06 nov

0 Comments

HOMENS, DESARMEM-SE!

Foto: Rawpixel / Pixabay

Há muito tempo venho pensando nas mais diversas formas de falar sobre esse tema tão complexo, e ao mesmo tempo, tão peculiar que é o universo masculino. Alguns podem enxergar isso como leve audácia, ou pura travessura minha, querer falar destes seres vindos de Marte, sendo eu, mais um fragmento mandado de Vênus. Mas, enxergo o público masculino como uma ampla corporação que, assim como todas as outras “categorias” que um povo se deixa subdividir, também precisa de atenção. No entanto, por uma enorme (e cruel) soma de aculturações, eles são estatisticamente os que menos recebem cuidados.

Percebo o quanto a sociedade é cruel quando a visualizo sendo refém de seus próprios pré-requisitos para viver dentro de uma minúscula caixa. Nessa caixa, homens não podem chorar, não têm sentimentos, não precisam ir ao médico, não podem ser vencidos, e ser sensível é quase uma ofensa. Homens só podem se enquadrar no papel indestrutível de ser macho. O seu papel é ter sempre força braçal, raciocínio lógico e infalível, e saúde em abundância. Chorar é um crime inafiançável, porque desde crianças ouvem uma lenda de que “homem que é homem não chora”. Para ter sentimentos, só se enquadram em duas hipóteses nas conversas dos parceiros de futebol: ou é “dominado”, ou traído pela mulher – porque homem deve ser eminente, sempre.

E pra quê ir ao médico? “Isso aí é frescura”, “toma uma dose que resolve”. E por muitos anos, nos índices do mundo todo, o homem é o que mais vem a óbito por não tratar de patologias a tempo de curá-las, por descobrir tarde demais. Assim como, pelas mais diversas razões, o homem esconde por muito mais tempo a depressão, sendo mais propício a tentar o suicídio. De acordo com os dados de análise da Tábua completa de mortalidade para o Brasil de 2018, publicado pelo IBGE, a probabilidade do homem alcançar os 60 anos no ano de 1940 era de 11,6%, enquanto que para a mulher atingir a mesma idade as chances eram de 14,5%. Já em 2017, 20,5% para homens e 24,1% de chances para mulheres alcançarem a melhor idade. Quase oitenta anos depois, embora o índice de mortalidade tenha caído para ambos, a diferença entre os sexos continua muito semelhante.

Até quando os homens precisarão carregar essa pesada armadura e essa incômoda máscara? Vamos lá sociedade, não é tão difícil assim perceber que não há outra saída senão a igualdade. Homens e mulheres, antes de serem indivíduos socialmente encaixilhados, são biologicamente humanos. Todos nós temos necessidades inerentes as nossas opções de escolher tê-las. Humanos sentem dor, medo, cansaço, raiva, mas também sentem desejo, carência, afeto, amor. Homens não são uma classe diferenciada de seres humanos. Não existem super heróis por aqui (e olhem que o homem-aranha é louco pela Mary Jane)… Enquanto o “sexo-frágil” ganha os holofotes, o grito silencioso dos homens continua a vagar em torno do seu particular universo, mas lá, buracos negros não engolem dores, estas permanecem.

Muito se fala nas conquistas da mulher ao longo de todos os anos de estruturação e tentativas de desmonte do patriarcado, do dia 8 de março, do dia das mães, das campanhas de Agosto Lilás e Outubro Rosa, e de todos os espaços que a mulher conquistou. E como boa feminista que sou, tenho que abrir aspas aqui para duas coisas, a primeira, é que todas essas conquistas são de fundamental importância para nós mulheres, embora ainda tenhamos muitos caminhos a serem desbravados; e a segunda, é que esse mesmo feminismo importante para nós é importante para vocês, rapazes. E antes que me interpretem mal, respirem, que a explicação já está logo a diante. Lembram da igualdade que eu citei no parágrafo anterior? Quando nós, mulheres, lutamos por equidade, levantamos a bandeira também por vocês. Da mesma forma que queremos espaços, esperamos que vocês também ocupem alguns espaços que a “sociedade” julga não precisarem ocupar.

