14 ago

0 Comments

Agripa vitoriosa em Reunião

Clerisvaldo B. Chagas, 7 de agosto de 2013.

Crônica Nº 1063

RIONo cair da tarde de ontem (6) a Associação Guardiões do Rio Ipanema – AGRIPA – órgão ainda não oficial, obteve calorosa e importantíssima vitória na reunião do auditório do INSS. Ainda enrijecendo seus primeiros passos, os Guardiões atraíram como reforços para os combates que virão importantes personagens que ocupam cargos relevantes e que poderão fazer a diferença entre o fracasso e o êxito da empreitada. Numa reunião vigorosa com o mínimo de protocolo, todos se sentiram à vontade para uma sessão de depoimentos emocionantes, afirmação de amor ao rio e compromisso até o fim do resgate desse afluente bi estadual do rio São Francisco.

Prestigiando a AGRIPA estava presente o prefeito, professor Mário Silva que por duas vezes, no início e final da reunião, firmou sério compromisso de apoio aos Guardiões. Sua afirmação foi o ponto alto de vitória para os organizadores, ocasião em que o prefeito foi bastante aplaudido pelo seu pronunciamento. Estava à mesa também o presidente da Câmara Municipal Tácio Chagas Duarte, vereador José Vaz, que, agindo igual ao prefeito, participou com alegria do encontro e prometeu apoio daquela casa ao que se propõem os defensores do rio intermitente Ipanema e seus afluentes urbanos como o Salgadinho, Salobinho, Bode e Camoxinga.

Outras pessoas ilustres abrilhantavam o evento como o advogado Cícero Angelim, representante da OAB em Santana; Selma Campo, à frente da Agência local do INSS; Manoel Messias, secretário do meio ambiente; Fernando Valões, diretor de cultura; professora Vilma, ex-diretora da Escola Estadual Profª Helena Braga das Chagas; historiador e escritor Marcello Fausto, diretor da mesma escola; Sérgio Campo, o pai da ideia; Ariselmo, jovem diretor de escola e entusiasta do Panema; Vaneube com o toque amigável do som e do incentivo; Cajueiro e Dona Joaninha, representantes de comunidade que vivem o surrealismo atual do “Pai de Santana”. Contamos ainda com representantes de outras cidades, como Piaçabuçu; professores Paulo César, Paulo Roberto, Lucas e Sueli Campos e ainda outras pessoas, cujos nomes não consegui anotar. O encerramento aconteceu com uma bela poesia recitada pelo poeta Ferreirinha, um dos mais animados defensores do Ipanema.

Nas próximas reuniões da AGRIPA, deverá ocorrer a organização interna como diretoria, nome definitivo, símbolo, estatuto, slogan, dia do rio Ipanema… Uma vez organizada internamente e legalizada a AGRIPA, os guardiões percorrerão todo o trecho urbano do Panema e seus afluentes de perto, em contato com as comunidades, onde deverão fazer um levantamento inteiro dos problemas que afligem a todos. Consequentemente os outros passos serão para a consciência das escolas, comunidades e povo em geral quando os Guardiões partirão para as ações definitivas e mais duras em cima dos laços que ora enforcam o rio Ipanema.

A Imprensa da terra esteve presente, através dos sites que disparam o nome de Santana para o mundo.

03 ago

0 Comments

Guardiões do Rio Ipanema

Clerisvaldo B. Chagas, 2 de agosto de 2013.

Crônica Nº 1050

Mais uma reunião do grupo “Guardiões do Rio Ipanema”, foi realizada tendo como cenário a Escola Estadual Helena Braga das Chagas. O grupo de santanenses que se acha disposto a lutar pela conservação do maior acidente geográfico sertanejo, procurou ajustar detalhes para o encontro que acontecerá no próximo dia seis. No auditório da agência do INSS, cedida gentilmente aos guardiões, à visão dos objetivos do grupo será ampliada com ilustres pessoas que se farão presentes e que são ligadas ao tema ambiental. Os primeiros passos estão sendo iniciados para futuras ações objetivas e permanentes que permitirão trazer alegria e autoestima aos que moram às margens do rio periódico Ipanema. Nome do grupo, símbolo, ações, foram bem discutidos na prévia do Helena Braga, quando todos se comprometeram com os futuros combates em defesa do patrimônio natural de Santana. Muito bem aceitos nome e sigla que poderão ser aprovados nos próximos dias: Associação Guardiões do Rio Ipanema – AGRIPA. Interessante também a necessidade de um símbolo forte e simpático que caracterizasse o Ipanema e, entre outros, surgiu o busto de mulher com um pote à cabeça, como faziam as moradoras da margem do rio Ipanema, buscando água nas cacimbas arenosas.

