Após encerramento de lixão, prefeita de Major Izidoro busca auxílio com IMA

12 dez 2017 - 08:30

Uma equipe de Major Isidoro procurou o IMA/AL para iniciar o trabalho no município (Foto: Ascom/IMA)

A prefeita do município de Major Izidoro, Santana Mariano, esteve nesta segunda-feira (11) em Maceió buscando ajuda junto ao Instituto do Meio Ambiente de Alagoas (IMA-AL) para começar os estudos e ações de recuperação das áreas degradadas por lixões.

Segundo a gestora sertaneja, o município não assinou o acordo com o Ministério Público (MP), porque encerrou as atividades do lixão no dia 14 de novembro. “Não fizemos um ato público, mas já comunicamos ao IMA e já paramos de enviar lixo para a área”, comentou Mariano.

Santana falou com a equipe do IMA/AL para ser orientada sobre os próximos passos a serem dados, para a construção do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (Prad).

“Geralmente é elaborado por uma equipe multidisciplinar que vai avaliar as condições da área e indicar como o local pode ser recuperado”, explicou Ermi Ferrari, gerente de licenciamento do IMA.

O diretor-presidente do órgão estadual, Gustavo Lopes, confirmou o recebimento da documentação e disse que a lista final de lixões encerrados será enviada, em 15 dias, para o MPE.

“Para a construção do Prad nós vamos levar em consideração o mesmo prazo estabelecidos pelo Ministério Público para os municípios que assinaram o acordo. Será de um ano para a elaboração do Plano e mais quatro anos para colocar em prática o que foi planejado”, explicou Gustavo Lopes.

Segundo a Política Nacional de Resíduos Sólidos, instituída na lei nº 12.305/10, todos os municípios deveriam ter fechado seus lixões até 2014. Entres os anos de 2015 e 2017 foram encerrados 43 lixões alagoanos, em todas as regiões do Estado, antes disso apenas Maceió destinava os resíduos à um aterro licenciado.

Mais 42 se comprometeram, junto ao MPE, de fechar até abril de 2018. Outras 11 prefeituras estão em fase de negociação para a assinatura do chamado Termo de Acordo de Não Persecução Penal.

Da Redação com Assessoria IMA-AL

Comentários