Diferente do público feminino que é cercado por campanhas de cuidado, saúde, valorização e inúmeras jogadas de marketing capitalista para estar sempre impecável, para o público masculino restam propagandas de cervejas, carros, preservativos e futebol, algumas poucas vitrines dedicadas ao dia dos pais, e finalmente, o Novembro Azul. A essa altura já se pode imaginar que não foi coincidência que escolhi este mês em questão para lembrá-los do quanto são importantes. A campanha vem para reforçar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata, que segundo Fundação do Câncer, este é o segundo tipo de câncer mais comum entre os homens brasileiros e as maiores vítimas são homens a partir dos 50 anos.

Bem, se o simples fato de precisar ir ao médico já é uma muralha para os homens, e fazer terapia com um psicólogo é um passo tão difícil quanto escalar o Monte Everest, já podemos imaginar que a campanha do Novembro Azul é essencial. Porém, não suficiente. Todos nós somos responsáveis pelos obstáculos sociais que criamos, e principalmente, que continuamos a alimentar. A misoginia precisa ser combatida, assim como a homofobia, o racismo, e quaisquer outros tipos de intolerância. Não deixando fora destes, o machismo, que diferente do feminismo (que é um movimento social), é um comportamento fundamentado na compreensão de que os homens são superiores às mulheres. E com muita tristeza eu lhes digo que vocês vêm sendo superiores a nós nos mais diversos índices de mortalidade.

Segundo a estimativa da Incidência de Câncer no Brasil para o biênio 2018-2019, todos os tipos de câncer, com exceção do câncer de mama, útero, ovários e tireóides, têm a probabilidade de acometer muito mais homens que mulheres. Além disso, de acordo com o CVV, em média, uma pessoa comete suicídio por hora no Brasil. Também a cada hora, três pessoas tentam, sem sucesso, cometer suicídio. Dentre estes, as mulheres têm a taxa oficial de morte por suicídio de 1,9 para cada cem mil habitantes, e os homens, o índice é de 7,1. E a diferença é gritante. Além do mais, segundo o Ministério da Saúde “Acidentes de trânsito são a segunda maior causa de mortes externas no país. Em 82% dos caso, as vítimas fatais são do sexo masculino”. Mesmo as mulheres sendo taxadas de dirigir mal. Bem, eu poderia continuar uma listagem de outros dados, mas a ideia aqui é apenas uma: chamar a atenção de vocês, homens, para o autocuidado.

A carreira, a família, as ocupações, tudo isso é importante, claro. Mas se a saúde for por água abaixo, todo o resto escoará junto. O trabalho pode esperar, as obrigações rotineiras podem esperar, tenham certeza que não haverá nada de mais importante que estar bem, inclusive para conseguir realizar essas atribuições com melhor eficiência. E a família, bem, estes irão agradecer por poder contar com sua presença por alguns anos a mais, com longevidade e saúde. Com as palavras de Arthur Schopenhauer “O maior erro que um homem pode cometer é sacrificar a sua saúde a qualquer outra vantagem”. Afinal, quais vantagens temos carregando os pesos do descuido? Desarmem-se meus queridos, não há motivos para tanto silêncio, pois seus gritos ecoam somente no próprio interior de cada um, mas haverão de sair por algum lugar um dia. E talvez, seja tarde demais para tentar gritar. Cuidem-se!

03 nov

0 Comments

DE ONDE VÊM AS SUPERSTIÇÕES?

Foto: Michelle Maria / Pixabay

A origem da palavra vem do Latim SUPERSTITIO, que significa “profecia, medo excessivo dos deuses”, originalmente “estado de exaltação religiosa”, de SUPERSTES, “o que fica por cima”.