Vivemos um momento crucial para aquele que abasteceu Santana com água, tijolos, telhas, areia, pasto e lazer. Denúncias e mais denúncias de problemas seríssimos vêm à tona e não se sabe até agora de providência alguma sobre as denúncias. Os Guardiões do Rio Ipanema, terão como prioridade o trecho urbano do rio, podendo ampliar suas ações conforme o andamento e as possibilidades de extensão. Envolvidas com o processo de conscientização ambiental, estarão às comunidades, primordialmente as situadas às margens do rio Ipanema, assim como as escolas onde tem início a valorização do meio ambiente.

Nada ficou definido ainda, mas tudo indica que os rumos serão esses, a partir da reunião do dia seis no auditório do INSS, às dezesseis horas. Também fomos convidados a fazer parte desses amantes e defensores da Natureza, aceitando o convite com muita honra. Estamos aqui desejando boa sorte, êxito nas empreitadas que virão, aos da AGRIPA – GUARDIÕES DO RIO IPANEMA.

13 jul

0 Comments

Lampião em Palmeira dos Índios

Clerisvaldo B. Chagas, 11 de julho de 2013.

Crônica Nº 1047

Na tarde da última quarta-feira, eu e o professor Marcello Fausto, chega-mos a Palmeira dos Índios para auspiciosa missão. Fomos recebidos cordial-mente pelo professor de História, Wellington Lopes de Albuquerque, que logo nos proporcionou ligeira incursão pelos pontos turísticos da cidade, inclusive o Cristo do Goiti. Tivemos o privilégio de contemplarmos os arredores dos 700 metros de altitude na belíssima paisagem que o relevo serrano nos oferece. Após significativo descanso e preparativos, estávamos nós “enfrentando” a seleta plateia acadêmica da UNEAL, Campus III, sob a batuta do festejado pro-fessor Wellington. Lançamos o livro “Lampião em Alagoas” e partimos para uma palestra e mesa redonda com o tema: “O cangaço lampiônico nas plagas alagoanas”. Auditório lotado com acadêmicos da região, alguns professores e balaios de perguntas inteligentes, nos levaram à ocasião agradabilíssima. Mitos do Nordeste como Lampião, Padre Cícero, Frei Damião, Luiz Gonzaga, Sinhô Pereira e outros, foram amplamente citados. Passamos pelo geral sobre Virgolino, suas estripulias, organização de volantes, até desembocarmos no riacho da grota dos Angicos.

O livro “Lampião em Alagoas” – que também será lançado em outras ci-dades – é esclarecedor, interrogativo, equilibrado e polêmico como todos os livros sobre o cangaço. Várias passagens inéditas foram apresentadas, estimu-lando a pesquisa em História, Geografia e Sociologia, notadamente. Com a gentileza e desdobramentos do anfitrião, professor Wellington Lopes, quanto pela qualidade do evento, educação e maturidade dos presentes, surgiu im-pressão de retorno dos autores para outros temas relíquias do Nordeste. O Cristo do Goiti (derivado de oiti, oitizeiro), com certeza abençoou a nossa jor-nada até os seus pés, iluminando o evento que se aproximava com o pano molhado da noite.

Pela manhã retornamos da Terra dos Xucurus, de Graciliano, Luiz B. Tor-res, Adalberon Cavalcante Lins, Valdemar de Sousa Lima, para Santana do Ipanema, agradecendo a todos os que fazem a UNEAL, Campus III. Acho que bem deixamos LAMPIÃO EM PALMEIRA DOS ÍNDIOS.

19 mar

0 Comments

Ipanema, um rio macho

Sexta-feira próxima, estaremos lançando ao público o livro “Ipanema, um rio macho”, evento que acontecerá na Câmara de Vereadores Tácio Chagas Duarte, às 20 horas e 30 minutos. O nosso primeiro livro foi o romance do ciclo do cangaço “Ribeira do Panema”, até hoje o mais conhecido de todos. Depois vieram outras obras como a didática “Geografia Geral de Santana do Ipanema”, o conto “Carnaval do Lobisomem” e depois um novo romance do mesmo ciclo do cangaço “Defunto Perfumado”. Em seguida lançamos o livro humorístico de cunha maçônico “O Coice do Bode”, que ainda hoje circula nacionalmente e faz parte do Clube do Livro. “Floro Novais, herói ou bandido”, veio depois, contando a história do famoso matador, na versão apresentada pela sua família, em estilo romanceado. Com a sétima obra, “A Igrejinha das Tocaias”, o autor resgata um episódio oral, acontecido no tempo de um dos netos do fundador de Santana. A obra é escrita em versos e é a única que fala sobre o assunto, até hoje. Em seguida o autor publica o CD, “Dez poemas engraçados”, ele mesmo recitando todos eles. Este ano foi publicado no Tênis Clube Santanense, o trabalho “Santana do Ipanema; conhecimentos gerais do município”. Portanto, na próxima sexta-feira, estaremos oferecendo ao povo santanense e brasileiro, o livro “Ipanema, um rio macho”, tratando-se da décima obra do autor. (mais…)

