ATA, COMO ASSIM?

Foto: M. Maggs / Pixabay

O ano de 1978, é um marco na minha vida. Nele alcancei a maioridade. Tudo muda na vida de alguém que atinge a maioridade. Se fôssemos um índio, por certo um ritual de iniciação teria que marcar esse momento. Sem contar que numa aldeia indígena a maioridade pode chegar muito antes dos dezoitos anos. Para os civilizados um série de documentos a serem providenciados: RG; CPF; Título eleitoral, carteira de trabalho etc.

Seria esse o ritual de iniciação a vida adulta? Portar documentos? O direito de entrar em ambientes antes proibido para menores: cinema, quando o filme era apenas pra maiores de 18. Andar na rua altas horas da madrugada, comprar cerveja e cigarros frequentar bordéis. Mudar o visual: calça comprida ao invés de calções com suspensórios. Poder viajar sem a necessidade de acompanhante, ou a permissão dos pais.

Tudo o que antes parecia tão distante, inatingível, bastou uma data virar no calendário, e todas as portas antes fechadas agora se abriam. Claro, que não foi bem assim. Isso porque a vida adulta tem um preço. Diga-se de passagem, um preço justíssimo! Ter que se autossustentar era uma das regras.

No entanto, a maior conquista que tive ao tornar-me adulto, não foi nenhuma dessas coisas. Mais do que tudo isso foi o direito a cursar Datilografia e concluir um curso de Correspondente Comercial, ambos ofertados gratuitamente pelo SENAC –Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial.

Com muito orgulho guardo até hoje os certificados. Aprender a fazer um ofício, um memorando, foi muito bom, porém a ata foi um achado! Saber fazer uma ata abriu-me portas. Por causa de poder fazer parte da diretoria de várias instituições, a exemplo da AGRIPA – Associação dos Guardiões do Rio Ipanema, e ASLCA – Academia Santanense de Letras Cultura e Artes.

Ata é palavra camaleônica. “Ata – substantivo feminino; registros de sessão de colectividades deliberativas; [botânica] árvore frutífera (Annona squamosa)  pinha da família das anonáceas by dicionário Priberam.com.br; Ata: verbo transitivo: apertar e dar nó em; Ata; Pinha ou Fruta-do-conde  servem para designar um fruto da família das anonáceas que possui mais de 170 variedades Por que Fruta-do-Conde? Porque foi o governador Diogo Luis de Oliveira, o Conde de Miranda que em 1626 trouxe para o Brasil o fruto, originário da América Tropical. By google.com.br”

UM POUCO DE HUMOR PARA ENCERRAR

FRASES FILOSÓFICA

O REMÉDIO PRA OLHO GORDO? COLÍRIO DIET!

COMO POSSO PERDER A ESPERANÇA SE EU NUNCA A ENCONTREI!

DEPOIS DA TEMPESTADE… O TRÂNSITO PÁRA!

CONTROLE EU ATÉ TENHO, O PROBLEMA

É QUE TÔ SEM PILHAS!

NA DELEGACIA

O Senhor também estava na Confusão?

E o Bêbado: -Eu não.

-E o que está fazendo aqui?

-Ouvi o senhor gritar: “Cana pra todo Mundo!”

QUEM SOU?

Foto: Peter H / Pixabay

Imagine você, se a palavra pudesse se autodefinir? O que diria de si mesma? “–Muito prazer! Sou a palavra! Fui eu que a tudo criou! Deus disse: “Faça-se a luz!” E por minha causa a luz se fez! Na verdade, disse-me em hebraico, aramaico? Ou latim? Não sei ao certo. Posso garantir que em qual idioma for, sou muito bonita. Nasci para unir, pra esclarecer, para crescer, para desenvolver, para promover. Vim ao mundo pra alegrar, pra emocionar, pra ajudar, pra facilitar, pra melhorar a comunicação entre os homens.

Nem sempre consigo. Às vezes fico triste, melancólica, reflexiva, pensativa. Tantas vezes já fui pisada, rasgada, enlameada, jogada fora, desprezada, humilhada. No entanto nunca desisto. Já imaginaram quão prazer, e ao mesmo tempo, como sofrem os que vivem da minha existência? Escritores, professores, comunicadores, políticos, jornalistas, magistrados, médicos, compositores, intérpretes, dicionaristas, tradutores etc. Muitas vezes mal entendidos, desrespeitados, caluniados, vilipendiados.”

Sobre o termo “autodefinir” “O falso prefixo “auto” é um elemento de composição na formação de palavras. Pela nova ortografia somente é separado do segundo elemento por hífen nos casos em que este inicia por “o” ou “h”. Caso o segundo elemento se inicie com a consoante “s” ou “r” é necessário dobrá-la, sem usar hífen. Nos demais casos quando o segundo elemento inicia por demais consoantes ou vogais não há hífen.  By site: soportugues.com.br”

A palavra nos proporciona muitos momentos de alegria, disso não temos dúvida! Em especial quando deixa a seriedade da prosa e entra no jardim da infância da poesia.

“Sóbolos rios que vão por Babilônia, me achei/ Onde sentado chorei as lembranças de Sião e quanto nela passei/ Ali o rio corrente dos meus olhos foi manado, e tudo bem comparado/ Babilônia ao mal presente, Sião ao tempo passado.  Luis Vaz de Camões [1524-1579]

“Sôbolos – etimologia – contração sobre alguma coisa já determinada; em cima; para cima; da preposição “sobre” mais o artigo arcaico “lo”. Fonte: Google.com.br”

A poesia de Camões uma Décima, arte poética, é uma estrofe de dez versos, podem ser heptassilábicos (redondilha) ou decassilábicos, podendo aceitar outras métricas.