No cotidiano é bem comum presenciarmos a maioria das pessoas que convivem com varias superstições. Sobre os mais variados assuntos: alimentos, forma de andar, nos vestiram, sobre sonhos, datas, cores, números, morte, viagens e etc.  

Mas de onde vêm tais crenças? Elas são realmente verdades? Por que as pessoas se prendem a esses dogmas? Por que para algumas pessoas essas superstições são verdades absolutas.

A maioria desses medos vem de experiências desconhecidos e são pensamentos irreais e ilusórios, mas a mente humana é tão poderosa que o fato de acreditar cegamente em algo torna o indivíduo irracional, e o corpo se sente desconfortável diante de algumas situações que venham dessa crença. 

Todo ser humano é de maneira natural sugestionável e influenciável, principalmente quando os conteúdos têm cunho religioso e práticas espirituais, por carregarem um peso do sobre natural em que não se permite questionamentos. E consequentemente essas pessoas tem o medo do pecado e acreditam e reproduzem alguns costumes de geração em geração.

Nas décadas passadas os ensinamentos, crenças e superstições, que eram passados pelos mais “velhos” para as novas gerações eram seguidos à risca com regra geral. A maioria das pessoas não buscava a origem dessas práticas sem fundamento real. Por exemplo, existem algumas pessoas que acreditam que gato preto dá azar. 

Com o avanço tecnológico e a modernização, esse construto cultural vem deixando de serem seguidas, muitas pessoas vem quebrando esses paradigmas não acreditando ao pé da letra nessas superstições.

De modo geral cada religião é uma seita, que é também uma superstição e o fato de acreditar e se direcionar por algo que não se vê, nem se explica. O ser humano é vazio e necessita dessa referência suprema para não perder o sentido e o foco da vida.  

Para concluir, vou fazer um teste com você caro leitor. Você já ouviu alguém dizer que tomar leite após comer manga, ou vice e versa é prejudicial à saúde? Mesmo que você não tenha passado por isso, nem tão pouco existe nenhum estudo que comprove esse resultado. E ainda assim muitas pessoas não comem esses dois alimentos juntos. 

Superstições são bloqueios automáticos da nossa mente, desenvolvidos de experiências ruins vivenciadas por alguém, e passada verbalmente para outras pessoas, o que não quer dizer que será igual com todas as pessoas. Até porque cada individuo tem uma energia diferente e organismo é único. 

Tudo isso são superstições. 

Cuidado com as superstições, elas são como sombras que não existem na sua vida.

21 out

0 Comments

Saiba como proceder um inventário através do cartório

Foto: congerdesign / Pixabay

Dando prosseguimento à série de assuntos relacionadas aos atos administrativos – EXTRAJUDICIAIS – abordaremos no presente post o procedimento de INVENTÁRIO pela via administrativa.

O inventário é o processo pelo qual se faz o levantamento de todos os bens de determinada pessoa após sua morte. Através deste são avaliados, enumerados e divididos os bens para os seus sucessores.

Existem duas possibilidades de procedimento do inventário: extrajudicial ou judicial. Em ambas, a lei estabelece que o procedimento de inventário deve ser realizado dentro do prazo de 60 dias, podendo incidir multa ao Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação – ITCMD, após esse prazo.

Assim como os demais atos administrativos cartorários, o inventário extrajudicial possui peculiaridades que o distinguem dos atos judiciais e, por ser mais rápido e menos custoso, é o procedimento mais recomendável quando não há impedimentos.

As exigências, cumulativas, como forma de admissibilidade para o inventário extrajudicial são:

0. Inexistência de testamento;
0. Inexistência de herdeiros menores e/ou incapazes;
0. Inexistência de litígio entre os herdeiros.

Desse modo, o descumprimento de quaisquer das referidas exigências inviabiliza o prosseguimento do feito na via extrajudicial, restando, exclusivamente, a via judicial para processamento do inventário.

A seguir trazemos os principais passos para realização dessa modalidade de inventário.

