uma mulher. Semblante sereno, sentado numa pedra. O filho de Deus tinha a face voltada para a madona, que se encontrava sentada no chão, apoiada numa cânfora. O epicentro da paisagem, um poço que havia ali.

Voltando no tempo, pelo menos umas duas décadas. Recordei que antes havia uma pia batismal naquele lugar. A paisagem, de antes, naquela parede representava o batismo de Jesus. João Batista, as margens do Jordão, de pé, muito sério, com cara de dissidente político, cabelo grande, barba cerrada, escura, trajado em peles de animais. Uma das mãos segurava um cajado, e com a outra despejava a água contida numa concha, sobre a cabeça de Jesus. Cabelos e barba castanha, envolto num manto, cor púrpura, a cabeça quase abaixada, os olhos serrados. Enquanto isso lá no céu azul claro, ornado de nuvens estufadas, uma pomba pairada no ar. De suas asas, o espírito santo descia sob a forma de luz. Aquela imagem, retida na mente desde a infância. Jamais esqueceria.

Jerusalém era aqui. Em Santana do Ipanema, tudo se parecia com a terra santa. Nas suas ruas estreitas, no sobe e desce dos becos escuros. Na tendas dos mercadores. Nos trajes coloridos, no sol, no clima semi-árido. Na escassez de chuva, na vegetação rústica, adaptada a esta temperatura. Nos chamados dias grandes, os sertanejos seguiam em romaria, pelos sertões. Em penitência por expiação dos pecados, peregrinavam a lugares altos, aonde houvesse um cruzeiro, iam rezando a ladainha, o santo ofício, a via sacra. A cada estação, as súplicas por misericórdia. Pedidos de perdão a Deus pelas atrocidades da humanidade inteira. Deles que carregam ex-votos, e deixavam-nos na primeira capela que encontrassem. Haveria quem carregasse por todo o percurso uma pesada pedra na cabeça, isso porque um dia uma graça teria sido alcançada, ou um pedido havia sido feito e esperava-se o benefício divino. Mães que vestiam seus filhos pequenos com trajes de frade franciscano. Imagens do padre Cícero Romão Batista, e do Frei Damião de Bozzano conduzidas sob sobrinhas coloridas. Um homem que padecera de um mal por muito tempo, uma vez curado, cumpria sua promessa, uma cruz de tamanho e peso da de Cristo carregaria até o Juazeiro do Cariri. Cheia de fitinhas coloridas presas ao madeiro, por aqueles que almejavam alcançar graças, por aonde o cortejo ia passando.

Verão bravo e ia o vento assobiando na caatinga, imitando o canto da fogo-apagô. Lá no alto o Cruzeiro, remetendo-nos ao Gólgota, lugar da caveira, ali ocorreria à encenação do calvário. Os vendilhões na porta da igreja e do mercado comercializavam os produtos mais procurados na época da quaresma. As iguarias para o feitio da ceia de páscoa, expostos no leito da rua. Coco seco pro preparo do peixe. Os compradores experientes com uma moeda batiam na casca dura, no tilintar do metal, descobriam se o produto estaria saudável. Rosários de coco ouriciri, umbu pra fazer a umbuzada. O olfato ofendido, e a presença de muitos cachorros vira-latas acusavam a proximidade das barracas de peixes. A balbúrdia, a barganha, os ânimos exaltados. O facão, a peixeira toque-toque aparando barbatanas extirpando vísceras. Pilhas de jacas e de melancias, frutas fartas de polpa pra depois do almoço da semana santa. O homem do campo sabedor da necessidade do jejum se abastecia de frutos e iguarias típicos da quaresma. Quem não observasse os preceitos religiosos, amplamente arraigados, eram taxados de Judas. Nos chamados dias grandes, vivenciam-se os preceitos do Livro de Levítico. A mulher deveria evitar as relações sexuais, antes, durante, e depois da menstruação. O homem que deitasse com meretriz, ou que houvesse contraído gonorréia seria considerado impuro, e jamais deveria aproximar-se do altar, até que estivesse limpo. As crianças de até um ano deveriam ser levadas pra serem circuncidadas. As meninas em idade púbere, mantidas dentro de casa. Não podiam banhar os cabelos, nem aparar os pêlos. Ou ainda usar cosméticos, nos lábios e unhas, nem ornar a cabeça com diademas, nem usar colares e brincos nas orelhas. Afazeres domésticos só depois do por do sol, a portas fechadas. A poeira do piso deveria ser varrida para detrás da porta, nunca jogada fora. Os animais não exerceriam serviço algum no campo. O leite ordenhado da vacaria deveria ser distribuído entre os pobres da vizinhança. O cavalo, considerado um animal impuro, podia ser usado como transporte, apenas em caso de necessidade.

“Por volta de 1000 a.C. os israelitas viviam nas terras altas situadas a oeste do rio Jordão. Onde atualmente fica o território da Jordânia. Segundo os Livros Sagrados os israelitas dividiam-se em doze tribos, que viviam em constante rivalidade umas com as outras. Estas tribos teriam sido unificadas pelo rei Saul, que foi sucedido pelo rei Davi, que por sua vez foi sucedido pelo seu filho Salomão. Depois da morte de Salomão, dez tribos do norte se separaram e formaram o reino de Israel, também conhecido como reino da Samaria. A principal festa dos samaritanos é a páscoa, como manda a tradição, o sacrifício do cordeiro, seguindo as normas consignadas no capítulo 12 do Livro do Êxodo, são seguidores até hoje, do Pentateuco, os cinco primeiros livros da Bíblia.”

Santana do Ipanema, assim como a Samaria nasceu de doze tribos, que se desenvolveram a partir de três necessidades básicas: os mananciais de água, o cultivo da terra e a atividade pastoril. Seis delas: Pão de Açúcar, Olho d’Água das Flores, Poço das Trincheiras, Riacho Grande, Dois Riachos e Santana do Ipanema, se iniciariam às margens de cursos d’água. São José da Tapera, Olivença e Ouro Branco, a partir do cultivo de feijão, milho e algodão. Carneiros, Maravilha e Palestina, da criação de gado bovino, muares e caprinos. Apesar de unificadas, acabariam um dia tendo que se separar. Dentre as 12, Três dessas tribos, possuem evidências de serem herança da tribo de Judá(a.C.): A cidade surgida as margens do rio Ipanema, sobre a égide de Senhora Santa Ana, avó de Jesus Cristo, a cidade de Tapera, seria do pai terreno do Filho de Deus, São José. E Dois Riachos, ainda hoje sob o auspício da sua Santíssima Mãe, Nossa Senhora da Saúde. A presença de Jesus, por estas paragens, estaria evidenciada nesta narrativa.

“Assim, chegou a uma cidade de Samaria, chamada Sicar, perto das terras que Jacó dera a seu filho José. Havia ali o poço de Jacó. Jesus, cansado da viagem, sentou-se à beira do poço. Isto se deu por volta do meio-dia. Nisso veio uma mulher samaritana tirar água. Disse-lhe Jesus: “Dê-me um pouco de água”. (Os seus discípulos tinham ido à cidade comprar comida.) A mulher samaritana lhe perguntou: “Como o senhor, sendo judeu, pede a mim, uma samaritana, água para beber?” (Pois os judeus não se dão bem com os samaritanos.) Jesus lhe respondeu: “Se você conhecesse o dom de Deus e quem está pedindo água, você lhe teria pedido e dele receberia água viva”. Disse a mulher: “O senhor não tem com que tirar água, e o poço é fundo. Onde pode conseguir essa água viva? Acaso o senhor é maior do que o nosso pai Jacó, que nos deu o poço, do qual ele mesmo bebeu, bem como seus filhos e seu gado?” Jesus respondeu: “Quem beber desta água terá sede outra vez, mas quem beber da água que eu lhe der nunca mais terá sede. Ao contrário a água que eu lhe der se tornará nele uma fonte de água a jorrar para a vida eterna”. A mulher lhe disse: “Senhor, dê-me dessa água, para que eu não tenha mais sede, nem precise voltar aqui para tirar água”. Jo 4, 5-15.”

Fabio Campos

22 mar

0 Comments

ANÁSTACIA

Nem seria preciso dizer, o quanto é bom ouvir história contada pela mãe da gente. Lá na infância, ao pé da cama antes de dormir. Aquela época já o era. O tempo passou, eis que sentados lado a lado. Adulto no limiar da senilidade com muita serenidade. Outras histórias vir contar, não mais de trancoso, agora reais. Ainda mais prazerosas de ouvir. Olhando pra uma nesga de céu azul, através de uma área verde, que alumiava a sala de janta. Ela quis saber se já estávamos na quaresma. Confirmamos.