“Soltai-me Amor enganado/ Que enganado me prendeis/ Que em meu poder não tereis/ Seguro vosso cuidado/ Sou um pastor desprezado/ Que numa aspereza vivo/ A toda brandura esquivo/ Sujeito a todo rigor/ Não posso servir a Amor/ Que estou de sorte cativo.  Francisco Rodrigues Lobo, Poeta português [1580-1622].

De acordo com Ricardo Sérgio [recantodasletras.com.br] Os poetas Românticos não apreciavam muito a Décima, Porém os Parnasianos a puseram em circulação. Os nossos cantadores nordestinos utilizam-na com frequência.

“Quem é esta clandestina que dentro de mim viaja/ e de mim não se separa mesmo quando estou dormindo/ e aparece nos meus sonhos breve e leve como a neve? Quem é esta clandestina doce e branca e feminina/ que me segue quando saio sombra em mim dissimulada/ e torna a voltar comigo colada ao cair da tarde?  Quem é essa clandestina que de mim não desembarca? Sou seu trem ou seu navio? Seu barco ou seu avião? E sua voz me respondeu: és meu berço e meu jazigo/ Antes mesmo de nasceres eu já estava contigo/ E sempre estarei em ti até o fim da viagem. Ledo Ivo “Crepúsculo Civil -1990.

UM POUCO DE HUMOR PRA ENCERRAR

VERSOS SEM RIMA

LÁ VEM A LUA SAINDO

POR DETRÁS DAQUELA SERRA

BRANQUINHA QUE NEM LEITE

SE TALHAR EU COMO.

LÁ VEM A LUA SURGINDO

REDONDA COMO UMA VARA

SE VOCÊ NÃO COME MELÃO

PORQUE ROUBOU MINHA BICICLETA?

ESPEREI POR VOCÊ

DEBAIXO DUM GALINHEIRO

ESPEREI TU NUM VIESSE

A GALINHA ME CAGOU…

SUBI NUM PÉ DE LIMÃO

PRA VER MEU AMOR PASSAR

O MEU AMOR NÃO PASSOU

AÍ EU DESCI.

 

Fabio Campos, 15 de Abril de 2024.

MÃOS E CORAÇÃO

Foto; congerdesign / Pixabay

Eis que já estamos, no segundo dia, da segunda semana, do quarto mês do ano: Abril.  Algumas expressões, diversas impressões, vieram-nos muito forte. Junto aos primeiros clarões do sol, mansamente vieram, ao nosso encontro. Relembramos datas comemorativas que a muito tempo pontuam este tríduo de lustros, de dias. Abril, mês mais que perfeito! O único do ano, que não termina com a letra “o”. Há quem acredite ser ele que abre o ano. Possuímo-lo, trinta dias, os completa. Num mês como esse nasceu d. Amância minha avó materna, num dia 13. Também uma filha minha: Adla Juliana em abril nasceu, num dia 10. Minha nora Angélica, e meu genro John, todos de abril.

É pascoal o descobrimento do Brasil. É pascal a primeira missa em solo brasileiro. A imensa cruz o altar no meio da mata. Nativos e pássaros nos galhos das árvores observavam curiosos. Nascidos dos pincéis de Victor Meireles.

Um texto debaixo de uma foto de uma senhora idosa, dos seus oitenta anos. Tatuada na mão apoiada o queixo de pele enrugada: 

“Vovó como se enfrenta a dor? Com as mãos minha querida. Se você a enfrentar com a mente, em vez da dor suavizar ela endurece mais. Com as mãos, vovó? Assim, nossas mãos são antenas da nossa alma. Se você as movimenta costurando, tricotando, bordando, cozinhando, pintando, tocando ou afundando-as na terra. Você envia sinais de cuidado para a parte mais profunda de si mesma. E tua alma se ilumina porque você lhe está dando atenção. Assim ela não precisa mais lhe enviar a dor para ser notada. As mãos são realmente tão importantes assim? Sim, minha pequena, pense nos recém-nascidos: rlrd começam a conhecer o mundo graças ao toque de suas mãozinhas. Se você olhar verá que as mãos dos velhos contam mais sobre a vida deles mais que qualquer outra  parte do corpo. Diz-se que tudo o que é feito com a mão é feito com o coração. Porque é realmente assim.: as mãos e o coração estão conectados. Os fisioterapeutas sabem muito bem disso: quando tocam o corpo de outra pessoa com as mãos, criam uma conexão profunda. É precisamente a partir dessa conexão que vem a cura. Pense nos apaixonados: quando suas mãos se tocam, fazem amor da maneira mais sublime que existe. As minhas mãos vovó, a muito tempo não as uso assim! Movimente-as, minha querida, comece a criar com elas e tudo dentro de você mudará também. A dor não passará. Mas vai se transformar na mais bela obra-prima e não vai doer mais. Porque a partir dela, você poderá bordar a tua essência.”

Linda composição. Ao sabor das oitavas da páscoa, revemos Thomas (também chamado Tomé) chamado, naquele último encontro, a tocar as cicatrizes causadas pelos cravos nas mãos e no lado transpassado pela lança que atingiu o coração de Jesus.

UM POUCO DE HUMOR PARA ENCERRAR

O CABELUDO E A MORTE

Um cabeludo se encontrou com a morte, e ela lhe disse:

-Chegou seu dia, vim lhe buscar…

Ele  Implora: -Não me leve! Não pode ser semana que vem?

-Ok! Tá certo!

Pra escapar o cabeludo rapou a cabeça. E foi pro cinema.

A morte procurou, procurou. Entrou no cinema e:

É! Já que não encontrei o cabeludo vou levar esse careca mesmo!

REMÉDIO PRA CRIAR CABELO

O bêbado, liso. Doido pra tomar uma. Diz a um careca:

-Sei de um remédio bom pra criar cabelo!

-Me ensine então!

-Pague uma cana!

O cara pagou logo duas.

-Você pega banha de galinha e vai passando, (pague outra!) passando (pague outra) passando! Esfrega! Esfrega! Esfrega!

