28 maio

0 Comments

Aparência importa?

capa-ruiva-tattoo

Ultimamente, tenho percebido que no cotidiano, as pessoas montam seu perfil sem ao menos te dizer um “Oi”. Isso parece impossível, mas não é. No vai e vem da correria diária, as pessoas estão cada vez menos interessadas em saber como realmente os outros são. E, de forma equivocada, julgam os outros pelo que elas vestem, ouvem, assistem, etc. Ou seja, se faz presente o julgamento antecipado, mais conhecido preconceito

Não é novidade que a internet está cada vez mais quebrando tabus e desmistificando mitos, mas mesmo assim, ainda existem pessoas que preferem se fechar em seu “mundo”, julgando-se como certa. É impossível viver dessa forma hoje em dia, onde uma notícia atravessa o oceano em segundos. Por falar em mito, as tatuagens são motivos de debates super prolongados, no entanto, já se encontra por aí profissionais considerados “sérios e inatingíveis como promotores de justiça e juízes, tatuados. Quebrando paradigmas e esteriótipos. 

Quando se faz um julgamento antecipado de alguém, você pode estar deixando de lado um potencial, exemplo disso, entrevistas de emprego. Onde a maioria das empresas tradicionais tem uma “forma de bolo” onde o candidato precisa se encaixar milimetricamente. E com isso, a empresa pode perder alguém que mudaria o patamar da mesma.

Porém, vale ressaltar que para tudo tem exceção. Tudo tem um “depende”. E não estou aqui para dizer o que é certo ou errado. Apenas a minha opinião sobre. E considero que uma tatuagem ou um jeito de se vestir, ou um gosto musical, não pode definir alguém por completo. O ser humano é indefinível, cada um é excepcionalmente diferente. E é exatamente isso que faz a coletividade. O que realmente precisa acontecer é que cada um respeite o ponto de vista alheio e que receba esse respeito também. Assim, a vida seria muito mais simples de se viver.

CONFIRA O BLOG CLIQUE AQUI!!

22 jan

0 Comments

2014: ano de eleição!

2014

Em ano de eleição é incrível como os políticos se tornam atenciosos e dedicados à ouvir o que os eleitores tem a dizer e pedir. Se tornam tão simpáticos que são capazes de cumprimentar a si mesmo, caso esbarrem em um espelho. A cada dois anos no Brasil, temos eleições e a politicagem aumenta a um nível extremo. Em ano de eleição não se abre CPI, jamais. Se bem que no Brasil, raramente se abre CPI, seja ano de eleição ou não.

É preciso estar atento aos candidatos que diariamente estarão na mídia se vangloriando, usando os meios de comunicação para começar uma “campanha antecipada”. Sabe-se que há pouco tempo, a internet foi liberada como meio de campanha, porém, neste ano, a campanha política só poderá ser iniciada a partir do dia 6 de julho. É importante lembrar que na internet é totalmente proibida qualquer tipo de propaganda eleitoral paga. Proibida também, propaganda em sites governamentais.

Caso você tenha acompanhado as atividades dos candidatos que votou na eleição anterior, está apto a decidir se eles merecem novamente seu voto. Caso você não lembre dos candidatos que votou, lamento dizer, mas.. você está colaborando para o descaso e vergonha do cenário político brasileiro e não tem nenhum direito de reclamar e reivindicar. O motivo verdadeiro do texto é fazer com que você reflita sobre o poder do voto e com isso, manter-se preparado e disposto a fazer sua parte por um futuro melhor. Fazendo valer a democracia conquistada através de muita luta.  

 

“Não há nada de errado com aqueles que não
gostam de política, simplesmente serão
governados por aqueles gostam.”
– Platão
 Enfim, o texto é pequeno, mas o motivo é nobre e a causa é justa. Gostaria de esclarecer que o Blog esteve sem novas postagens durante longos 5 meses por motivos da correria do dia-a-dia. E mesmo assim, tivemos visualizações durante TODOS os dias desde sua criação. E foi isso que influenciou diretamente a minha vontade em voltar a publicar.

 

Obrigado, 
Att
Erickson Soares

03 out

0 Comments

É POSSÍVEL MUDAR A POLÍTICA?