E passou a relatar o que contamos. Quando era menina, minha mãe sempre ia passar a quaresma no sítio. Alguns gêneros de primeira necessidade eram providenciados. Por volta de quarenta dias, a família ia pra velha casinha do Sítio Capim. Longe da cidade, iam pro retiro até que viesse a páscoa. Retornariam na semana Santa para acompanhar os ritos litúrgicos da igreja, a procissão do Senhor Morto, o santo Ofício com a Ladainha, a Missa do Lava-pés, a Via Sacra, a vigília do sábado da Aleluia. Os fiéis vivenciariam os sacramentos da Confissão, e da Penitência: do jejum, da oração, da caridade. A cor roxa no altar, nos paramentos do sacerdote, as imagens cobertas, tudo para lembrar o luto. Padre Moisés nos seus sermões lembraria aos fiéis que era tempo de renunciar a velhos hábitos. Diria pro sertanejo que a paixão, de nosso Senhor Jesus Cristo, significava tempo de renúncia. Tempo de pensar no sofrimento do redentor. Que tudo fez por nossa causa.

Meu avô Tomaz, era agricultor, pra complementar a renda, exercia a profissão de barbeiro. No verão, no meio da feira armava uma tolda, cortava cabelo, fazia barba, a maior parte da sua freguesia os matutos. No inverno ia pro sítio botar roça. No entanto, de inverno a verão, a vida era uma só, de tardezinha, depois da janta, ia pra porta de casa, pitava um cigarro de fumo picado. Depois, descia a rua, e na Pensão das Irmãs Ferreira, ia jogar baralho, até altas horas da madrugada. As irmãs Ferreira vieram de Pernambuco, tentar a sorte em Alagoas. Tinha freguesia seleta: a guarnição da polícia, o delegado, Seu Moreninho, o farmacêutico, os mascates vendedores de artefatos de couro, de calçados, e corda de caruá. Pela devoção que tinha ao padre Cícero do Juazeiro e a Frei Damião, na quaresma meu avô, suspendia o jogo de baralho, o aperitivo de antes das refeições. E não cortava cabelo, nem fazia barba pra ganho. Reduzir até que reduzia, porém não conseguia evitar o tabagismo. Sobre a confissão era radical, preferia ir até debaixo de um pé de juazeiro. Aonde ia confessar-se diretamente com Deus. Dizia que não precisava de intermediário pra confessar-se com Nosso Senhor.

Com o passar do tempo, meu avô resolveu abrir uma barbearia. Aproveitou um pequeno salão, anexo à casa de morada – bem ali, na Rua da Assembléia. Porque naquela Rua funcionava a Câmara Municipal – dividiu o espaço com outro barbeiro, chamado de Tibúrcio. Desde menina, e mesmo na juventude, minha mãe ostentava vastíssima cabeleira negra. Admirada pelas colegas e pela vizinhança. Diziam que tinha cabelo de índia, ainda mais pelo corte que meu avô lhe fazia. E proibiria severamente de cortá-lo, somente ele poderia, quando lhe aprouvesse aparar as pontas. Cortar jamais. Por essa época, aparava porque acreditava que a força da lua depois da páscoa faria aumentar de volume. Entre os dois amigos barbeiros, algumas coincidências minha mãe observou. Tibúrcio e Tomaz, os nomes dos dois começavam com “T”. Nas duas famílias haviam nascido inicialmente duas mulheres. Osvalinda e Aucantina, apelidada de “Tinô” na casa de Seu Tibúrcio. Dineusa e Maura na casa de Seu Tomaz. As esposas dos dois barbeiros ficariam grávidas, e tiveram ambas, filhos meninos. Rubens na casa de Seu Tibúrcio, e Dorival na casa de Seu Tomaz. Antes de partirem pro exílio quaresmal, algumas coisas iriam acontecer. Umas sérias, outras pitorescas.

Um dia antes de partirem, minha mãe foi encarregada de ir comprar pães. Afoita saiu de pés descalços, em desabalada carreira. Lá ia, pulando, dinheiro na mão. Como gostava de pão. Ao passar num imenso lajedo, no início da rua que ainda não tinha calçamento, teve a certeza de ter pisado numa cobra. De volta, buscou outro caminho temendo um reencontro com o réptil ofídio. Outro susto de idêntica monta, passaria ainda naquela mesma tarde. Ao chegar à porta de casa, meu avô vinha saindo com um sapo cururu na mão. Ora minha mãe sempre teve medo de sapos. Brincando, fez menção de atirar-lhe o batráquio. Não teve jeito, um grito horrendo estrondou pela rua, acabando por chamar a atenção de todos. Os policiais apreensivos saíram da delegacia. Dona Amância, minha avó, detestava escândalos, e reprovaria seriamente tal atitude de Seu Tomaz.

Na manhã do dia de partir pro sítio, por acaso Dona Amância descobriria que Seu Tomaz, andava de coito com uma quenga. Como descobriu? Foi assim: Dias antes, lá vinha minha vó, da roça, na cabeça um balaio, cheio de capucho de algodão e umas abóboras. A rameira, uma negra chamada de Anastácia, que morava naquela mesma rua. A sem-vergonha teve o atrevimento de pedir uma abóbora a minha vó. Sem saber do que ocorria lhe deu. De boca em boca o fuxico correu solto. Até chegar aos ouvidos de minha vó. A discussão foi feia. Nas raras ocasiões de desentendimento entre seus pais, minha mãe confidenciou que ficava muito triste. Seu Tomaz nada dizia, calava-lhe a consciência por estar errado. E dona Amância acabaria por cobrar-lhe: ”-O senhor trate de procurar o padre Moisés, se confesse de verdade! Pé de pau não perdoa pecado! Não quero um Judas dentro de casa.”

No exílio, minha vó revirando uma velha bolsa de tiracolo. Lá no fundo encontrou esta oração:

“Vemos que algum algoz fez da tua vida um martírio, violou tiranicamente a tua mocidade, vemos também no teu semblante macio, no teu rosto suave, tranquilo, a paz que os sofrimentos não conseguiram perturbar. Querida Anastácia: Eras pura, superior, tanto assim que Deus levou-te para as planuras do céu e deu-te o poder de fazeres curas, graças e milagres. Amada Anastácia, pedimos por…(aqui faz o pedido), roga por nós, proteja-nos, envolva-nos no teu manto de graça e com teu olhar bondoso, firme, penetrante, afasta de nós os males do mundo. Tudo que pedimos, pedimos por Nosso Senhor Jesus Cristo, na unidade do Espírito Santo. Amém.”

No verso da oração uma gravura com o rosto de Anastácia amordaçada, e uma breve biografia da mártir dos negros afro-descendentes. Considerada santa: “Da tribo dos Bantus, na longínqua África, foi trazida escrava. Por não possuir documento ganhou o nome de Anastácia. Negra, tão bela. Sua beleza causaria inveja as donzelas da corte. Quis saber que gosto tinha um torrão de açúcar, vista por um malvado feitor, que acusaria de ladra. Colocaram-lhe uma mordaça de couro que cobria a boca e parte do rosto. O filho de um fazendeiro caiu doente, e não tendo mais a quem recorrer, socorreu-lhe Anastácia, suas rezas e benzeduras, fez o rapaz ficar curado. Pelos castigos que sofria, nos ferimentos contraiu gangrena. Vindo a falecer desse mal. Teve direito a enterro de escravo alforriado.”

Aquele folheto estava agora em minhas mãos. Um dia fora da minha avó, que mal sabia ler. No entanto no fundo do coração, pediu a Deus, e a aquela santa que lhe desse paciência, e tirasse a aflição do seu coração, para que pudesse viver naquele ano, uma boa páscoa.

Fabio Campos

16 mar

0 Comments

CAUPOLICAN – 1974

O menino estava dormindo, abriu os olhos. Nove letras pretas, do tipo bastão, sob um fundo branco. A palavra na lombada do livro: Geografia. Já conhecidas dele, outra vez apresentava-se pra sua retina. Deu-se conta que estava na sala de aula. Permaneceu com a cabeça apoiada na carteira. Um fio de baba escorrera molhando-lhe a bochecha. A professora continuava a aula. O ventilador de teto, preguiçosamente girava a hélice. Duas moscas sobre as cabeças esvoaçavam traçando parábolas no ar. Verão de 1972.