-E aí? Nasce cabelo?

-Se nasce não sei. Mas dá um brilho!

A BRIGA

Dois bêbados discutiam e acabaram sacando cada qual um revólver e atiraram um no outro. Morrem os dois na hora.

Um terceiro bêbado que a tudo assistia. Dá um tiro na própria cabeça dizendo:

-Eu não perco essa briga por nada!

Fabio Campos, 08 de abril de 2024.

 

 

 

RECORDES

Foto: Jerzy Górecki / Pixabay

A palavra que trazemos no título desta crônica, é camaleônica. Daquelas que dão vazão a mais de uma interpretação. A depender do interlocutor, de como ela chega a cada um de nós. O que evoca? A que nos remete, no momento em que tomamos posse dela? Afinal, somos nós que nos apossamos, ou somos apossados pelas palavras?

De repente, pode funcionar como um vocativo, a chamar-nos a recordações. Nesse caso na função de verbo. Poderia ainda, assumir a função de substantivo. Aí seria, fria e calculista incógnita. Um coringa! Uma insólita pirâmide do Egito a provocar-nos com um: “decifra-me, se puderes!”

Somos seres recordativos! Reflexivos! Aceitamos o novo, somente o que entendemos como agradável, cômodo. De preferência o que não exija novas adaptações, nos tire da zona de conforto, ou gere mudanças radicais. O tempo inteiro recorremos as recordações. Andando na rua, assistindo um filme, um vídeo, a fachada de uma casa, um quadro antigo, um templo. Olhando um álbum de fotografias, visitando um museu, ou sentado na mesa dum bar. Contemplando as edificações, uma montanha. Tenho na parede do banheiro uma plaquinha com uma frase que leio todo dia: “VIVA O HOJE; REFLITA O ONTEM; SONHE O AMANHÃ!” Interessante que a ilustração é um carro antigo! Um tanto irônico.    

Récorde ou Recorde? No Brasil se ouvem as duas pronúncias. A primeira vinda do inglês: record [pronuncia-se:“rícord”], ocorreu um aportuguesamento na grafia [recorde] e na pronúncia [récorde]; a outra opção usada como paroxítona: recorde, originária do Latim. De acordo com as normas estabelecidas pela língua portuguesa, devemos escrevê-la sem acento agudo na vogal “o”, e pronunciá-la com ênfase na segunda sílaba.

Teremos este ano os jogos olímpicos: as Olimpíadas de Paris. Com início previsto para 26 de julho, indo à 11 de agosto do corrente ano. As novidades ficam por conta da exclusão de modalidades como; beisebol, softbol e karatê, e inclusão de Braking Dance e Canoagem Slalom Extremo.

“Recordes: Verbo; Masculino; Plural de Recorde; ou segunda pessoa Singular do Presente do Conjuntivo do verbo Recordar; verbo transitivo: Fazer vir à memória; lembrar; rememorar; deslembrar; esquecer; obliterar; olvidar; [Antigo] o mesmo que acordar; Verbo pronominal: Lembrar-se; origem etimológica do Latim: record-o-are; Substantivo: Proeza desportiva oficialmente verificada e que supera tudo o que até se tinha feito no mesmo gênero; Adjetivo de dois gêneros e dois números: Exemplo: número recorde, valores recorde. Bater o recorde = ultrapassar o precedente; Deter um recorde = ter conseguido estabelecer um recorde; Em tempo recorde = [informal] Em muito pouco tempo. Origem etimológica: do Inglês: Record.

“Traduções do inglês: “Record” substantivo: ficha; plug; card; token; conter; poker; chip; registry; registration; register; recording; entry.“Vlog O que é um VLOGGER? Vlog é a abreviação de vídeoblog (vídeo + blog), um tipo de blog em que os conteúdos predominantes são os vídeos. A grande diferença entre um Vlog e um Blog está mesmo no formato da publicação. Ao invés de publicar textos e imagens o “Vlogger” ou “Vlogueiro” (em português), produz vídeos sobre os assuntos que deseja publicar. Fonte: Google.com.br”

UM POUCO DE HUMOR PRA ENCERRAR

QUESTIONAMENTOS INSTIGANTES

SE ÀS VEZES SENTIMOS FORMIGAMENTO AS FORMIGAS SENTEM HUMANIMENTOS?

SE É PROIBIDO BEBER E DIRIGIR POR QUE TEM ESTACIONAMENTOS NOS BARES?

SE A GENTE NASCE, CRESCE E MORRE, OS ANÕES SÃO IMORTAIS?

SE A PESSOA QUE TEM HALZHIMER ESQUECE QUE TEM HALZHIMER, ENTÃO ESTÁ CURADA?

SABE O QUE O VINHO DISSE PRO LEITE? MINHA MÃE É UMA UVA, E A SUA É UMA VACA!

SABE QUE PAÍS CABE NA GELADEIRA? O PERU!

SABE POR QUE O PASSARINHO NÃO BATE NOS OUTROS? PORQUE TEM PENA!

SABE POR QUE A CHUVA PEGOU O ÔNIBUS? PORQUE ERA CHUVA PASSAGEIRA!

VAI PASSAR!…

Foto: Reprodução / Facebook

Acho que vivo dois mundos paralelos. O mundo real, e o da linguagem. Um é imaginário, o outro é concreto. Acho prematuro afirmar que isso possa caracterizar uma bipolaridade, ou algum tipo de transtorno psicológico. Busco as palavras como Alice no país das maravilhas, como Dorothy no “Mágico de Oz”. Um Indiana Jones dos verbetes e expressões linguísticas. Um Zumbi , Calabar, Floriano, padre Cícero, talvez um frei Damião, que saiu de Bozzano na Itália vindo parar nesses sertões. Visionário como eles assim me sinto. Sempre à busca da palavra perdida.