Escolha do cartório e contratação do advogado

Os primeiros passos do inventário são a escolha de um Cartório de Notas onde será realizado todo o procedimento e a contratação de um advogado, que é obrigatória e pode ser comum ou individual para cada herdeiro ou interessado.

Nomeação do inventariante

A família – em comum acordo – deverá nomear um inventariante, que será a pessoa que administrará os bens do espólio (conjunto de bens deixados pelo falecido).

Levantamento das dívidas e dos bens

Após o início do processo, o tabelião levanta as eventuais dívidas deixadas pelo falecido. Essas dívidas devem ser quitadas com o patrimônio do falecido, até que os débitos se esgotem ou até o limite da herança.

Pagamento do imposto

Para que o processo do inventário seja finalizado e oficializado no cartório, é preciso pagar o Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doações (ITCMD), imposto estadual cuja alíquota varia de estado para estado. Nesta fase, a divisão de bens já deve ter sido acordada com a família, os registros e certidões negativas devem ter sido providenciados, e as informações sobre os herdeiros e a partilha devem ter sido reunidas. O imposto é calculado sobre o valor venal dos bens.

Divisão dos bens

Como o inventário extrajudicial parte do pressuposto de que os familiares concordam com a forma como foi feita a partilha, a função do advogado,
nesse ato, é de resguardar os direitos de cada herdeiro.

Lavratura da Escritura

Todos os herdeiros e respectivos advogados devem estar presentes, munidos de documentos,
tais como: a certidão de óbito; documentos de identidade das partes e do autor da herança; as certidões do valor venal dos imóveis; certidão de regularidade do ITCMD, etc.

Prazo

Conforme dito alhures, a lei determina que o processo de inventário e partilha deve ser aberto dentro de 60 dias a contar da abertura.

12 out

0 Comments

Condições básicas na saúde infantil

Foto: Myriam Zilles / Pixabay

Há muito tempo, entidades de diversos setores como saúde, educação e economia comprovam através de dados, fatos e pesquisas a importância do acesso às condições básicas para uma vida digna. Em saúde pública, usamos o termo Determinantes e Condicionantes de Saúde para definir a estrutura de saúde de um indivíduo.

De modo geral, essa estrutura abrange desde as condições particulares de saúde e doença de cada um até o meio social e ambiental em que está inserido. Alguns dos fatores analisados são a idade e os serviços públicos, esses que iremos focar neste texto.

Em trabalhos antigos e recentes, entidades como a Organização Mundial da Saúde – OMS, o Fundo das Nações Unidas para a Infância – Unicef e outros pesquisadores independentes apontam a relação entre o acesso que uma população possui aos bens e serviços e seu desenvolvimento social.

A pesquisa recente do IBGE evidencia uma melhora histórica no cenário social do Brasil, ou seja, analisando a longo prazo, melhoramos muito e ampliamos o acesso à esses serviços. Mas, infelizmente, ainda estamos distantes de qualidade que iguale as condições de oportunidade. Situações de moradias sem rede de esgoto, sem abastecimento de água ou sem coleta de lixo são a realidade de cerca de 42% das crianças brasileiras na primeira e segunda infância (crianças de zero a seis anos).

O ambiente que a criança vive nessas fases da infância influencia diretamente em sua saúde e desenvolvimento cerebral. Por exemplo, na primeira infância, é construída a base das habilidades cognitivas e de capacidade de aprendizagem que irão subsidiar a atuação da criança, no curto prazo, na escola e no resto da vida.

A infância precisa ser um período de aprendizado, de conhecimento e principalmente de oportunidades, porém acaba sendo um período de vulnerabilidade e influências negativas. Outro fator importante para a redução do desenvolvimento infantil [e social] é a discrepante desigualdade evidenciada nos lares de quase 10 milhões de crianças e adolescentes em situação de pobreza extrema, onde a renda per capita mensal é cerca de R$ 250.