Apoiou a cabeça pondo o queixo por cima das mãos sobrepostas. No alto da parede, próximo a campainha, o quadro com o retrato do general Emílio Garrastazu Médici. A faixa presidencial, o brasão da república sobre o peito. E tudo ficou preto e branco. Terno preto, rosto branco. Moldura negra, fundo branco. Lousa negra, gizes brancos. Birô negro, relógio de parede branco. Blusa da farda e meias brancas. Sapatos e bolsa escolar pretos. O cabelo, todos da sala tinham-nos bem penteados. Untados e cortados ao estilo militar. Por que o chefe da nação brasileira se mostrava tão sério? Seu olhar inquiridor, como se perguntasse: o que mais vocês querem que de mim? Já criei o PIS, o BNH. Estamos construindo a hidrelétrica de Itaipu. Em breve entregarei a ponte Rio-Niterói. Já está em andamento os serviços de construção da rodovia Transamazônica que ligará Santarém a Cuiabá. Pra acabar com o analfabetismo criei o MOBRAL. Os universitários terão oportunidade de explorar o país através do Projeto Rondon.

Ah! Já sei o motivo da insatisfação, talvez seja porque coibi veementemente as manifestações nas universidades. Dissidentes políticos e guerrilhas, reprimidas com mão de ferro. Não me diga que é o Ato Institucional número 05, o motivo da insatisfação? Aceito qualquer crítica, podem dizer que sou radical, em não reconhecer a UNE, e o MST. Porém não me compare a governos extremamente ditadores, como o de meu colega Fidel, ou de meu amigo Pinochet. Muito menos com o que faz Anástasio Somoza na Nicarágua. Quero que saibam duma coisa, todo povo tem o governo que merece. Denúncia de torturas, morte e desaparecimento de presos políticos atribuídos ao nosso governo. Sobre isso, o que tenho a dizer: que, muito do que andam dizendo não é verdade. Assim como Pilatos dou-me o direito de perguntar: mas o que é a verdade?

Monocromática sala de aula. Sentados dois a dois permaneciam os meninos. O silêncio quebrado unicamente pela voz suavemente melodiosa da professora. Ah! Dona Vanda, tão bonita! Como se fora uma fada com sua varinha de condão, o cabelo num rabo de cavalo gracioso, balançava pra um lado e pro outro, toda vez que ela gesticulava, ou apontava a anotação na lousa. Espádua alvíssima, ornada por belo colar de contas brilhantes. Mesmo que não quisesse, confiscava os olhos dos infantes. Ó quão cheiroso colo, de inebriar pobres coraçõezinhos, toda vez que se debruçava para verificar as lições nos cadernos. Vestida num gracioso tubinho que lhe desenhava as curvas. Cruelmente acabava a alguns centímetros a cima dos joelhos. O costureiro, músculo da coxa, sempre requisitado. Flexionava-se retesando o direito, ao tempo que relaxava o esquerdo. Aquela boca, aqueles lábios, aqueles dentes. De repente só havia aquela boca. Os incisivos alvos, cintilantes, como tabletes de chicletes prontos para serem degustados. Indo preencher pupilas intumescidas. Cílios molhados como de alguém que acabara de chorar. A língua sorrateira deslizando por entre duas palavras, indo tocar o lábio superior, tornando discretamente umedecidos… Ai que boca! Que boca professora! Os lábios de baton vermelho carmim. E falava e falava, sobre astros, estrelas, satélites, os nove planetas que compunham o sistema solar. E do céu daquela boca, luas alvíssimas. Lindas e nuas. E o sol? Por que a professora tinha que trazer uma estrela de quinta grandeza pra sala de aula? Ofuscou, esbaforiu, com seu calor sufocante fazendo transpirar por todos os poros. E veio a sede, e a vontade de urinar, tudo ao mesmo tempo. Um jato de adrenalina irrigando entranhas, estonteante doçura. Sonolência.

Dona Vanda continuava e sua aula espacial foi atingida por um asteróide. Caupolican – 1974 teria sido descoberto em 1968, pelo astrônomo Carlos Torres. Achou por bem passar a falar de História: Quem teria sido Caupolican? Perguntou em voz alta. Abrindo um livro amarelado. respondeu ela mesma: “- Caupolican foi um líder indígena chileno, que lutou contra as invasões espanholas, de depois do descobrimento. Após grandes feitos foi preso. Em 1558, foi executado em praça pública por empolamento. Um tipo de morte cruenta onde o condenado era obrigado a sentar-se numa estaca. E sofrer hemorragia pelo reto até morrer.”

Através da janela o menino olhou pra lá fora, um mundo pavorosamente ameaçador se havia. Um céu grotesco. Donde um sol quase apagado, tingia as nuvens de Lilás. E aviões de guerra sobrevoavam, bombardeando as casas. Soldados corriam para se abrigar em trincheiras e barricadas. Não entendia porque a professora, diante de uma situação tão caótica ocorrendo lá fora, permanecia passivamente ministrando sua aula. Como se nada, absolutamente nada estivesse ocorrendo. Isso talvez porque, de lá fora, nada se ouvia. Nenhum som vinha de lá fora, apenas imagens. O que estaria acontecendo?

De repente Aldo, o menino, se deu conta que a professora não mais estava lá. Distraído, em olhar lá pra fora, nem percebeu que toda a turma evadira. Não havia mais professora, nem seus colegas, só ele. Apreensivamente só. Enquanto lá fora, a guerra. Não podia continuar ali, precisava saber pra onde todos tinham ido. E tinha só nove anos. O que um menino como ele poderia fazer em meio a uma guerra. Ao sair pro pátio, encontrou alguns dos seus colegas. Indiferentes a hecatombe ocorrendo logo ali brincavam, de bola de gude, pega-pega, nos balanços. Nem um pouco preocupados, com as bombas, e mísseis que caiam. E provocavam imensa destruição, pavor e morte. Só a alguns metros dali. Os meninos sorriam. E se movimentavam com em câmara lenta. Tudo parecia muito real, exceto por um motivo, não havia som, estrondo das bombas, nada. Só a imagem, desesperadamente lenta.

Outra vez, Aldo Felix acordou. Estava noutra sala de aula, havia penumbra, um data-show, exibia um vídeo. Em questão de segundos, quatro décadas haviam ficado para trás. Instintivamente tocou-se. Temeu se encontrar no corpo de um menino de nove anos, indefeso, assustado diante duma guerra. Professor Aldo, talvez vivesse realmente aquele conflito internamente, lá no fundo no mais íntimo do seu ser. Permanecia tomado de tão forte emoção, de tão presentes recordações. O vídeo que passava pra seus alunos, referia-se ao discurso de uma chefa de estado, cujo partido teria sofrido repressão no período ditatorial do regime militar. Uma presidenta, em cujo país em breve ia ocorrer uma Copa do Mundo. Dizia: “-O que querem que eu faça? Por favor! Não aceito, que venham comparar nosso governo, ao do meu amigo lá da ilha de Cuba.” Sonhos, todos eles devem ter um significado. Por Deus, também este haveria de ter.

10 mar

0 Comments

O TESOURO PERDIDO

História de tesouro tem suas vantagens. A gente sempre vai quer saber, de onde vem, e no que vai dar. Pra isso, tivemos que ir a Porto da Rua, uma vila praieira, fundada na época do descobrimento. O vilarejo como que parado no tempo, tinha sua vida e história atrelada ao município de São Miguel dos Milagres, a quem sempre pertenceu. Acintosas construções seculares, sobre as placas sedimentares erguidas, dividiam espaço com rudimentares cabanas de pescadores. Tudo, tudo, que nos vinha naquele instante, irremediavelmente impregnado do cheiro de mar. E pra aonde quer que fosse a vista, os olhos haveriam de esbarrar no coqueiral. Com seus canelões encimados de buquês de palhas verdejantes. Sacudindo, pra lá e pra cá, maresia. Enquanto acenava pras espumas das ondas, que antes de morrer, beijavam com sofreguidão a areia da praia, do magnífico mar Atlântico.