“IMAGENS POÉTICAS DE JORGE DE LIMA – Samba Enredo da Estação Primeira de Mangueira de 1975: Na epopeia triunfal/ Que a literatura conquistou/ Em síntese de um sonho/ De um poeta tão risonho/ Assim se consagrou ô ô ô/ Ô ô ô ô Essa é a nêga Fulô/ Uma obra fascinante/ De um poeta tão brilhante/ O povo admirou/ Jorge de Lima em Alagoas nasceu/ Ouviu tudo dos antigos o que aconteceu/ Com os escravos na senzala e no Quilombo dos Palmares/ Foi um sábio que seguiu as tradições/ Com seus versos poemas e canções/ Boneca de pano é jóia rara/ Calabar e o acendedor de lampiões/ Zumbi, Floriano e o padre Cícero/ Lampião e o pampa é o amor. Fonte> Letras,mus.com”

Ao acaso vou fazendo determinadas investigações. Tipo, os nomes próprios e sobrenomes mais comuns no Brasil. São vários sites, aqui na internet que tratam do tema. Ganham de lapada: Masculino: João; e feminino: Maria. Um engano que eu tinha foi desfeito, pensávamos que fosse José o nome masculino mais difundido. Do nada, evocou-me a música de Chico Buarque: “João e Maria”

“Agora eu era o herói/ E o meu cavalo só falava inglês/ A noiva do cowboy era você além das outras três/ Eu enfrentava os batalhões/ Os alemães e seus canhões/ Guardava o meu bodoque/ E ensaiava um rock para as matinês. [1977 interpretada pela cantora Nara Leão] Fonte Wikipédia.org
Desde o final do ano passado que procuro uma poesia que fiz, usando apenas sobrenomes de pessoas, para enaltecer o momento do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo. A composição faz parte do meu livro inédito de poesia, intitulado “Poesia Não Enche Barriga; Enche o Coração”. Assim que a encontrar a publicarei em uma crônica aqui.

E eis que Chico Buarque veio parar na minha crônica desta semana. Lembrei-me agora de uma marchinha de carnaval que meu irmão, escritor Fernando Soares Campos gostava muito de cantarolar quando vinha passar uns dias aqui no sertão, vindo lá do sudeste, da capital carioca. Atualmente morando nos sertões alagoano. É motivo de surpresa para os amigos que desconheciam tal exílio.

“Vai passar/ Nessa avenida um samba popular/ Cada paralelepípedo da velha cidade/ Essa noite vai se arrepiar ao lembrar/ Que aqui passaram sambas imortais/ Que aqui sangraram pelos nossos pés/ Que aqui sambaram nossos ancestrais/ Num tempo/ Página infeliz da nossa história/ Passagem desbotadas na memória/ Das nossas novas gerações/ Dormia/ A nossa pátria mãe tão distraída/ Sem perceber que era subtraída/ Em tenebrosas transações/ Seus filhos erravam cegos pelo continente/ Levavam pedras feitos penitentes/ Erguendo estranhas catedrais/ E um dia afinal/ Tinham direito a uma alegria fugaz/ Uma ofegante epidemia/ Que se chamava carnaval/ O carnaval, o carnaval [vai passar]/ Palmas pra ala dos barões famintos/ O bloco dos Napoleões retintos/ E os pigmeus do Bulevar/ Meus Deus vem olhar/ Vem ver de perto uma cidade a cantar/ A evolução da liberdade/ Até o dia clarear/ AI QUE VIDA BOA OLERÊ/ AI QUE VIDA BOA OLARÁ/ O ESTANDARTE DO SANATÓRIO GERAL/ VAI PASSAR. By Chico Buarque e Francis Hime. Fonte: mus.letras.com.br

UM POUCO DE HUMOR PRA ENCERRAR
VERDADES ABSOLUTAS:
SABE POR QUE O PATO TEM INVEJA DO CACHORRO? PORQUE ELE TEM QUATRO PATAS!
SABE QUAL PAÍS CABE NUMA GELADEIRA? O PERU!
UM CARRO E UM PATO SE CASARAM, SABE O QUE TIVERAM? UM CARRAPATO!
SABE POR QUE A CHUVA PEGOU O ÔNIBUS? PORQUE ERA UMA CHUVA PASSAGEIRA!
SABE O QUE O VINHO DISSE PARA O LEITE? MINHA MÃE É UMA UVA, E A SUA É UMA VACA!
SABE O QUE UM CORREMÃO FALOU PARA O OUTRO? AQUI OS ANUS PASSAM LIGEIRO!

BOM CARNAVAL! PRA TODOS!

NADA POR DIZER…

Foto: Roman Grac / Pixabay

“Então Deus disse: Que a terra faça brotar vegetação, plantas que produzam sementes e árvores frutíferas, cujos frutos contenham sementes sobre a terra, de acordo com a sua espécie. E assim foi. A terra fez brotar a vegetação, plantas que produzem sementes de acordo com a sua espécie. E Deus viu que isso era bom. Passaram-se a tarde e a manhã, esse foi o terceiro dia. Livro de Gênesis Cap. 1; Vs 11-13. Fonte: Bibleon.com”

MANGAS. Enquanto escrevo, dentro de uma sacola umas mangas, bem aqui ao meu lado. São muito bonitas, [Fazem-me lembrar Alceu Valença].  Ganhei-as, de um amigo. Frutas ganhas tèm outro sabor. Vistosas, pintadas de amarelo de um lado, avermelhadas do outro. Vontade de tocá-las, sentir a maciez de sua pele. O cheiro aguçando-me o paladar. Lembram-me uma “Natureza Morta”. Paro e penso: qual sentido acende-me mais a fruta? A grande diversidade de espécies que existe: manga rosa, espada, coco, Tommy, Palmer etc. Tem nomes de mangas impublicáveis! A criatividade humana, a depender do formato, enaltecem os genitais de homens e mulheres.