    A honestidade no mundo de hoje é rara. Principalmente, no campo da política, onde a maior parte dos nossos representantes políticos possui alguma pendência jurídica. A política brasileira nem sempre andou na mesma calçada da ética. Melhor dizendo, quase nunca andou. A dúvida e apatia contra a política são precedentes para que a má política seja abastecida. Para que só tomem poder aqueles que possuem terceiras intenções. A política é vista como uma área imprópria para homens de bem. Visão esta que é errada. Se pararmos para analisar que somente pelo campo da política existe a possibilidade de mudar a política. Ora, se você quer andar na chuva, você vai se molhar.
    A apatia criada contra a política é repassada para as gerações como se a política nunca terá “cura”. Ou seja, é como se a política não tivesse mais condições de reestruturar os problemas vividos no país. É fato que, certa parcela de apatia é necessária para se criar uma barreira, ou seja, para que a ingenuidade não nos force a acreditar em tudo que os políticos julgam como certo. Não estou querendo dizer que a política é um refúgio paradisíaco, e nem que é um mar de corruptos e hediondos. Porém, deve-se ter o senso crítico para perceber e analisar os fatos imparcialmente. Não se tem como mudar a política senão por ela mesma.
    O que se vê é uma juventude que não se interessa pelas possibilidades de mudança, que desacreditam antes de tentar, que preferem a desfeita. O fato de julgar a política como algo desnecessário já o faz um contribuinte para a situação de calamidade. Como já disse em outro texto, a melhoria de um conjunto depende da melhoria individual. Não existe mudança sem o primeiro passo. Não sou e nem quero ser utópico, todavia acredito que cada mobilização que fazemos move um milímetro positivo.

16 fev

0 Comments

Brasil mostra tua cara

Existem várias ideologias políticas no mundo. Inclusive no Brasil prega-se a democracia. Pelo menos é o que dizem. Assim, há liberdade para uma homogenia e tolerante mistura de partidos que defendem ideias esquerdistas, de centro, direita, ruralistas e ambientalistas. Isso é o que se pensa ser a democracia nacional. Um filiado de esquerda pode mudar para um partido de extrema elite, a qualquer momento. Isso é a democracia que se pensa. Embora um indivíduo como esse não possua argumento algum para dizer que possui uma ideologia, ele tem esse direito, pois vive em um país democrático. É um náufrago.

O cenário político nacional apresenta-se como um cadeado sem chave, no qual para se ter a solução do país precisa-se que tal cadeado seja aberto. Na verdade, o político filia-se a uma sigla sem saber qual o ideal do partido, sem saber sua história. Filia-se porque precisa ser candidato, e é candidato para alcançar suas ambiciosas metas. Inúmeros são os casos de corrupção no país, independente de partido. Inúmeros são os casos de impunidade, consequentemente. A atual imagem da política no Brasil é suja, vergonhosa. A manipulação renitente inflama a inverdade. A população encontra-se cada dia mais desleixada, fingindo que não está vivendo. A população que é responsável pela revolução, encontra-se afadigada.

O Brasil não precisa se tornar um curral dos E.U.A, muito menos um país comunista, o que precisa é a verdadeira democracia ser ativada. As oportunidades devem ser igualadas, os objetivos somados. A chance que um morador de Copacabana tem de entrar numa universidade deve ser a mesma de um morador da favela. Precisamos de um trabalho humanizado na saúde, de responsabilidade nas estradas. O Brasil implora por honestidade. A tendência é afundar dia-pós-dia se o marasmo da população continuar. A juventude que o país tinha há quatro décadas e a juventude de hoje, são incomparáveis. Temos jovens acomodados, pacientes, telespectadores da sujeira.

A melhoria de um conjunto depende da melhoria individual. A possibilidade de mudança é enorme. Basta que em cada um seja despertado a vontade de viver com dignidade, paz e honestidade.

 

13 nov

0 Comments

O Socialismo Além das Fronteiras Políticas

A vontade que o homem tem de descobrir, aperfeiçoar e criar é a mesma vontade que sente de posicionar-se melhor do que seu próximo ter melhores condições ser diferente e, em consequência disso, ocorre o egoísmo. Egoísmo esse que pode ser aderido em uma pessoa sem sua própria percepção, sem ser aceito por ele. Egoísmo imposto pela sociedade consumista. Ninguém é desconhecedor do bem e do mal, ou seja, revoltar-se sobre os fatos é algo que todos podem fazer, e muitos fazem.

A luta contra o Consumismo Exagerado é fato (Defendido por mim) constante em todo o mundo não apenas na área da política, mas pela reforma social que o mundo precisa a “Sustentabilidade”, a “Economia Verde”.

Mas revoltas e atos de repúdio são insuficientes, é necessário – entre outras coisas – ação que influenciem as pessoas que ignoram tudo isso. Ser contra o Consumismo não é ser a favor da idade da pedra, e sim, ser a favor de uma distribuição de renda igualitária, de uma qualidade de vida para todos, é ser a favor da Dignidade humana, dar condições mínimas de sobrevivência.