São duas as versões de nossa história sobre o tesouro sumido. A primeira chegou-nos através da saudosa professora Durvalina Cunha Lima. Filha de família tradicional da cidade de Porto de Pedras, morava numa das casas mais bela da Rua Coronel Avelino Cunha. Nome de seu avô, um dos fundadores daquele lugar. A fachada era revestida de azulejos e cerâmicas em estilo lusitano. Um enorme portão de ferro pintado de branco acessava um pomar, com toda sorte de arbustiva. Cujos galhos mais audaciosos, debruçavam-se por cima do muro. De inverno a verão, a calçada ficava tinta de vermelho rubro, das pétalas de Acácias. E as carambolas maduras aguçavam os olfatos e paladares dos saguis, e dos meninos quando saía da Escola Municipal Professora Leonila Cunha Lima, logo ali.

Dona Durvalina, possibilitou dois locais para nossa conversa, no alpendre que ficava virado pro pomar, ou numa ante-sala. Donde dava pra ver, esplendor de decoração, diversos objetos antigos: armas, brasões de família, quadros, etc. no interior da casa. Optamos por este de cá. Naquela tarde prazerosa, ensolarada. Regada a chá verde e sequilhos fresquinhos, ouvimos atentamente a professora contar que, no ano de 1633, a Vila de Águas Belas, como então era chamada Porto de Pedras, era ocupada pelos portugueses. De onde provinha sua família, o que era evidente nas suas feições, na tez alvíssima, no sorriso largo, no jeito esmerado de falar, na entonação da voz. Tudo nela evidenciava sua origem luso-brasileira. Dizia que, no mês de maio daquele ano, a vila foi invadida pelos holandeses. A artilharia da esquadra, composta de dez naus, fez fogo sobre o povoado e conseguiu destruir diversas embarcações portuguesas ancoradas a lagamar. Os portugueses mantinham na foz do rio, quatro navios de defesa. Na desembocadura do rio Manguaba que acessava ao forte de Santo Antonio de Quatro Rios, a doze quilômetros dali. Hoje em dia chamada de cidade de Porto Calvo.

A população da vila tentou resistir com barricadas, sacos de areia na entrada do cais. Respondendo ao ataque com tiros de bacamartes bombardeio de canhões de médio porte. Porem o poder de fogo dos invasores era maior. Ao perceber que estavam perdidos, os moradores da vila atearam fogo nas próprias casas, e fugiram mata adentro. Um desses moradores, o bisavô de dona Durvalina, o senhor Joaquim Ferraz de Lima, era dono do engenho de cana, Mata Redonda. Conseguiu fugir com a família, mulher e três filhos pequenos. Com a ajuda de dois escravos, três mulas, e um cavalo, levou o que pode: arcas cheias de dobrões de ouro, muito dinheiro, e diamantes. Ao chegar à base de um rochedo banhado por um Arroio chamado de Patacho, se abrigaram. Afastando-se donde tinham se arranchado, Senhor Joaquim foi até a um local onde só ele ficou sabendo, enterrou os baús com os diamantes e os dobrões de ouro. De volta ao local onde deixou a família e os escravos, levantou acampamento, e partiram dali pro engenho. Muitos anos depois, Senhor Joaquim retornaria para resgatar seu valioso despojo. Acontece que já muito velho, e desorientado, o usineiro não conseguiu mais localizar os recursos enterrados. Vindo a falecer sem conseguir recuperar o tesouro. A família teria feito muitas expedições e escavações, porém sem nenhum sucesso.

A outra versão, também foi contada por outra professora, Dona Belmira Conceição Lins. Na verdade esta, foi a primeira história que ouvi sobre o tesouro perdido. Recordo de quando cheguei a Porto de Pedras para lecionar a alunos do ensino fundamental, no Grupo Escolar Ciridião Durval. À época, a escola era um prédio velho, carecido urgente duma reforma. Cheguei de ônibus vindo de Maceió. Por volta das três das tarde, desci bem em frente ao educandário. Trajado em calça jeans, camisa de meia, dirigi-me a Diretoria. Um crucifixo pendurado no pescoço, mochila às costas, e alpercatas de franciscano nos pés. Isso faria com que comentassem que um novo padre havia chegado à cidade. Dona Belmira era a solicitude em pessoa. Uma velha senhora negra. Pra mim, era como se materializasse ali na minha frente, uma personagem de um filme americano do Alabama ou Mississipi, dos anos 60. Depois de alguns meses já éramos tão amigos, que sempre que eu tinha um tempo disponível, ia até sua modesta casa na Avenida da Praia, em frente ao campinho de futebol. Sentados à porta olhando pro mar, conversávamos sobre tudo na vida. Dona Belmira tinha uma pequena biblioteca. Donde tive a oportunidade de ler toda a obra de Graciliano Ramos, pegando emprestado de seu acervo. Um dia, Dona Belmira deu-me de presente uma bíblia.

Era toda grande, de capa dura, de letras grandes. Com um detalhe, não era nova. Confidenciou-me que havia adquirido numa feira de livros, promovida pela escola. Não por acaso, encontrei no início do livro de Eclesiastes, um quadrado de folha de caderno. No pedaço de papel amarelado, de tão velho, tinha umas anotações escrita a bico de pena com tinta nanquim: “Cap. 01” vs, 04’-08’; Cap. 05” vs, 09’ – 14’ Joaquim Leão de Vasconcelos – 04 de maio de 1634. Engenho de Dentro.”

Dona Belmira relatou sua versão do tesouro escondido na floresta, nunca encontrado. Os fatos, apenas pareciam. Os usineiros homônimos possibilitava a confusão. No entanto os acontecimentos eram distintos, bem como os tesouros extraviados. Senhor Joaquim Leão, fugiu com a família, do vilarejo de Santo Antonio de Quatro Rios, que ficava ao lado do forte de igual nome. E foi se instalar com a família, nas imediações de Porto da Rua, fundou a usina do Engenho de Dentro. Com medo de ser pego pelos batavos, enterrou seu tesouro numa catacumba do cemitério da Vila de Nossa Senhora Mãe do Povo. Voltando muitos anos depois pra desenterrar. Porem tantos túmulos novos haviam, e os que já existiam, tinham passado por tantas reformas, que se tronou praticamente impossível encontrar o local exato. Dali por diante tornou-se comum, encontrar o velho Joaquim, altas horas da noite, andando a cavalo totalmente bêbado, despido. Indo pela estrada que levava ao cemitério da vila de Porto da Rua. Pra finalmente encontrarem seu corpo nu, jazido em decúbito dorsal sobre o túmulo do vigário Belo, no alto do Cruzeiro. Há quem diga que tinha visões com o padre que prometia lhe indicar onde o tesouro se encontrava, caso se arrependesse dos pecados. Segundo Dona Belmira aquela bíblia pertencera ao senhor Joaquim Leão.

E só por acaso, imaginei que aqueles capítulos e versículos do livro do Eclesiastes, poderiam ser algum tipo de coordenadas, que pudesse indicar onde estaria o tesouro perdido. Tantas covas contando do primeiro quadrante, na fileira número quatro, a oitava catacumba. Ou talvez dissesse apenas o que está lá no livro sagrado: “Vaidade das vaidades! Tudo é vaidade!” “A vista não se farta de ver, o ouvido não se sacia de ouvir.” “Quem ama o dinheiro nunca se fartará. Quem ama a riqueza não tira dela proveito.” Ecl. 1-4; 5-9.

Fabio Campos

14 fev

0 Comments

O ENIGMA

“Uma lenda sobre a fundação de Santana do Ipanema”

Era uma vez, três irmãos, Frederico, Lutero e Pedro. Três donatários de terras remanescentes, que se estendiam desde a serra do Ororubá na capitania de Pernambuco, até a freguesia de Porto da Folha, sob a égide de Nossa Senhora da Conceição, as margens do rio São Francisco. Pois bem, esses impávidos desbravadores viviam conforme as vicissitudes de que suas terras lhes propiciavam. Frederico, pecuarista, tirava o máximo de proveito da região de clima ameno, no alto sertão, onde assentou moradia. Lutero, agricultor, vivia alternadamente períodos de fartura e escassez, devido à região que ocupava o médio sertão. E Pedro a despeito de ocupar as margens do “Velho Chico”, era pescador, vivia da pesca.

Frederico praticamente nascera encima dum cavalo, sua mãe, mesmo na sua gravidez, já perto do menino vir ao mundo vivia nas caatingas do sertão, na lida com os bovinos. Mulher destemida, laçava, derrubava e ferrava boi no mato. Separava as novilhas que já estava em época de pegar cria. E conhecia as características dos garrotes com capacidade de cobertura. A vaca boa de leite, sabia que não era a de carcaça cheia, volumosa. Vaquinhas leiteiras eram as magrelas, pois tudo que comiam era pra transformar no precioso líquido lácteo.