“Ganhado ou ganho? Quando usar um e outro termo: Ganhado se usa com os auxiliares TER e HAVER: “TINHA GANHADO”; “HAVIA GANHADO”. GANHO é antecedido do ver “SER” e “ESTAR”: “É GANHO”; “ESTÁ GANHO”. Modernamente, há uma forte tendência pelo uso de “GANHO” com todos os auxiliares citados. Fonte: Google.com”

Todos os dias quando acordo, na lembrança vem-me uma música. Não especificamente “uma música”. Mas, uma qualquer. Por exemplo, tem uma de Renato Russo que começa com as primeiras palavras desse parágrafo. Pode me acontecer de vir lá da infância ou adolescência. Assim, oportuna véspera de carnaval é possível brotar-me antigos frevos.

“Subi a ladeira do Farol/ Fiquei no mirante a olhar/ Os raios dourados do sol/ No azul imenso do mar/Olhei a cidade sorriso/ E vi Maceió tão feliz/ Mostrando tanta riqueza/ Ao povo desse país. By Pitanga.”

SIRIGUELA. Estou com sorte pra ganhar frutas. Ontem, foi um tanto assim de Siriguela. Se fosse eu, encarregado de  escrever um tratado sobre essa fruta, diria: tem o sabor do pecado. Pois queremos sempre degustá-la com uma bebida alcoólica forte! Sua semente é amundiçada! Toma conta praticamente de quase todo o fruto. Enquanto que sua carne [polpa] suculenta, é um manjar dos deuses.

“A siriguela [ou ciriguela, ou seriguela, ou ceriguela] nome científico: Spondias purpúrea L. Possui 18 espécies, sendo 06 delas encontradas no Brasil. Nativa da América Central, é de fácil adaptação a climas tropicais, áridos e semiáridos. Rica em vitamina C, e fibras alimentares. É ótima para reduzir a incidência de câncer de cólon.O fruto é ainda chamado de Ameixa-da-Espanha, cajá vermelho, ciroela, e jacote. Fonte: diariodonordeste.verdesmares.com.br”

“AMUNDIÇAR, verbo[AMUNDIÇADO adjetivo] : Sem educação, de mau comportamento, grosseiro, rude. Fonte: dicionáriobrasileirodaLínguaPortuguesa2.”

Uma campanha publicitária na tevê, mais especificamente na rede Globo de Televisão, sobre o próprio jornalismo da emissora. Tem essa música de fundo:

“Eu não sei dizer/ Nada por dizer/ Então eu escuto/ Se eu não entender/ Não vou responder/ Então eu escuto/ Eu só vou falar/ Na hora de falar/ Então eu escuto/ Lá,lá,lá,lá…

É a música “Fala”, interpretada por Ney Matogrosso. É composição de João Ricardo, Lunil e Zé Rodrix. É a última faixa do primeiro álbum da banda “Secos e Molhados”, 1973”. A música traduz um pouco do que sinto, do meu silêncio, das últimas semanas, sem nada escrever. Talvez seja isso. O caju, não podia ficar de fora.

CAJU. Sempre que me perguntam: que fruta eu mais aprecio? Lá me vem ele à boca. Palavra doce que um dia falei pra alguém! Entremeada de saliva. Pra mim fruta temporã, de fim de ano. Até carnaval os cajueiros mais atrasados ficam carregados! Os maturis do cercado de Seu João Augustinho [ pai do amigo, professor e confrade Manuel Augusto Azevedo] lá na infância costumavam vingar-se de nós, meninos traquinos, enchendo de nódoas nossas roupas. Garantia de uma boa “pisa” de mamãe.

 “MATURI: Palavra indígena, usada nos estados do Nordeste brasileiro, para definir um caju novo. Também a castanha verde do caju usado como ingrediente na culinária. By José Luiz – SP Fonte: dicionarioinformal.com.br

“PISA: Substantivo feminino: Ato de pisar; Sova, surra, tunda [nordeste brasileiro]. Fonte Google.com”

Pronto. Taí. Mais uma crônica. Feita de frutas, músicas, lembranças. E eu, pensando que não teria, por um bom tempo NADA POR DIZER…

UM POUCO DE HUMOR PRA ENCERRAR

MAIS VERDADES ABSOLUTAS:

SABIA QUE O CARRO MAIS RÁPIDO DO MUNDO, É O CARRO QUE CORRE MAIS QUE TODOS OS OUTROS CARROS?

SABE O QUE DISSE O FAZENDEIRO QUE ROUBARAM SEU TRATOR?  -FUI ROUBADO!

SABIA QUE VOCÊ PODE SALTAR DE PARÁQUEDAS, SEM PARÁQUEDAS? MAS SÓ UMA VEZ!

JOÃOZINHO NA AULA:

– NA FRASE: “O ARTISTA JÁ TEM MAIS DE 20 ANOS DE CARREIRA”. Aonde está O SUJEITO?

-Pôxa! Professora! Deve está muito longe. Né? 20 anos correndo!

BODE GAIATO,   JUNIN na Aula:

-VOCÊS SABIAM QUE OS SERES HUMANOS SÓ CONSEGUEM ENXERGAR O QUE ESTÁ ATÉ 5Km DE DISTÂNCIA?

-ISSO NÃO É VERDADE PROFESSORA! A LUA MESMO, ESTÁ A 3.800Km DE DISTÂNCIA E NÓS CONSEGUIMOS ENXERGAR!

 

Fabio Campos, 31 de Janeiro de 2024.

NAS VOLTAS DO MUNDO…

Foto: Larisa Koshkina / Pixabay

Eis que já estamos num novo ano: 2024. 2023 é página virada. Uma folha branquinha chamada ano novo está na nossa frente, possibilitando nova caminhada. Novas formas de ler e escrever o mundo! Existe lá no mais profundo do nosso ser uma chama acesa. Alguns a chamam de fé. Outros a chamam de esperança. É como um facho de luz. Pode estar tênue como a luz de uma vela. Bem como pode estar ardente e forte como uma pira olímpica. Só depende nós.