Fica difícil para uma criança que cresce nessas situações buscar por oportunidades ou tentar competir em qualquer aspecto da vida. Sabemos então, a grande influência da saúde infantil no desenvolvimento de uma sociedade. Para começarmos a vislumbrar uma coletividade mais justa, evoluída e menos desigual é urgente a necessidade investimentos e esforços para a melhoria das condições básicas das crianças.

06 out

0 Comments

Prisioneiros da mente e refém dos pensamentos

Foto: Free-Photos / Pixabay

Você se considera um prisioneiro da mente e refém dos seus pensamentos? 

Se você não sente assim, ao final desse artigo possivelmente terá mudada de opinião. Asseguro que a maioria dos seres humanos não sabe administrar seus pensamentos automáticos que são sempre impulsivos, nem tão pouco compreendem o porquê das emoções intensas os fazem ter comportamentos irracionais.

No conjunto de funcionalidade humana o cérebro é o mais potente e importante dispositivo de comando do corpo, em milésimos de segundos ele processa várias ações de execução automática. Então todos os seres humanos são prisioneiros da mente, e naturalmente o cérebro é a principal matriz de comando.

A maioria das pessoas adoece mentalmente porque não tem o hábito de fazer manutenção dos seus pensamentos e emoções. Culturalmente só é valorizada a saúde física, é comum às pessoas fazerem exames preventivos e periódicos. Mas quando o assunto é saúde mental, raramente se encontra alguém que decide limpar e reorganizar os filtros psicológicos. 

Atualmente a doença que mais afasta pessoas do mercado de trabalho chama-se DEPRESSÃO. Suas causas são diversas e somatizadas no dia a dia, talvez algum dia a manutenção da saúde mental seja tão intensa quanto à saúde física, e só assim o índice de adoecimento será reduzido. 

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), na próxima década mais da metade da população mundial estará sofrendo de algum de tipo de desajuste mental.

Os prisioneiros da mente vão acumulando estresse, raiva, decepções e frustrações ao longo de anos, e nunca fazem manutenção dos cárceres mentais causados por um olhar torto que te fez perder o sono, ou por uma frase mal interpretada que te fez reagir com agressividade.

E como ser uma pessoa civilizada, agradável e inteligente se você é um ser humano que não consegue administrar a si mesmo?

Muitos sofrimentos são desenvolvidos pela falta de habilidades emocionais, e pela resistência desinteligente que te aprisionam. 

Você realmente NÃO se sente prisioneiro da mente?

Você consegue viver fora dela?

Você já se perguntou o porquê pensa dessa maneira que você pensa?

Você vive o presente, ou está aprisionado nos erros do passado? 

Ou será que você sofre intensamente pelas coisas do futuro?  

Aprenda a ser leve, inteligente emocionalmente. Livre-se das travas mentais limitantes, liberte-se cobranças sociais. Aprenda a ler a si mesmo, pois todas as respostas para suas dificuldades estão dentro de você.

 “A mente é uma prisão aberta, os pensamentos não amarram, mas machucam, e as emoções te condenam mesmo sem julgamentos”.

05 out

0 Comments

Separação, divórcio e extinção da união estável também é feito em cartório

Foto: Steve Buissinne / Pixabay

Dando continuidade à série de postagens referentes aos atos notariais, nessa, abordaremos sobre a possibilidade de resolução extrajudicial dos conflitos que envolvem a separação, o divórcio e a extinção da união estável nas causas terminativas da sociedade conjugal.

Essas possibilidades previstas pelas vias extrajudiciais tem sido cada vez mais buscadas, tendo em vista a maior celeridade em relação às ações judiciais.

Não obstante possuam como requisito basilar a pacificação e o acordo prévio entre as partes, em caso de litígio, necessariamente deverá ser processado pela via judicial.

Outro requisito para que o ato seja realizado em cartório, é a não existência de filhos comuns menores de idade ou incapazes e também durante a gravidez.

Importante frisar que a escritura de separação ou divórcio não depende de homologação judicial, sendo apenas averbada no Cartório de Registro Civil para alteração do estado civil as partes.