Touro era tratado no capricho, garantia de boas coberturas. Rebanho bom era rebanho manso, que bovinamente pastava no cercado. Ora contido no curral, ora na canga do carro gemedor, ou ainda sulcando a terra no bico do arado Tudo isso Seu Frederico aprendeu na vivência com os servis bubalinos. Se quiser saber quem é que acorda o sertão pergunte ao vaqueiro. Quem pensar que são as aves, a pipilar, ou o galo com seu despertador có-có-ri-có, ou mesmo o bezerro mugindo a desmama, no curral, está enganado, quem acorda o sertão é o vaqueiro. E a boquinha da noite, todos se reuniam no alpendre, e rezavam uma reza, que pedia a Deus proteção, para os bois de arado, que não houvesse ali cavalo desertado, nem naquela casa morresse mulher de parto. Um dia Seu Frederico teve um sonho, muito parecido com aquele que o faraó teve lá no Egito, narrado nas escritas sagradas.

Seu Frederico sonhou com sete vacas gordas, e sete vacas magras, e sete espigas de milho. Só que, ao invés das vacas magras engolirem as gordas, aparecia um touro brabo, dez vezes maior que as catorze vacas, e investia contra eles. Bem cedinho, no raiar do dia, foi até o curral, e algo incrível ocorreu, um dos bois, o mais velho, começou a falar com Seu Frederico, com sua voz de boi velho e cansado, ele disse bem assim: “-Seu Frederico, eu sei o significado do seu sonho, porém só contarei se o senhor prometer me soltar na mata, pra que possa viver livre o resto dos meus dias.” Seu Frederico concordou. Então ele continuou: “-As sete vacas gordas que o senhor viu no sonho é o senhor com sua propriedade. As vacas magras é seu irmão Pedro pescador, com suas posses. As sete espigas, o seu outro irmão Lutero, o agricultor. O touro brabo que investe contra vocês é o poder do império, os três precisam se unir para não perderem o que tem.”

Lutero o agricultor, puxou a seu velho pai, amava a terra. Desde pequeno acompanhava a lida do campo, tinha consigo ensinamentos conservados do velho patriarca da família, que lhes ensinara os preceitos do Padre Cícero do Juazeiro, que dizia: “Não derrube o mato, nem mesmo um só pé de pau; Não toque fogo no roçado, nem na caatinga; não cace mais, deixem os bichos viver; não crie boi nem bode solto, faça cercado; não plante de serra à cima, nem faça roçado em ladeira muito em pé; deixe o mato protegendo a terra; faça cisterna no oitão de sua casa para guardar água da chuva; represe os rios de cem em cem metros, ainda que seja com pedra solta; plante cada dia, pelo menos um pé de algaroba, caju, sabiá, ou outra árvore qualquer; aprenda a tirar proveito das plantas da caatinga, como maniçoba, favela e jurema; tudo isso pode lhe ajudar a conviver com a seca.” E procurava seguir à risca o decálogo Ciceriano, sempre, sempre que podia. Bem como outras práticas que só quem vive vida roceira conhece. Controlar o registro da máquina de plantar pra deixar cair a quantidade certa de grãos de milho e feijão, por cova. No plantio da palma fazer com que a raquete ficasse com a face voltada pra sol nascente de um lado, e poente do outro. Regular bem o caititu pra descascar a mandioca. Repreender os pequenos quando descobriam entre a ramagem uma melancia ou abóbora, pra não apontarem com o indicador, senão os frutos paravam de crescer. E como gostaria de entender porque um pé de abacate só dava frutos se estivesse ‘olhando’ pra outro pé. Seu Lutero era homem sensato, fazia cilagem pra enfrentar os períodos de estiagem. Armazenava grãos nos vasos, e no dia da armazenagem, sabe-se lá porque, não podia ter mulher ‘naqueles dias’, ajuntando os grãos. E temente a Deus destinava a paróquia de sua igreja o dízimo de sua colheita. E quando era de tardezinha todos se reuniam embaixo do telhado, os homens tiravam os chapéus da cabeça e agradeciam a Deus, os frutos da terra. Um dia, Seu Lutero foi olhar umas armadilhas que colocara pra pegar preás, e encontrou uma nambu, enroscada na rede. Algo incrível ocorreu, a pequena perdiz, começou a falar com Seu Lutero. Disse-lhe que se ele a soltasse contaria um segredo, o camponês concordou. E a ave falou da ameaça que pairava sobre os três irmãos, que ele procurasse ir ao encontro dos outros. E ele assim procedeu.

Pedro tinha uma particularidade, só ia pescar, depois de consultar em que fase se encontrava a lua. Era ela, a mãe lua, que ditava os dias bons pra pesca. Fosse com rede de arrasto, que pegava peixe graúdo, Ou que dias de tarrafa, que trazia peixe miúdo. Os dias do jereré traziam camarão, e pitu. Do terreiro de sua casa dava pra ver o rio. O amanhecer ali era algo divino, contemplar as águas se acordando vindo encher os olhos. O sol se espreguiçando, lavando o rosto, se olhando no magnífico espelho d’água. E o rio amava o homem, que amava o rio. E era um amancebo tão sincero que se despiam um para o outro, sem pudores. E como se amavam. Tanto, a ponto de se sentirem um só, rio e homem. Um dia, melhor dizendo num cair de tarde, Pedro estava pescando com vara, sentado na barranca. E fisgou um peixe enorme, que de tão grande quase arrebenta a linha. Ao trazê-lo pra si, o peixe começou a falar, pedindo que se o pescador o soltasse lhe revelaria um segredo. Teria lembrado a Pedro um sonho em que ele, feito o profeta Jonas da Bíblia, fora engolido por uma baleia. Orientou que procurasse seus outros dois irmãos, e assim iria entender o que significava. Segredo revelado, o peixe foi solto.

E eis que os três irmãos se encontraram. De comum acordo decidiram ir à presença do rei, para saber se realmente havia interesse da parte daquele, de retomar suas terras, ou que outros planos o monarca arquitetava para com os três irmãos. Em sua presença revelariam os sonhos, os casos dos animais falantes, os segredos revelados. Na manhã do dia 02 de outubro de 1789, no porto de São Vicente, da capitania de igual nome, Frederico, Lutero e Pedro, decididos, viajaram em busca de se encontrar com o rei. A bordo do navio “Albatroz” sob o comando do almirante Francisco de Paula partiram em direção a Europa, foram ter com o rei que se encontrava numa reunião importante na França, dias depois da revolução.

Diante dos três, na presença de toda a corte, o rei disse o seguinte: “-Realmente, eu estava pretendendo retomar as terras devolutas daquela sesmaria. Por considerar que nenhum retorno trouxe até então, pra Coroa. Porém tenho uma proposta, farei a cada um de vocês uma pergunta se responderem acertadamente, voltarei atrás com meu plano, deixando tudo como está. Caso todos errarem, já sabem, levarei avante meu plano.” Pedro adiantando-se confabulou “-Digníssimo rei! Na minha humilde opinião, acho justo que caso, pelo menos um de nós acertemos uma de suas adivinhas, sejamos também merecedores de inquirir também o rei num enigma. Concorda?” O rei achou sensato. E tudo ia sendo transcrito pelos escribas. E o rei perguntou ao primeiro, dos irmãos: “-Que mulher sendo pequena na terra é grande no céu?”

Frederico respondeu: “-Maria, a mãe de Jesus Cristo!”. “-Errou!” disse o rei: “-Ana, seria a resposta certa. Ana, no céu e profetisa, na terra por conta de um acento, vira anã!” “-Que montaria é digna de um rei?” foi a pergunta dirigida a Lutero. “-O cavalo!” respondeu. “-Errou também. O jumento, foi a montaria que o rei dos reis, Jesus Cristo, usou quando entrou em Jerusalém!”

Finalmente a pergunta a Pedro: “-Responda-me: O que é, que mesmo sem sair do lugar, pode nos levar a lugares distantes?” E Pedro respondeu: “-Ó nobre monarca! Achas que irei responder o pensamento. Mas a resposta certa é o rio.” “-Oh!