O ensino público é vilipendiado, os presidiários são desprezados, essas são as duas classes extremas da nossa sociedade, o ensino público que trará novos profissionais e os presidiários que após o comprimento da pena voltarão para a sociedade, mas como garantir que os estudantes serão novos profissionais? E como os ex-detentos serão novos cidadãos, sobretudo, de bem? A discussão é extensa e complexa, porem, se analisar a raiz do fato, percebe-se que tudo depende de uma gestão de qualidade, uma política honesta, honestidade no Brasil? Outra discussão complexa e extensa, que ironicamente, depende da qualidade do ensino.

Implantar uma reforma seja política, agrária, etc, exige esforço principalmente da sociedade civil organizada, disposta a encarar anos – diria décadas – de muitos movimentos grevistas e revolucionários. Seria mais prático implantar uma Ditadura Militar? Um Radicalismo Esquerdista? Impossível no Brasil ou em qualquer outro país no século XXI. A influência Norte-Americana no mundo é árdua e crescente.

Multiplicar os Pensadores e Educadores formais e informais seria a melhor forma de garantir, no mínimo, uma tentativa de mudança mais breve. mudança que (repetindo) começa nas ações reivindicadoras, protestantes e que contestam a insanidade e indisciplina política.

06 nov

0 Comments

Como obtemos conhecimento?

O conhecimento só pode ser gerado a partir de uma mente que esteja disposta a ignorar seus antigos preceitos sobre tais coisas que se tenta ter o conhecimento. Logo, o conhecimento pode ser atribuído às memórias mais equilibradas, que saibam distinguir crenças de verdades.

Mas como se pode chegar a essas verdades?

Bem, a verdade é aquilo que cada indivíduo considera ser verdade, é aquilo que pode servir como base para seus princípios morais. A verdade é o que cada pensador considerou, nos seus pensamentos, para se chegar a uma conclusão sobre o conhecimento que tentava obter. Acreditar que uma questão é verdade para um e mentira para outro, é um pensamento quase que imediato quando se diz que a verdade para um pode não ser verdade para outro. Porém, essa verdade que aqui digo, é a verdade nos pensamentos, ideias de cada um, para se chegar a uma conclusão que servirá para o acômodo de si mesmo ou de uma sociedade. Pois, a verdade em comum, é, por exemplo, as leis que a Constituição Federal determinou como sendo verdade ou não. Esse é outro tipo de verdade, é a verdade que se estabelece para manter um acordo entre os membros da sociedade – lembrando que a Constituição Federal foi votada por representantes da sociedade, que inclusive, tomaram como uma das determinantes: algumas crenças.

Cada indivíduo pensa por si, considerando o que o agrada ou não, tendo suas atitudes e gostos. Partindo desta afirmação, não deveria ser contradição dizer que cada um tem sua “verdade” e sua “não verdade”. Porém, o ser humano é tão preso ao conceito de querer satisfazer os que o cerca, ou até mesmo de ser “igual” aos que o cerca que é fácil encontrar indivíduos que discordem desta ideia.

Conhecimento Pré-Definido

Admitir que o conhecimento sobre tal assunto só seja alcançado se a pessoa [que busca esse conhecimento] se desfazer de seus critérios, serve apenas para conhecimentos que essa pessoa já possua algum entendimento, ou seja, por exemplo:

Você só pode buscar o conhecimento do por quê que um pássaro é laranja, se esquecer a ideia de que a cor laranja é obtida da mistura do azul com o amarelo.

Esta forma de obter o conhecimento é mais “radical”, pois, desfazer de conceitos que já se tenha há tempos, é em parte, desiludir de certa porcentagem de seu caráter, porque nosso caráter é formado de opiniões que criamos sobre o universo, mas essa não é a discussão. Somente os que se tornam “inimigos íntimos” de si mesmo é que alcançam a oportunidade de expandir esta forma de conhecimento.

Conhecimento Original

Outra forma de obtenção de conhecimento é o Original, adquirido de uma situação que a pessoa [que busca o conhecimento] não tem nenhuma base do que seja esse conhecimento, não saiba sua origem, fundamentação ou adeptos. É o conhecimento do novo, do que antes não fazia diferença em seu cotidiano. É o conhecimento baseado no interesse de novas diretrizes. Este serve de base para o conhecimento Pré-definido, pois, é a partir de algo que se tenha contato que alguém entra em discordância ou não. Aliás, é inexistente ter alguma opinião sobre o que não se tenha ideia de que existe. Por exemplo:

Você não pode ter alguma opinião sobre Epistemologia, se você não sabe do que se trata.

Basicamente, são estes dois tipos de aquisição de conhecimento que se ramificam em subdivisões (que não precisam ser citados neste texto) para criação de formas de se obter conhecimento. A melhor forma de obter conhecimento sobre algo é ter liberdade para fluir seus pensamentos.