Haverá sempre os que dirão: “Ora! Apenas mudou o calendário. As contas à pagar são praticamente as mesmas, os problemas apenas mudaram de ano, as pessoas com quem convivemos ano passado continuam convivendo este ano. Colegas de trabalho, familiares, amigos de infância que estão por perto e nem valorizamos, outros que estão distantes, e quão avidamente gostaríamos de vê-los.”

A exceção claro, fica por conta dos que nos deixaram. Tanto no ano passado quanto já esse ano. Cada um com seu grau de importância, nos deixou. Não contive as lágrimas, ao ver, na tevê, uma criança lamentando a morte dos pais e irmãos na guerra de Israel contra Hamas. A guerra desumana, cruel, inexplicável!

Mário Jorge Lobo Zagallo, Franz Beckenbauer, a filhinha de nossa confreira Lícia Maciel, meu amigo Joninhas [ Jonas Francisco de Souza. *23/07/1964 + 29/12/2023]. Não tive a oportunidade de estar perto, ou de os conhecer pessoalmente alguns de vocês. No entanto lamentei profundamente cada uma, de suas partidas.

“’Somos seres que sentimos profundamente e buscamos sempre um sentido de sermos quem somos. Vamos desde o nosso nascimento e por toda a vida, registrar o que vivemos em nossa memória, e daí extrairmos nosso sentido de existir. Tiramos de todas as experiências algo que significa nós mesmos e que será registrado nesse ser profundo, nossa verdadeira essência. Por Marly Terra Verdi. Membro do grupo de estudos de psicanálise de São José do Rio Preto -SP.”

Convido-vos a caminhar. A estrada está a nossa frente. Vamos ser caminheiro, um João Andante, “nas estradas que o mundo tem” como dizia, o saudoso Paulo Diniz; Encaremos com humildade tudo que Deus preparou para nós

Olha só que interessante: “A Johnnie Walker maior marca de de uísques do mundo, criada no ano de 1867, na Escócia. Em sua logomarca podemos visualizar um Lord bem vestido, na posse de uma bengala. No Brasil no ano de 2018, nasceu a marca “João Andante” uma cachaça produzida na cidade de Passa Tempo, em Minas Gerais. A “João Andante traz em sua logo um maltrapilho carregando uma trouxa de roupas. A expressão “João Andante” é tradução de Johnnie Walker. Fonte: Google.com”

UM POUCO DE HUMOR PRA ENCERRAR

VERDADES ABSOLUTAS DITAS NO WATSAP

VOC^SABIA? 60 SEGUNDOS passa em 1 Minuto na ÁFRICA?

SABIA? QUE UM BANDO DE PÁSSAROS VOANDO EM “V” terá um lado maior se naquele lado tiver mais PÁSSAROS?

SABIA? A MAIOR CAUSA de DIVÓRCIOS são os CASAMENTOS?

SE TODOS OS ALUNOS QUE ADORMECEM EM SALA DE AULA Fossem colocados deitados lado a lado na grama eles DORMIRIAM MAIS CONFORTÁVEIS?

A LUA É MAIS IMPORTANTE QUE O SOL Porque a LUA ilumina a NOITE. E o SOL ilumina de DIA que já é claro!

 

Fabio Campos 09 de Janeiro de 2024.

ENCONTROS, DESENCONTROS

Foto: Freepik

Mais uma etapa de nossas vidas vai se completando. Mais um ano se passou. Muitos vão filosofar: “É mais um, ou menos um em nossas vidas?”. “Foi o ano que passou, ou nós que passamos por ele?” Isso depende do ponto de vista de cada um. Sou dos que acreditam na idéia de que há três tipos de pessoas, com relação à visão que tem de mundo: Há os otimistas, e tudo o que está pra acontecer pra ele vai dá certo! Sua positividade é algo impressionante! Se atiram aos seus projetos, na vida e no mundo, de corpo e alma. Há os pessimistas, àquele que são totalmente inverso ao primeiro. Pra ele a tendência das coisas não darem certo vem em primeiro lugar! Assim como há os indiferentes, pra ele tanto faz como tanto fez.

Parece que vivemos eternamente vivendo fases e ciclos. A vida biológica mesmo, é uma etapa de seis estágios: fase intrauterina; pré-infância; infância; adolescência; idade adulta e senilidade ou velhice. Nesse ínterim ocorrem a sucessividade dos anos. Neles vivenciamos períodos de formação: religiosa, de estudos escolares, de formação profissional, de anos de trabalho, de vida matrimonial ou de solteiro.

A vida porém não pode jamais resumir-se a essa sucessão de ciclos e fases. Ela é muito mais que isso. A vida é à cima de tudo “bonita” como assim o saudoso Gonzaguinha perpetuou na sua música. Hoje pela manhã, do nada comecei a cantarola uma música antiga que diz assim: “Mas um ano se passou, e nem sequer ouvi falar seu nome, a lua e eu”. Pesquisei agora, descobri que é de Cassiano. Me trouxe muito boas lembranças de infância e juventude. Da tão acolhedora casa dos meus pais.

E penso, não tínhamos, seja qual for o aspecto social, patrimonial, poder aquisitivo, conhecimento, maturidade, experiências de vida, nada. E no entanto éramos tão felizes. Hoje olho lá pra trás e só tenho a agradecer a Deus, e a minha mãe Nossa Senhora pelos caminhos que trilhei, e ter chegado aonde cheguei. E como estiveram tão presentes no meu caminhar.