Muito bem!” disse o rei. “-Afinal há alguém inteligente aqui! Pois bem meu rapaz agora chegou sua vez, pode fazer a sua pergunta!” Pedro então disse: “-Ilustríssimo imperador, quero primeiro dizer que esse enigma encerra uma terrível maldição, caso vossa alteza não acerte se transformará imediatamente num bicho!” O rei ficou aflito, no entanto não podia voltar a trás. E Pedro perguntou: “-O que é, o que é seu rei, que lhe pertence porém os outros usam mais que vossa senhoria?” O rei pensou, pensou, e finalmente disse: “-Ora! É o meu palácio!” Pedro esclareceu: “Não majestade! É o seu próprio nome.”

Imediatamente o rei, diante de todos se transformou num horrendo lobisomem, que fugiu dali pra montanhas. E Pedro daquele dia em diante, por sua arte em decifrar enigmas, ficou conhecido por Pedro Malasarte. Os irmãos retornaram a sua terra, decididos a prosperar. Fundariam uma vila que teria Senhora Sant’Ana como padroeira, um rio remanescente, e o jumento seria homenageado em praça pública.

05 fev

0 Comments

O Medalhão de Ouro

Houve uma tarde, dessas em que um céu se havia em todo seu esplendor. E o silêncio de Deus vinha vindo e pairava sobre toda criatura. E o sol naquele instante dava de chegar, ao mesmo lugar do dia em que Jesus expirou no alto do madeiro. Mas somente aos espíritos elevados era permitido perceber isso. Visto assim o mundo parecia experimentar o preâmbulo da consumação dos tempos. Foi num momento como esse, que um táxi parou na porta do abrigo São Vicente de Paulo. Mais uma idosa acabava de chegar pra compartilhar um dos cômodos junto aos demais internos.

Assentado num barranco, de barro vermelho, no início da Rua São Vicente. Ao sopé do serrote do Pintado, pelo lado Sul, o Asilo para idosos São Vicente de Paulo, é uma construção de linhas simples. Um único bloco, retangular, ornado de janelas na parte externa. Na parte de dentro, um enfileirado de pequenos quartos, guarnecidos de varanda, com caída d’água pra um singelo pátio descoberto, ornado de plantas. Em tudo lembrando um pequeno convento. Ao entrar ali, os olhares convergiam pra capela e o refeitório, estrategicamente localizados. Onze almas de senis cristãos viventes, por aqueles dias, encerravam parte daqueles cômodos. Sete mulheres e quatro homens. Feitos passageiros, de uma nave chamada tempo, estranhamente navegavam, sem saber dia nem hora que iriam desembarcar. A cada quarto, camas de velhos colchões, uma pequena cômoda, um filtro de barro, um copo num pires. Um banheiro igualmente simples, com uma pia, um pequeno espelho quadrado. Um sabonete um rolo de papel higiênico, um lixeiro, um penico de estanho. Invadindo as narinas, forte cheiro de desinfetante, como se a dizer às moscas que ali não eram bem vindas. Porém insensíveis a tal informação, esvoaçavam e iam pousar onde bem entendiam. Em todos os cômodos uma característica comum, as malas dos seus ocupantes pareciam preparadas, prontas pra viagem.

Apoiando-se no braço da zeladora da instituição como se a muito a conhecesse, lá vinha dona Aureliana Feitosa, se deixando ser conduzida pela passarela. Acabava de chegar a décima segunda tripulante, da nave de gastar tempo. Tempo restante de vida. O chofer do táxi, um negro de boné bufante, as seguia levando a surrada malinha de couro preta, contendo tudo o que a velha senhora possuía. O jardim, as Cássias e espadas de São Jorge em rubro e verde tornado. As paredes pintadas, os telhados nada atraía a atenção, da nova hospede. Como se a única coisa que interessasse, naquele momento fosse apenas ir pelo passeio. Não se dava conta de que pra onde estava indo, não havia volta, não havia saída. Se quer dava-se ao trabalho de lançar um olhar aos demais idosos. Dali pra frente seus companheiros de viagem. Relegados ao ato de existir, era hora de estar ali e esperar, e esperar. O traje da tripulação, roupas de dormir. Como se numa máquina de sonho. E sob uma sonolência se permaneceriam, donde só deveriam acordar, quando chegasse o dia do desembarque, assim viviam. Os homens, sentados nas camas, nas cadeiras de balanço dos alpendres, se ocupavam com coisa alguma. Deles, deitados dormiam. As mulheres preferiam conferir os pertences das suas malas, dobrar roupas. A presença de estranhos, a chegada de uma nova companheira de viagem, nada atraía sua atenção.

Dona Aureliana foi conduzida pra um quarto onde havia duas outras mulheres, Benedita e Vicentina. Chegando ali, foi logo perguntando pela mala de sua irmã Clotilde. É preciso esclarecer que dona Aureliana vinha duma tradicional família de pecuarista. Seus pais era dono de uma das maiores propriedades rural, dos tempos em que a cidade ainda era vila. Aureliana tivera seis irmãs. E todas as sete se deram em casamento, constituíram famílias e envelheceram. À medida que iam ficando viúva, iam sendo conduzidas pelos netos e parentes, para o Asilo São Vicente onde permaneciam até morrer. Fazia apenas alguns meses que Clotilde havia morrido. Acontece que tem a história de um relicário, um medalhão de ouro, valioso, porém amaldiçoado. Aureliana botou na cabeça que o colar desaparecido, estaria ali, entre os pertences de sua falecida irmã Clotilde.

Pra contar a história do colar misterioso, vamos ter que voltar um pouco no tempo. Embrenhar-se na caatinga, ir até os idos de 1936 no sertão alagoano. Saber do cangaceiro José Benedito, conhecido na bandidagem, pelo apelido de “Zé Preto” que mantinha um caso com a cangaceira Rosemêire apelidada Sinhazinha. Essa parelha de crias do cangaço, em determinado ataque a fazenda Grota do Pombal, localizada nas imediações da Vila Entre Montes, às margens do “Velho Chico”, degolou friamente o casal de donos da fazenda. Antes de matar a mulher do fazendeiro, subtraíram-lhe um colar de ouro. Uma praga, um mau agouro foi rogado. Na agonia de morte a mulher teria lançado a maldição, do qual ela própria se dizia vítima, que passasse para quem se apossasse daquele colar. Sem entender do que se tratava a cangaceira passou a usar a jóia. Não demoraria muito e a Sinhazinha deu-se em coito com outro cangaceiro, Ao descobrir a traição “Zé Preto” matou o cabra safado que havia se deitado com sua companheira. A maldição havia se cumprido.

Como o colar teria ido parar nas mãos das irmãs Feitosa, é outra história. “Zé Preto” e Sinhazinha acabaram presos pela tropa de soldados do 3º Pelotão da Polícia Militar de Alagoas, cujo quartel ficava na cidade de Santana do Ipanema. Os despojos dos cangaceiros, armas, munições, a tal relíquia de ouro amaldiçoada, entre outras jóias. Tudo foi parar em cima do birô do comandante da brigada. O Coronel Albuquerque, na ocasião era amante justamente da mulher que um dia seria a mãe das irmãs Feitosa. Num de seus encontros amoroso teria presenteado-lhe o colar, o que implicava em perpetuar a maldição.

Dona Aureliana não encontrou a relíquia entre os pertences de sua irmã. O que incluía uma quantidade considerável de bonecas e calungas de pano. E esse mundo de meu Deus vagou, e vagou pelo mar do céu profundo. Feito a arca do dilúvio, a nave terra. Um dirigível tendo acoplado um bojo, o asilo, tripulado pelos anciãos do São Vicente, continuava sua viagem. Dias e dias, entremeados de noites se passaram. Um dia, melhor dizendo, uma tarde, parecida com aquela do início de tudo, em que Noé esperava um sinal de terra firme. E Dona Vicentina vislumbrou na imensidão do céu, uma pomba branca que vinha. Observando melhor viu que se tratava de um cavalo alado. Se destacando entre o azul vespertino, um alvo equino varão, feito nuvem, veio vindo. E se fazia montado por um homem maduro, de cavanhaque, trajado em vestes pretas.

“-Padre Vicente! O Senhor veio me buscar? Minha mala já está pronta! O senhor trouxe a coroa de ouro da rainha Margarida? E meu noivo, o rei Henrique da França, está esperando pra casar comigo? Vou me casar com o rei! Vamos ter quatro filhos: Três meninos e uma menina! Olhe essa boneca padre! Eu ganhei de Clotilde. Eu guardei pra dar a minha filha, que terei com o rei! Vamos padre! O seu cavalo, está machucando a grama do jardim!” Vicentina aos berros esbravejava, o que a um observador comum parecia um monólogo. No entanto se referia a um interlocutor não visível aos demais, e ele estava lá. Se Vicentina conseguisse viver aquele sonhado conto de fadas, seria interessante que não presenteasse sua filha com aquela boneca. Pra não acabar levando pro seu régio matrimônio, a maldição do colar, encerrado e costurado por Clotilde, nas entranhas da boneca.