16 mar

0 Comments

Versos selvagens

Por cima dos tocos, na base de outeiros,

Os versos matutos trajando gibões,

Rompem o mato, a urtiga, os pés de pinhões,

Facheiros, favelas, belos marmeleiros;

Guindastes de troncos, folhas de pereiros,

Pedaços de serras, clarões de luar, (mais…)

15 mar

0 Comments

Abelhas

Não sei se elas são de fato assassinas. Simpáticos insetos listrados dos himenópteros, apóideos, nos fornecem o delicioso e nutritivo mel. Vários tipos de abelhas, porém, possui ferrão e não enjeitam uma briga de verdade, principalmente se o adversário for um bípede como nós. O meu vizinho, cujo apelido é “Dem”, é um dos apicultores do município, produzindo mel de boa qualidade e fornecendo para a merenda escolar. Ali perto do sítio Jaqueira, às margens do rio Ipanema, Dem se mistura com elas, as abelhas, e vai dando às ordens aos poderosos insetos em revoadas pelos arredores. Logo no final da tarde de ontem, todavia, abelhas no papel de batedoras entraram pela porta da minha cozinha. Retiraram-me da hora de elaborar a crônica de hoje. Mas elas não queriam atrapalhar a crônica e sim fazer parte dessas magras linhas. Fiz ver às batedoras que elas estavam erradas, eu não era criador de abelhas e sim o meu vizinho. Elas não acreditaram. Mandei chamar o Dem. Ele veio, mas estava sem roupa apropriada para enfrentar ferrão. Avisou que àquelas vieram à frente, mas logo o grosso chegaria. Não deu outra. A tropa inteira chegou, invadiu a cozinha e nos pôs para fora de casa. Não aceitaram o Dem como tutor. (mais…)

14 mar

0 Comments

Açúcar

Quando os descobridores da América chegaram por aqui, encontraram os indígenas fumando. Tendo escravizado, maltratado e eliminado os nativos aos milhares, portugueses, espanhóis e outros povos levaram para a Europa o vício do tabaco. Os indígenas iniciaram aí uma vingança silenciosa que perdura até hoje, quando aconteceu a expansão do fumo pelo mundo. É impossível alguém dizer com certeza quantas pessoas já morreram vítimas de cigarros, charutos, cachimbos e similares. Agora que a medicina fala contra o vício de fumar, são os fabricantes de cigarros que insistem em matar gente através do infame vício importado das Américas. Eles não pensam na saúde de ninguém. Suas cabeças estão voltadas apenas para o lucro exorbitante produzido pela porcaria que produz o câncer e a morte prematura. Para tentar anular a reação mundial contra o vício, o fabricante acuado, inventa fórmulas para driblar a sociedade, colocando armadilhas para os jovens e os incautos. O peste do fumo é tão ruim que é preciso meter açúcar. Pois bem, o fabricante agora inclui mentol e cravo para que o rolinho da morte se torne mais atraente. Uma isca para conduzir o jovem ao vício definitivo dos venenos. (mais…)

12 mar

0 Comments

Acorrentados

Estamos acorrentados
Às coisas de SantanaNas avenidasNos finais de semana

Nas broas

Nas buchadas

Nas pingas boas

Acorrentados

Às morenas do Ipanema (mais…)

09 mar

0 Comments

Período seco

Quando as águas fortes iam embora, restavam os poços, as cacimbas, a areia, as ilhas, as moitas, as pedras… O rio era um paizão! Entretanto, nós nos voltávamos mais para os poços. No meu caso, o poço dos Homens. Ali tomavam banho adultos misturados com adolescentes. Muitos adultos nadavam nus sob os olhares desconfiados dos meninos. As pedras do “estreitinho” ficavam repletas. Outros preferiam o “largo” para as apostas de tirar terra no fundo do poço, trocar “sapatadas”, fazer exibimento. (mais…)

08 mar

0 Comments

Sei não senhor

Muito embora não tenha vivido a época, mas vi registrado em vários lugares, sobre uma limpeza em Alagoas. O jornalista Pedro da Costa Rego, ou simplesmente Costa Rego, assumira o governo alagoano para a gestão, junho de 1924 a junho de 1928. Nessa época, mandava os coronéis, geralmente com o título vindo da Guarda Nacional ou apenas como apelido dado pelo povo por causa da boa situação financeira reconhecida. Na maioria, os coronéis sertanejos eram senhores proprietários de terras, fazendeiros que gostavam do criatório e adoravam matar gente. Suas fazendas abrigavam, às vezes, até mais de vinte homens armados sempre às ordens para qualquer empreitada sinistra do latifundiário. O coronel tinha prestígio de sobra com os sucessivos governos. No dizer do povo, mandava em tudo na sua região. Casava, batizava, prendia, soltava, dava conselhos, pisas, mandava torturar e matar de acordo com as circunstâncias. Sua cabroeira, capangada, ou jagunçada, garantia o seu sucesso. O coronel, às vezes, media forças com outro, acoitava criminosos e demais tipos de bandidos na fazenda. (mais…)