Percebo a vida e os anos como uma sucessão de encontros, desencontros e reencontros. Estávamos reunidos em família na noite de natal última. Dias antes alguém formou um grupo dos que iriam participar, no aplicativo watsap da rede de internet. E entre uma postagem de vídeo engraçado e um comentário sobre o encontro nos divertíamos bastante. Meu filho na ocasião do evento bolou e pos em prática uma idéia interessante: Todos os presentes iriam sentar-se numa poltrona previamente arranjada pra isso. E iria dizer o que gostaria de dizer a si mesmo no natal de 2024. A filmagem seria guardada numa cápsula do tempo que só será aberta daqui a exatamente um ano.

No dia seguinte, o grupo de watsap que tinha o título “Natal em Família” virou “Ano Novo em Família”. E aí já começaram os comentários, as brincadeiras, as resenhas. E quem iria levar o arroz com uva passa que não podia faltar? Gente e aquela lasanha quem levou? Que gosto duvidoso! E de repente alguém diz lá no grupo: “Pessoal! Infelizmente eu não vou poder ir pro Revellion da família. Já tenho outro compromisso.” Aí mais outro também diz o mesmo. E mais um.

Mas alguém comenta no grupo que outros parentes que não puderam estar na noite de natal com a gente, vão estar na virada de ano novo. A vida é isso! Um eterno momento de encontros, reencontros e desencontros. Nesse penúltimo dia do ano quero desejar a todos um FELIZ ANO NOVO! Repleto de realizações. “Que seja eterno enquanto dure” como bem disse Vinícius de Moraes.

UM POUCO DE HUMOR PRA ENCERRAR

O AMOR é como GASOLINA

Custa Caro Acaba Rápido e

Pode ser Substituído pelo ÁLCOOL

O CARA NO RESTAURANTE

-Garçon! Eu Sou Alérgico a GLÚTEN, Sou VEGETARIANO

NÃO BEBO NADA DE ÁLCOOL. O que você me Sugere?

-Que vá embora. Aqui é uma Churrascaria NE Hospital?

COISAS QUE SÓ NA MINHA CIDADE TEM

(Foto: Lucas Malta / Alagoas na Net)

 

 

“O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia/ Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia/ Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia. Fernando Pessoa [1888-1935]. Recorro ao poeta lusitano, logo assim no início da nossa crônica semanal, pra enaltecer o tema de hoje: As coisas que, por mais que a gente viaje mundo à fora, só vamos encontrar na nossa terra natal.

Tudo começou por uma matéria que vimos aqui nas redes sociais que citava: “Dez Coisas que Até Podemos Encontrar Em Outros Locais, porém que seriam, Exclusividades do Brasil: 1 – FEIJÃO COM ARROZ, E FEIJOADA; 2- CHUVEIRO ELÉTRICO; 3- AUTENTICAÇÃO DE XEROX; 4- A PALAVRA SAUDADE; 5- AXÉ, PAGODE, SERTANEJO; 6- TOMADA ELÉTRICA DE TRÊS PINOS; 7- DESCARTE DE PAPEL HIGIÊNICO EM LIXEIROS; 8- BRIGADEIRO; 9- CAIPIRINHA; 10- COXINHA E PÃO DE QUEIJO. Fonte: mundocurioso.com.br”

Pegando gancho nessa deixa, regionalizamos o tema. Santana do Ipanema, cidade encravada no médio sertão alagoano, de clima semi-árido; com cerca de 200 metros de altitude, cuja vegetação nativa predominante é a caatinga. Eu diria que minha terra natal tem de exclusivamente sua: 1- A Serra da Microondas; 2- A Ponte do Padre; 3- A Capela de Senhora Assunção; 4- A igreja das Tocaias; 5- O Cemitério Santa Sofia e o Barroso; 6- O Alta da Fé, o Alto do Cruzeiro e o Monumento ao Jumento; 7- O Folião Ivaldo Cui-ui-ui; 8- “Calhambeque” o mais antigo Office-boy [entregador] ainda vivo; 9- O artesão Roninha; 10- Silvano Gabriel, artista mambembe, negro, poeta, escritor, membro da ASLCA – Academia Santanense de Letras Ciências e Artes.

Claro, qualquer um que tente fazer uma lista dessas acaba cometendo um grande desatino, ao resumir em apenas 10 itens, tudo o que de mais autêntico exista numa localidade. Sabemos que nossa querida Santana é bem mais que isso. Também somos Breno Aciolly, somos Clerisvaldo B Chagas, e Djalma de Melo Carvalho; somos o hino de nossa cidade criado pelo poeta Remy Bastos; somos o padre Bulhões e o padre Cirilo; somos Valdo Santana, Agnaldo Santana, Miguel Lopes, Os Naturais; somos Givaldo Campos cantando o hino a Senhora Santana, todos os anos na procissão de nossa padroeira, somos a procissão dos Carros de Boi, a procissão de São Cristovão; somos a Festa da Juventude, somos a rua Delmiro, o Maracanã; a rua da Poeira, a rua do Velame, a rua de São Pedro, a Maniçoba, o Bebedouro, o Tênis Club santanense, O Ipanema Atlético Clube e a Associação Atlética Ipiranga, a rua da Praia e a Barragem; somos o por do sol na represa Isnaldo Bulhões; somos o Pastoril da “Meninas da Melhor Idade”; somos Goretti Brandão e Lucinha Nobre, e as saudosas “dama do teatro” Albertina Agra , e a escritora Maria do Socorro Ricardo Almeida; somos Seu Liô e somos “Major”, somos Zé Negão e o bloco Arrastão, e o bloco dos Cangaceiros; somos Mirindão, Zabé Brincão, Zé Doidinho, Corina e Poni; somos Zuza fogueteiro, Seu Moreninho, Seu Aleixo, Seu Zeca Ricardo e Alberto Agra, somos o grupo Padre Francisco Correia de Dona Marinita, O GEOBA; somos a rádio Candeeiro, a Correio do Sertão e a Santana FM; o bloco Pau D’arco, Zé Sapo, somos Adeildo Nepomuceno; Seu Nozinho e Reginaldo Falcão, somos o Museu Darras Nóya, somos o radialista Chico Soares, Chico Santos e Fernando Valões, somos o poeta repentista Zé de Almeida. Somos o rio Ipanema, o riacho do Bode e o riacho Camoxinga.