24 jan

0 Comments

Mil dias mais velhos

A vida reserva-nos tantas surpresas. Delas que serão boas, agradáveis de sentir. Outras nem tanto. De repente lá estávamos no corredor do hospital. Minha mãe, acometida de mal súbito, no alto dos seus oitenta e sete anos, pregava-nos mais um susto. Fui encontrá-la, sentada numa daquelas macas altas, de rodinhas, com a qual teria dado entrada ali. Trajada na esverdeada e inconfundível indumentária de paciente. Ainda mais surpresa com nossa presença, perguntava onde estava, e o que teria acontecido.

Um médico realizara os procedimentos padrão, já lhe havia administrado medicamento, no momento recebia soro via intravenosa. Com o auxílio de um enfermeiro, foi transferida pra uma cama. As manivelas sob o lastro foram manipuladas, e uma posição mais confortável teria sido conseguida. O estresse causado pelo mal, o cansaço por tudo que acabara por alterar sua rotina e dali a pouco, mamãe dormia. Já passavam quarenta minutos da meia noite quando cheguei ali. Fiz questão de consultar o relógio do celular, pra ter ideia de quando, e como tudo havia ocorrido.

Deitada na cama, em decúbito dorsal, olhos serrados, respiração compassada. Vista assim, minha mãe parecia dormir tranquilamente. Seríamos seu acompanhante por aquela noite, teria a noite inteira pra ficar ali, olhando pra ela. O cabelo branquinho combinava com os forros da cama, com as paredes do ambulatório. Dizem que quando estamos perto de morrer, algum de nós, consegue perceber a aproximação da morte nas feições do moribundo. Como se a gente ficasse com aspecto elevado perto de morrer. E uma aura nos preparasse para a transição pra outra dimensão. Talvez fiquemos com a cara de quem já está mais pra lá, do que pra cá. Alguém chamaria de sexto sentido. No entanto algo me dizia que não perderia a minha mãe naquela noite. Senti-me aliviado por estar invadido daquele tipo de pressentimento. Confortava-me o fato de sentir que não seria aquele, o momento de perdê-la. Na sala de Observação onde nos encontrávamos três outras pacientes do sexo feminino ocupavam outros leitos. O que me fazia sentir deslocado, intruso. Não demoraria e a Assistente Social esclareceu que não poderíamos permanecer ali. Teria que ficar no corredor, pelo fato de eu ser homem, para evitar constrangimentos. Permitiu-me, vez outra, dar uma olhada, porém permanecer ali, não podia. Entendi perfeitamente.

O corredor. Não sei se existe nada tão real e cruel quanto um corredor. Ainda mais de hospital, quando sabemos, obrigado a permanecer ali por longas horas. O silêncio parecia algo palpável. Tênue luz fluorescente iluminava o piso, as paredes, os acentos, as ideias. A frieza do ambiente a tudo gelava. Congelados os pensamentos, esterilizados os sentimentos. Canos vermelhos, do sistema contra incêndio, sequestravam o tempo todo nosso olhar, lá pro teto. Frios adesivos, em letras pretas, sérias, colados ao lado das entradas, informavam os nomes das dependências: “Observação Feminina”, de um lado. “Observação Masculina”, do outro. Milhares de vezes meus olhos, minha mente interpretariam aquela informação. Pela repetição, ler aqueles adesivos se tornou uma coisa maquinal. Ponderei que o melhor seria preencher a mente com outra coisa. Não havia muito em que pensar. Resolvi rezar. O terço que trazia no bolso, veio parar na minha mão. Pensei: que dia seria aquele? Quarta-Feira? Dali uma semana ela estaria completando idade nova. Quarta-Feira dia de recitar os Mistérios Gozosos talvez. Iniciei o rosário da Virgem Santíssima. Outros pensamentos se infiltravam no meio das Aves Marias e Pai Nossos. Por que era tão difícil manter a concentração? Se não tinha muito em que pensar?

Fui ver como estava minha mãe. Permanecia dormindo. O frasco de soro tinha secado, e já havia sido substituído. O enfermeiro ligou um aparelho em que uma espécie de presilha prendida a um dos dedos da mão, emitia um som, compassado, característico, parecia acusar os batimentos cardíacos. Pareceu-me regulares. Esvaiu-se a apreensão. Outra paciente iniciou um gemido de dor. Parecia uma dor leve, comportada. Fez-me lembrar uma triste cantiga de ninar. Triste cantiga de acalentar bebê, do tempo da infância de minha mãe. Olhei para além das janelas, lá fora permanecia escuro. Demoraria ainda a amanhecer? O relógio na parede, insone, cara redonda e branca, de bigodes pretos, dissera que sim. O enfermeiro prestativo ia executando seu serviço, com discrição. Só não se tornando invisível aos nossos olhos, devido nossa curiosidade. Verificou a pressão da paciente que gemia, auscultou o coração. Inconsciente a mulher pareceu aliviada. A luz foi apagada. A sala de “Observação Feminina” envolvida pela penumbra, iluminada apenas pela luz que vinha da porta. Acostumados, os olhos conseguiam ver as silhuetas das pessoas inertes, deitadas nas camas. A infância de minha mãe viera-me com veemência. Fui encontrá-la sentada na porta da casa materna. Nesse tempo ainda brincava de calunga. Talvez não tivesse ainda treze anos. Com três pedrinhas que chamava de “bois” ia jogando para cima, e fazia passar uma a uma, entre os dedos, indicador e polegar, que imitavam um portal, no chão de cimento. Eis que lá pela rua viam uns homens, o delegado, um soldado, o farmacêutico, um vendedor de calçados e o padeiro. Iriam até lá adiante, almoçar na pensão que ficava naquela mesma rua. Ao chegarem à frente da casa daquela menina, que um dia seria minha mãe, o soldado comentaria: “-Que morena bonita! Não é João?” João nada respondia. Era o padeiro, que um dia seria meu pai.

A mulher que sentira dor piorou. Teve convulsões, tosse, dificuldade pra respirar. A filha que a acompanhava desabou em um choro, que tentou conter, sem conseguir. Enfermeiros transferiram-na pra maca de rodinha, levaram-na. Segui-os com os olhos, era bem provável que a estivesse levando pra U.T.I. Demorei-me por mais um bom espaço de tempo, sentado no banco do corredor. Fui até lá adiante, onde havia um bebedouro. Tomei água, fui ao banheiro. O espelho mostrou-me um cara estranho que em nada lembrava eu mesmo. Já me acostumara aquilo, acontecia a cada novo espelho, um eu diferente. De volta, encontrei no corredor a filha da paciente transferida. Perguntei por sua mãe. Sabia apenas que estava no Tratamento intensivo. Com um aceno quis dizer-lhe que torcia por melhoras.

Cinco anos se passaram desde que a mulher entrou na U.T.I. e mais um encontro meu com o passado de minha mãe. Agora com dezoito anos, iniciara um namoro com o padeiro João. Terezinha, a vizinha, aconselharia minha avó a deitar cuidados naquelas meninas. Achava que estavam indo mais vezes a igreja. E que isso talvez fosse pretexto pra ir ver os namorados. Um dia minha avó foi à procura de minha mãe na pensão onde João almoçava, pois as filhas da dona da pensão eram amigas de minha mãe. Ao ouvir a aproximação de minha avó, minha mãe escondeu-se atrás dumas esteiras de Peri-peri, encostada numa parede. Minha avó percebeu, descobrindo-a no esconderijo repreendeu-a, na frente do namorado, que ficou sem jeito. Dias depois desse episódio, Seu João, faria uma visita à casa da suposta namorada. E ensejando a ocasião, solenemente pediu a mão da minha mãe em casamento. Tomaz meu avô, achou por bem perguntar a minha mãe se ela aceitava aquele pedido. Pedido aceito.

Quando o dia amanhece tudo fica diferente. Dentro de um hospital não apenas as pessoas, coisas também acordam. O silêncio e a penumbra foram se amasiar no quartinho da faxina. A usina da saúde se transfigura. Transmutada numa intensa movimentação de trabalhadores anônimos. Os que adentram ao hospital passam a ser seres identificados apenas pelos seus crachás e uniformes. Aguardamos o médico que tomaria conhecimento do estado de saúde das pacientes. Minha mãe foi julgada como merecedora de receber alta. Providenciamos um jeito de sair o mais rápido dali. E voltar pra casa, ao menos uns mil dias mais velhos.

