Quadrilha que realizava golpes do seguro-desemprego é presa no Sertão

25 maio 2013 - 20:06

Foto: Cortesia PM

Foto: Cortesia PM

Cinco pessoas foram presas na tarde desta sexta-feira (25), num trecho da AL 130, próximo a cidade de Pão de Açúcar, no Sertão de Alagoas. Segundo a polícia, os cinco homens são acusados de formar uma quadrilha que tinha como objetivo fraudar benefícios do seguro-desemprego.

Com aparência jovem e oriundos da cidade de Boca da Mata, os cinco homens acabaram sendo detidos após uma denúncia vinda da Caixa Econômica da cidade de Pão de Açúcar.

A queixa veio após funcionários da agência perceberem algumas atitudes suspeitas por parte dos homens, e notarem que os mesmos tentavam sacar o benefício do seguro desemprego, mas portavam documentos com informações desencontradas.

Após a informação, uma equipe do Pelotão de Operações Especiais (Pelopes), comandada pelo Tenente da PM, Miguel, conseguiu localizar os suspeitos, ainda na rodovia AL 130, próximo ao trevo que liga a cidade de Olho d’Água das Flores.

Os cinco jovens estavam num veículo WV Gol, de cor preta, que após ser vistoriado pelo polícia, foi encontrado várias cédulas de identidade, carteiras de trabalho, pen drives e cartões de memórias com informações de documentos, além de outros papéis referentes a saques do benefício do seguro-desemprego.

Os cinco presos pela polícia foram: João Ricardo Teixeira, de 27 anos, o “Kaka”; Carlos Rosemberg Alves de Oliveira, 19; Joelton Jorge da Costa Silva, 22, o “Pinho”; Alberto da Silva Marcolino Rijo, 21 e Wanderberg Lima da Silva, 22, o “Wando”.

Foto: Cortesia PM

Foto: Cortesia PM

Ao serem levados até a Delegacia Regional da cidade de Batalha, os homens confessaram que estariam tentando sacar dinheiro do benefício federal

O esquema

Em conversa com o chefe do cartório da equipe de plantão, da cidade de Pão de Açúcar, Moisés Correia, nossa reportagem foi informada que quem comandava a quadrilha se tratava do jovem João Ricardo, o Kaká.

Segundo relato à polícia, Kaká organizava os documentos necessários para a aquisição do seguro-desemprego e arrumava pessoas para realizarem os saques, pagando R$ 100,00 por cada saque realizado.

O esquema era tão bem planejado, que o criminoso já tinha empresa em seu nome e emitia cheques e documentos para comprovar a fraude. Para conseguir que as pessoas sacassem os valores Kaká fazia com que várias identidades fossem falsificadas e colocadas as fotos dos recebedores.

Após feito os levantamentos, a Polícia Civil lavrou um flagrante de Estelionato, Falsidade Ideológica e Formação de Quadrilha. O inquérito deverá ser conduzido pelo delegado Sandro Marcelo, que após a conclusão poderá remeter o mesmo à Polícia Federal, por se tratar de crime contra a União.

Da Redação

Comentários