Vi num site da internet um mapa múndi dos idiomas mais falados do mundo. Entre os dez idiomas mais falados do mundo estão: o Inglês com cerca de 1,2 bilhão de falantes no mundo inteiro; o Chinês Mandarim falado por 1,1 bilhão de falantes, é o oficial da China; o Hindi com 637 Milhões de falantes, é o oficial da Índia e um dos Reino Unido; o Espanhol com 538 Milhões de falante, sendo o oficial de 21 países, inclusive da América Latina; o Francês com 277 Milhões de falantes; o Português ocupa a 9ª posição num hanking de 10, com 252 Milhões de falantes distribuídos em nove países: Angola, Moçambique, Guiné Bissau, Timor Leste, Guiné Equatorial, Macau, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Brasil.

UM POUCO DE HUMOR PRA ENCERRAR

-TEVE UM TEMPO EM MINHA VIDA QUE TODA MULHER QUERIA ME PEGAR!
-E QUANDO FOI ISSO?
-QUANDO EU ERA RECÉM NASCIDO.

VOCÊ FICA COM TODO MUNDO!
-E DAÍ, EU SOU SOLTEIRA!
-MAS ISSO É FEIO.
-FEIO É VOCÊ! POR ISSO NÃO FICO CONTIGO.

-JOÃOZINHO POR QUE FALTOU A AULA ONTEM?
PORQUE MEU TIO MORREU…
-MORREU DE QUE?
-DE LATINHA!
-COMO ASSIM?…
ELE FOI TOMAR BANHO NO RIO, PENSOU QUE NÃO TINHA JACARÉ. SÓ QUE LÁ TINHA!

DOIS LITROS DE LEITE FORAM ATRAVESSAR A RUA. E FORAM ATROPELADOS. UM MORREU E O OUTRO NÃO. POR QUE?
-?
-PORQUE ERA LONGA VIDA!

Fabio Campos, 04 de Dezembro de 2023.

A.I.: Elas derrotam um russo, e ressuscitaram The Beatles

 

(Foto: Ilustraçõa / FreePik)

 

Vai-se o tempo em que as palavras dizem mais do que simplesmente representam. Assim como tem coisas que falam mais que palavras. Por exemplo, a sigla AI [Artificial Intelligence] ou IA [Inteligência Artificial], está muito na moda ultimamente.

Na década de setenta era “High Tech”. Virou febre nas revistas. Era “onça high tech”, “índio high tech”, “vinho high tech”, “matuto high tech” até. A bola do mundo girou, e o tempo tratou de desvendar-me o significado daqueles termos. Para tanto associei-o a tecnologia de ponta. Existe o “High Touch” que aprendi à pouco o significado. Refere-se à busca da humanização no mundo da tecnologia.

Ao assistir um filme antigo, uma propaganda, um comercial, da década de oitenta pra trás. Percebo a imagem desbotada, como envolta em uma nuvem de fumaça. Fico a imaginar também aonde estariam aqueles personagens anônimos que aparecem em segundo plano. Será que ainda vivem? Ou já teriam partido dessa pra melhor?

A alta tecnologia possibilitou, entre outras coisas, a reprodução de filmes e fotografias antigas, de preto e branco, pra colorido. Ao meu ver, é tudo muito relativo, não tem a menor graça dar cor aos filmes de Charlie Chaplin.

No dia 11 de maio de 1997 o russo Garry Kaparov, considerado o maior enxadrista de todos os tempos, foi derrotado em uma rodada de seis partidas de xadrez, para uma A.I. [Inteligência Artificial]: o “Deep Blue” [tradução: Azul Profundo] um supercomputador da IBM do tamanho de um armário. Todos os dias novas palavras do idioma anglo-saxônico nos chegam. E são logo incorporadas ao nosso vocabulário. CHECK UP chegou-me quando meu pai ainda andava nesse mundo. E associei a uma bateria de exames médicos, pois dessa forma foi que a percebemos. Mais recentemente chegou-nos CHECK IN e CHECK OUT, que estão relacionadas a hotelaria ou embarque em viagem. Seriam respectivamente os registro de entrada e de saída.

CHECKLIST é a nossa mais recente aquisição. Chega em forma de lista de checagem. E assim vamos enriquecendo nosso “glossary” de falar com gringos.

“Now And Then” [ “Agora e Depois”], música inédita de John Lennon, saudoso componente da mais famosa banda de Rock do mundo: The Beatles, coloca novamente o quinteto de Liverpool no topo do Hit Parade mundial. Tudo isso, graças a ajuda indispensável de uma Inteligência Artificial!

UM POUCO DE HUMOR PRA ENCERRAR

PERGUNTAS BOBAS, RESPOSTAS IDEM:
AONDE O BATMAN CONHECEU A MULHER GATO?
NO SITE DE BAT-PAPO!
COMO SE ESCREVE GALINHA COM 2 LETRAS?
GA______
POR QUE A COLGATE FOI PRESA NA BLITZ?
PORQUE DESTRUIU A PLACA!
O QUE É UM PONTO PRETO NA ESTRADA?
UM CALHAMBLACK!
POR QUE O SUPER MÁRIO FOI AO PSICÓLOGO?
POR QUE ESTÁ PASSANDO POR UMA FASE DIFÍCIL!
POR QUE OS ROBÔS NÃO TEM MEDO?
PORQUE TEM OS NERVOS DE AÇO!

Fabio Campos, 17 de Novembro de 2023.