20 jan

0 Comments

Carpe Diem

Jorge nascera num tempo em que as mães tinham seus filhos em casa. E ficaria muitos dias de resguardo em cima da cama. E mãe e filho receberiam os cuidados de uma ama. E se a mãe não tivesse leite, a ama amamentaria. E todo fim de tarde, Seu Joaquim o farmacêutico viria visitá-los. E lá na sala lhe seria servido chá com sequilhos fresquinhos feitos por sinhá Tonha, uma preta velha que viera do sítio Mulungu pra cuidar da cozinha. E o velho Quincas comentaria sobre o calor daqueles dias de verão, pois os homens naquele tempo ainda andavam de terno, chapéu de massa na cabeça, e deles que usava bengala. Antes de ir embora receitaria Água Inglesa, pra cólicas intestinais da mãe. E chá de Camomila para que tivessem sono tranquilo. E se recuperariam fortes e saudáveis, pois teriam os cuidados necessários. Além do que, filhos varões eram mais esperados e respeitados, no seio de família como aquela que tradicionalmente vivia da agricultura.

Esta talvez seja história que fale de bem viver. E de que no ato de viver devemos tentar tirar o máximo de proveito. Buscar valores que nos são passados de geração em geração. E de que a herança maior que recebemos, não são coisas, nem objetos. Mas o que herdamos dos nossos pais. Os valores morais, os traços físicos, as afeições cultivadas em família, ao longo da existência terrena. Portanto a família em que Jorge nascera cultivava como valor primordial a união entre os pares. Uma modesta casa na cidade, e uma propriedade denominada Sítio Mulungu, incrustada no meio da caatinga eram os bens que possuíam. A cada ano, quando se aproximava o inverno, os membros do clã viravam camponeses e iam preparar a terra. As culturas consorciadas, milho e feijão, pra subsistência. Palma e algodão de reserva. Havia pasto pra mantença de um pequeno plantel de bovinos, e algumas poucas cabeças de gado miúdo. A demais era divino, dos céus aguardar que viessem as chuvas.

A casa da cidade era confortável. O mobiliário, apesar de antigo, bastante conservado, verdadeira relíquia. As paredes, revestidas de fotografias de toda herdade, em várias fases das suas vidas: bebês, jovens, e adultos. A cozinha da mãe de Jorge dava gosto de ver. Havia um belo bufê cheio de taças de cristal e xícaras de porcelana com paisagens bucólicas medievais, que fora herdado de sua avó materna. Havia uma mesa enorme de seis cadeiras de madeira maciça, muito pesada, herança do avô paterno. A principal parede daquele cômodo era ornada com o quadro em que Jesus ladeado dos doze apóstolos, fazia a última ceia. Encaixado em simples moldura, a gravura, em papel cartão, a impressionante pintura de Leonardo da Vinci. A mãe de Jorge ganhara o quadro de sua irmã Aurora, como presente de casamento, que ao lhe dar teria dito: “-Mande benzer. E enquanto você tiver esse quadro na parede de sua cozinha, jamais faltará alimento em sua mesa.” A mãe de Jorge teria tido dezenove filhos. Doze nascidos varões. Onze deles ganhariam os nomes dos apóstolos que apareciam escritos abaixo de cada apóstolo, no quadro da derradeira ceia de Jesus. Bartolomeu, Jacó, André, Pedro, João, Thomas, Felipe, Matheus, Tadeu. Simão virou Simeão e Jacó II, Jácomo Luiz, que todos só chamavam Luiz. E Mário Jorge, que os pais só chamavam pelos dois nomes quando era pra repreender. O décimo segundo filho não tinha como dar-lhe o nome de Judas Iscariote.

E vieram sucessivos anos de estiagem. As propriedades rural, transfiguradas em verdadeiros desertos obrigavam os sertanejos a buscar alternativas outras de sobrevivência. Sem inverno se consumiam as reservas de grãos dos vasos. O gado morria de fome. Em tal situação era comum o esteio das famílias de sertanejos, os pais de família, viajarem em busca de garantir o sustento da prole. O pai de Jorge foi embora, pra trabalhar na indústria têxtil de Delmiro Gouveia. Depois foi trabalhar de peão na usina de Paulo Afonso. Ali aprendeu a profissão de operador de máquina pesada. Não demoraria, foi embora pra São Paulo, exercer sua nova função na construção civil. Nos primeiros meses mandava dinheiro pelo correio. Aos poucos foi se desobrigando desse compromisso. Chegaram boatos que constituíra nova família no sudeste. Depois notícia nenhuma dele, tinha mais sua família do sertão.

Quando fez nove anos de idade Jorge adoeceu, de um mal que lhe comprimia os pulmões. Talvez tivesse asma. Tanto seus pais, quanto seus irmãos mais velhos eram todos fumantes. O fato de estar diariamente se expondo à fumaça de cigarro, em idade pueril, contribuiu para levá-lo aquele precário estado de saúde. Depois de uma consulta, o médico receitou uns remédios, e também recomendou que o menino passasse um tempo num lugar onde respirasse ar puro. Por conta da doença, Jorge foi obrigado a viver longe da família. Por dez longos anos o menino viveu no campo, sendo criado por sua tia Aurora, no Sítio Mulungu. Esse exílio forçado faria com que fosse o único dentre os irmãos que não teria tido a oportunidade de estudar. Vivera quase como um ermitão. Sua escola foi o mato aprendeu a valorar exclusivamente as coisas do campo. Conhecia os sinais dos céus, entendia se estava próximo o início das invernadas.

Findo esse tempo, recuperada a saúde, Jorge agora um rapaz, voltou à cidade. No entanto não mais se acostumaria à vida urbana e voltou pra vida rurícola. Porém sentia-se na obrigação de manter a casa de sua paternidade, com os irmãos mais novos que ainda permaneciam em casa. O dia nem havia clareado, encangava uma parelha de bois, ia até o barreiro enchia pipas e ancoretas, e abastecia d’água a casa materna. Do silo tirava milho seco, passava no moinho e não deixava faltar fubá. Uma única vaquinha, mantida no tempo seco, garantia o leite. Ovos e carne sempre havia da sua criação de galinhas. No grotão não faltava uma abóbora de caboclo, um cacho de bananas, uns tomates. E Jorge sem o saber conseguia perpetuar uma premonição ditada por sua tia Aurora, ao dar de presente o quadro da Santa Ceia, a sua mãe, que nem mais se lembrava daquele adágio em que disse: “Enquanto o quadro permanecesse na parede da cozinha, o alimento estaria garantido naquela casa.”

Muito tempo se passou. A mãe de Jorge padecendo de doença grave veio a falecer. Sua tia Aurora deixou o Sítio Mulungu, e foi morar na casa da cidade, pra terminar de criar os filhos da irmã. Todos cresceram, estudaram, se formaram e foram embora. Apenas Jorge permanecia sozinho eremita no Sítio Mulungu. Pelo menos uma vez por ano, os irmãos marcavam um local, a casa de um deles, onde se reuniam para confraternização natalina e de final de ano. Deles que residiam em São Paulo, vindo de avião até Maceió, chegava a sua terra natal em carro de luxo, fretado.

Naquele ano o local marcado foi à casa materna. Eis que na noite do réveillon, os dezoito irmãos se encontravam na casa onde a maioria deles nascera. No momento em que os relógios marcaram meia-noite, enquanto todos se abraçavam, brindavam com taças de champanhe e se deliciavam com as massas de forno e peru, mais um daquela descendência acabara de chegar, era Jorge. No seu jeito tímido de homem rude do campo, de pouca conversa, cumprimentou e abraçou a todos. Cada irmão, disse naquela ocasião que ia levar uma lembrança da casa da mãe. Taças de cristal, xícaras de porcelana foram parar nas malas. Jorge quis o quadro da parede da cozinha. Antes porém uma foto foi providenciada, onde os doze irmãos nascido varão sentaram-se à mesa. Estranhamente se colocaram na mesma posição em que se encontravam os apóstolos no quadro que aparecia ao fundo do instantâneo. A Santa Ceia, por aquela irmandade reproduzida contava também com a presença de Cristo.

Fabio Campos


Importante! Este site utiliza cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes. Ao continuar a navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.