Embora a lei faculte a partilha para momento futuro, é recomendável que os interessados resolvam as questões patrimoniais no mesmo ato.

Quanto a escolha do Cartório de Notas para lavratura da escritura, esta poderá ser independente do domicílio das partes ou mesmo do local do casamento.

Apesar de consistir em ato extrajudicial, necessário se faz a contratação de advogado para atuar na separação ou divórcio em cartório. A lei exige a participação de um advogado como assistente jurídico das partes nas escrituras de separação e divórcio.

03 out

0 Comments

Auriculoterapia: conheça esse tratamento e seus benefícios

Auriculoterapia é um tratamento da Medicina Tradicional Chinesa, sendo atualmente um ramo na especialidade da Acupuntura (Foto: Alagoas na Net / Arquivo)

A Auriculoterapia é um tratamento milenar de origem oriental que busca restabelecer o equilíbrio do corpo por meio de estímulos em pontos específicos do pavilhão auricular, com o objetivo de promover a prevenção ou a cura de uma doença.  Constitui também uma parte importante da Medicina Tradicional Chinesa, sendo atualmente um ramo na especialidade da Acupuntura.

Foi oficializada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como uma terapia de microssistema. Essa terapia consiste na estimulação mecânica de pontos específicos do pavilhão auricular para aliviar dores e/ou tratar problemas físicos e psíquicos. Além disso, pode ajudar a diagnosticar doenças através da observação de alterações nestes pontos.

O tratamento consiste na observação do pavilhão auricular e suas estruturas. É realizado de forma asséptica, mesmo sendo um procedimento pouco invasivo. Após essa avaliação o profissional devidamente capacitado irá estimular pontos direcionados a queixa/reclamação da pessoa que está doente, em busca de restabelecer o equilíbrio corporal, amenizando os sintomas e até curando algumas doenças.

Estudos comprovam que a Auriculoterapia é uma técnica efetiva na redução da dor aguda e crônica, sendo recomendada no controle e alivio da dor como um tratamento complementar ao convencional.

A Auriculoterapia vem sendo bastante difundida e aceita pelas pessoas por se tratar de um método minimamente invasivo, promove na maioria dos casos, alivio imediato da dor. O paciente poderá estimular os pontos com as sementes utilizadas para alívio dos sintomas, as sementes podem ser de mostarda ou cristais.

É especialmente indicada quando o paciente não deseja ou está impedido de usar agulhas de acupuntura, além de ser um tratamento com poucas restrições, podendo qualquer pessoa fazer o tratamento auricular, desde bebês até idosos. 

Segue algumas das várias doenças que podemos tratar com a Auriculoterapia:

-Enxaqueca 
-Ansiedade
-Depressão
-Dor na coluna
-Insônia
-Sinusite
-Falta de apetite
-Emagrecimento
-Gastrite
-Cólicas menstruais e outros. 

Em Santana do Ipanema você encontra esse tratamento no Consultório de Enfermagem – CuraDerme, situado na Av: Martins Vieira, 408 – Monumento – S. do Ipanema. ( Prédio da POP CLIN). Telefones: 3621-3213/9.9664-3110/9.8229-1412

Instagram: @curadermesi

Site:www.curadermesi.com.br

Enfermeira Responsável: Amanda Araujo Mendes

01 out

0 Comments

PARA ONDE FOI A INFÂNCIA?

Foto: esudroff / Pixabay

Aproveitando a abertura para o mês das crianças, senhores pais, mães, avós e avôs, senhores tios, madrinhas, professores, educadores e demais responsáveis, é para vocês que escrevo desta vez. Apesar da minha pouca idade, inicio refletindo que a infância que eu tive, já não existe mais. Então devo presumir que a infância de vocês também tenha sido completamente diferente, não só da infância atual, mas também da minha, que nem faz tanto tempo assim. E, sinceramente, olhando para a atualidade, eu já sinto lamentar muito pelas próximas gerações.

