Banco de Leite Humano do HU está com estoque abaixo da média

09 jun 2020 - 21:00

Qualquer quantidade doada aos bancos de leite é válida (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

Hospital Universitário (HU-Ufal) solicita doação de leite humano para manter o estoque, que está abaixo da média. A necessidade é para suprir as demandas do HU com os recém-nascidos prematuros ou com patologias, que necessitam de atendimento na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) ou na Unidade de Cuidados Intensivo (UCI) da instituição.

“Neste momento, é importante a doação, pois os casos de prematuridade e recém-nascidos persistem no Hospital”, afirma a coordenadora do Banco de Leite do HU, Rosângela Simões.

No geral, o Hospital Universitário disponibiliza, para mães que não estão internadas no HU, dois meios para realização de doação do alimento. Tanto as mães podem ir até o Hospital para doar quanto podem coletar o leite em casa, para que o HU faça a busca no domicílio de quem realiza o ato de solidariedade. “Doar leite assegura a manutenção da vida”, frisa a coordenadora do Banco de Leite. No momento, o serviço de coleta de leite das mães não internas, que teriam que se deslocar das suas casas para o Banco de Leite do HU, está suspenso.  A única opção atualmente é de busca do alimento na residência da doadora.

HU e a coleta em domicílio                                          

Interessadas podem ligar para o (82) 3202- 3945, para receber orientações de como realizar a doação. A doadora precisa preencher alguns pré-requisitos, como ter exames laboratoriais realizados durante o pré-natal e estar com a saúde em dia. Caso elas não tenham recipiente de vidro de tampa rosqueada, como de café solúvel, adequado para depositar o alimento, o Hospital também levará a sua residência.

O leite doado, posteriormente, passará por um processo de análise e processamento. Somente, depois das verificações, o leite será encaminhado para os bebês que necessitam.

Benefícios para as doadoras

A doação de leite materno além de trazer benefícios para os recém-nascidos também colabora para a manutenção da saúde da doadora. Por não correr o risco de acumular leite humano produzido em excesso, quem doa possui menos risco de desenvolver mastite, inflamação das glândulas mamárias, que deixam os seios doloridos e endurecidos. Algumas mães deixam de doar com medo de que o leite deixe de ser produzido. A coordenadora do Banco de Leite do HU afirma que isso é um mito. “Quanto mais a mãe estimular a produção do leite, mais ela produzirá, salienta a coordenadora”.

Por Assessoria  

Comentários