“Baixinho Boiadeiro matou vereador Tony pretinho por vingança”, conclui PC

28 fev 2018 - 19:20

Coletiva dar detalhes da elucidação de morte de vereador (Foto: Larissa Wilson / Assessoria PC-AL)

A Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) apresentou, durante coletiva de imprensa nesta quarta-feira (28), o trabalho de investigação feito pela Polícia Civil que elucidou a morte do vereador Tony Carlos Silva de Medeiros, conhecido como “Tony Pretinho”. O crime aconteceu no dia 15 de dezembro de 2017, na porta de sua residência, no município de Batalha.

Os delegados João Marcelo, Fábio Costa e Eduardo Mero, que foram designados para investigar o caso, deram detalhes das investigações que culminaram com uma operação para prender os envolvidos no crime.

Desde as primeiras horas da manhã desta quarta-feira 30 equipes da Polícia Civil cumpriram 12 mandados de busca e dois de prisão em Arapiraca, Craíbas, Jaramataia e Batalha. Um homem identificado como Jadielson Agostinho Batista foi preso por posse ilegal de arma de fogo em um dos endereços alvo da operação. A polícia destacou que ele não possui ligação com o crime. Já Thiago Mariano Tenório e José Márcio Cavalcante, conhecido como “Baixinho Boiadeiro” estão foragidos e são apontados como os autores do crime.

Delegados João Marcelo, Eduardo Mero e Fábio Costa, comissão designada para investigar o caso. (Fotos: Larissa Wilson / Assessoria PC-AL)

“O Tony estava encostado em um veículo na porta de sua residência quando foi surpreendido por uma rajada de tiros. Ele foi atingido por 15 tiros e um tiro final foi dado no rosto. O Thiago Mariano e o Baixinho Boiadeiro foram quem fizeram os disparos”, relatou o delegado Eduardo Mero.

Durante a coletiva, o delegado Fábio Costa disse que durante as investigações a polícia juntou provas técnicas que apontaram que José Márcio utilizou a mesma arma para matar Tony Pretinho e cometer o atentado contra José Emílio Dantas.

“Foi um trabalho integrado brilhante e que contou com a importante contribuição da Perícia Oficial para elucidar o crime. Agora não mediremos esforços para prender os foragidos. Quem souber de informações do paradeiro deles pode informar pelo 181 Disque Denúncia. As informações do denunciante são mantidas em sigilo”, afirmou.

O delegado João Marcelo, que presidiu a comissão que investigou o crime, informou que a polícia também realizou várias oitivas e diligências no sentido de reunir informações e provas técnicas que comprovassem a autoria material e intelectual do crime.

“As investigações nos levam a crer que o crime contra Tony Pretinho aconteceu por vingança. Agora seguimos no encalço com equipes para prender os dois foragidos”, completou.

O diretor da Perícia Oficial de Alagoas, Manoel Melo, explicou que os peritos realizaram um exame de comparação balística entre os projéteis recolhidos nas cenas dos crimes – o atentado contra José Emílio Dantas e Tony Pretinho.

“Foi um trabalho de suma importância no caso para que se chegasse nos motivos do crime. Isso prova que o Estado trabalha com provas técnicas e quem pensa em cometer crimes aqui deve repensar isso”, frisou.

Delegado-geral da PC, Paulo Cerqueira, e Perito Oficial, Manoel Melo.
O delegado-geral, Paulo Cerqueira, falou que a elucidação do caso mostra a imparcialidade da Segurança Pública. O chefe da PC elogiou o trabalho da Perícia Oficial e também da atuação dos delegados.

“Semana passada estivemos aqui para dar detalhes da primeira fase das investigações de outro caso ocorrido em Batalha e hoje mostramos um resultado maior, mais amplo com a elucidação do caso”, disse.

Já o secretário da Segurança Pública, Lima Júnior, parabenizou o trabalho das equipes envolvidas, reafirmando a importância do trabalho integrado entre as instituições. “Mais um belo trabalho de investigação realizado pela Polícia Civil, que elucida mais este crime e mostra que a Segurança Pública atua e combate o crime no Estado”, completou.

Da Assessoria PC-AL

Comentários