De acordo com a Lei 8.069/90 do Estatuto da Criança e do Adolescente, em seu Art. 4º, “é dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária” a crianças e adolescentes, mas o que me parece, é que as crianças estão voltando a se tornar as miniaturas de adultos que o século XIII costumava construir.

Quando me refiro a esse retrocesso da infância, do qual volta a declinar à sua inexistência de séculos atrás, estou apontando que o processo de adultecer as crianças de hoje é algo que grita pela nossa atenção. As nossas crianças não estão menos vulneráveis, menos ingênuas ou menos inocentes só por que o mundo evoluiu a largos passos tecnológicos. Muito pelo contrário, a evolução também trouxe a exposição, e permitir que esses pequenos indivíduos fiquem expostos com tamanha normalidade, gera uma provável (e triste) ideia de extinção da infância.

As crianças de hoje não só portam um aparelho celular/smartphone, como também possuem redes sociais inapropriadas pra sua idade. Com isso, os padrões de moda lançados para adultos nas mídias online, passam também a serem padrão para as crianças que acreditam que a aquele perfil social lhes cabe. E como numa reação em cadeia, passam a fabricar miniaturas de roupas adultas sensuais, onde os pais não só permitem usar, mas ajudam na escolha da compra. E se não bastasse as vestes, o que falar das músicas e coreografias de linguajar e movimentos sensuais (para não dizer sexuais), que são ensinadas  com direito à aplausos aos nossos pequenos? 

A educação sozinha não consegue mediar conhecimento, a saúde sozinha não consegue conter o alto índice de gravidez precoce e doenças sexualmente transmissíveis, a assistência social sozinha não consegue proteger proativamente, o conselho tutelar sozinho não consegue defender, se os pais, os responsáveis e a sociedade como um todo, não fizerem o seu principal papel de separar a infância da vida adulta, como cada fase deve ser. A educação primeira (leia-se familiar) será sempre a base para todas as outras portas que se abrirão na vida de um indivíduo. No entanto, com a falha desta, nenhuma outra consegue construir o alicerce que deixou de ser feito.

Acredito que a maioria de vocês, que agora refletem junto comigo enquanto lêem, se colocaram a lembrar de suas respectivas infâncias, e também tiveram a nostálgica vontade de voltar lá e brincar de pés descalços ao menos uma vez. Pois é, então vamos lembrar que, assim como todas as fases da vida, a infância não volta, ela simplesmente passa. Não deixe que as nossas crianças percam a magia do brincar, aprender e serem curiosas com seus inúmeros porquês. Não esperem que elas busquem suas respostas num vídeo do YouTube, ouçam-nas para respondê-las. Ser criança é tão mágico, que o poeta Fabrício Carpinejar teve uma feliz reflexão ao dizer que “Na infância, bastava sol lá fora, e o resto se resolvia”. Sejamos o sol dos nossos pequenos.

19 set

0 Comments

Usucapião fora da Justiça; saiba como proceder

Foto: Harry Strauss / Pixabay

A partir de hoje iniciaremos uma série de postagens referentes aos atos cartorários extrajudiciais. São medidas alternativas contrários aos litígios judiciais ou meios de soluções de conflitos que possibilitam resoluções administrativas ainda em cartório. 

Os atos extrajudiciais estão associados à noção de “desjudicialização”, ou seja, da possibilidade de resolver questões jurídicas fora do âmbito das ações judiciais. 

Como as mudanças implementadas a partir do Código de Processo Civil, ainda no ano de 2015, o cidadão teve o acesso facilitado aos direitos legalmente previstos. 

Dentre as principais vantagens dos atos extrajudiciais cartorários, estão a celeridade no procedimento e a resolução pacífica entre as partes, muito embora alguns deles necessitem da presença de advogado.

Vários são os atos administrativos possíveis em âmbito administrativo, no entanto, abordaremos sobre os principais e mais usuais, quais sejam: Separação, divórcio e extinção da união estável; Inventário administrativo e partilha; Ata notarial; Demarcação e divisões de terras particulares e Usucapião administrativo. 

Usucapião administrativo

O Usucapião administrativo é uma das modalidades de aquisição de propriedade. Esse tipo de procedimento ocorre em virtude de posse prolongada e ininterrupta de bem móvel ou imóvel, pelo prazo estabelecido legalmente.

O procedimento de usucapião poderá ser realizado pela via extrajudicial, no entanto, se houver impugnação, o procedimento deverá ser remetido ao Poder Judiciário. Ou seja, apenas será registrado o usucapião se não houver impugnação.

Como dito, seja judicial ou administrativo – no cartório – há a necessidade de constituir advogado. Por ser um procedimento mais célere e com um custo mais baixo, o procedimento de usucapião extrajudicial tem desafogado o judiciário consideravelmente, regularizando e valorizando o mercado imobiliário.

18 set

0 Comments

DIU: conheça um dos métodos contraceptivos mais utilizados pelas mulheres

Ilustração de um DIU já aplicado (Foto: Reprodução)

O DIU é o segundo método contraceptivo mais usado entre as mulheres, ficando abaixo apenas da laqueadura (método definitivo), porém, fica em primeiro lugar na categoria dos métodos reversíveis, sendo mais utilizado do que os contraceptivos orais, as famosas “pílulas”.

O DIU é um método contraceptivo inserido no útero da mulher após avaliação, e exclusão de possível gravidez, o mesmo é uma haste com formato semelhante ao T. Atualmente, temos duas opções: o DIU de cobre, (não hormonal), e o DIU de Mirena, (hormonal). Ambos são eficazes e efetivos com relação a impedir a gestação.

Seus mecanismos de ação são semelhantes, o DIU de cobre, à medida que vai liberando seus íons torna o útero um local hostil para os espermatozoides, atua como um espermicida o que impede que o espermatozoide fecunde o óvulo, o mesmo pode ficar até 10 anos sendo uma ótima opção para as mulheres que desejam contracepção reversível, de alta eficácia, longa duração, livre de hormônios, e é disponibilizado pelo SUS.

Já o DIU de Mirena, libera no útero um hormônio chamado levonorgestrel, aumentando a espessura do muco cervical, assim, dificultando o trajeto do espermatozoide até o encontro com o óvulo, e está indicado permanecer por no máximo 5 anos.

Ambos dispositivos têm efeitos colaterais semelhantes e que duram geralmente nos primeiros meses de adaptação, são contra indicados em caso de suspeita de gravidez. O DIU de Mirena tem um maior custo em relação ao de cobre, que é, e deve ser disponibilizado pelo SUS como método, e parte do programa de planejamento familiar. 

Mas surge a dúvida, se é eficaz por que existem algumas mulheres que engravidam usando esse método? Vamos desmistificar isso. Primeiro: nenhum método contraceptivo é 100% seguro. Segundo: o DIU deve ser inserido por profissional habilitado e capacitado, podendo ser médico ou enfermeiro após toda avaliação clínica, após sua inserção é aconselhável que dentro dos primeiros meses seja feita avaliação para confirmação do posicionamento do mesmo dentro do útero, além de seguir todas as recomendações passadas pelo profissional de saúde, que o introduziu.

Hoje, o DIU de cobre, tem um percentual de falha em média de 0,4% (4 mulheres a cada 1000) que utilizam, e o DIU de Mirena, 0,2% (2 mulheres a cada 1000 ) que utilizam. Portanto, fica claro que o percentual de ineficácia dos dois tipos é baixíssimo, o que transforma hoje, o DIU, um dos métodos mais seguros e mais utilizados, lembrando que o dispositivo impede apenas a gravidez e não o risco de IST (infecções sexualmente transmissíveis), sendo aconselhado a associação com preservativo.

Veja abaixo um vídeo que mostra a simulação de aplicação de um DIU.